Notícias

19/01/2013 | 10h03m - Publicado por: Geraldo Bessa/ TV Press para O Fuxico | Foto: Jorge Rodrigues Jorge / Carta Z Notícias.

Alessandra Negrini : "A Globo entendeu todas as vezes que disse não"

A atriz compara seu atual trabalho com as gêmeas que protagonizou em horário nobre

Alessandra Negrini : \

Ao longo da carreira, Alessandra Negrini ficou conhecida por suas interpretações densas, viscerais e sensuais de produções como Engraçadinha: Seus Amores e Seus Pecados e A Muralha. Sem se desfazer da figura forte que construiu através de suas personagens, ao completar 20 anos de televisão – ela estreou em Olho no Olho, de 1993 –, Negrini assume que só quer saber de leveza e boas risadas.

Alessandra Negrini: "Estou mais madura artisticamente e agora tenho autonomia para fazer o que eu realmente quero. Interpretar personagens de humor e com energias positivas é a minha prioridade", conta a intérprete da aprendiz de vilã Catarina, de Lado a Lado.

A interesseira e divertida personagem da atual novela das seis marca o retorno da atriz paulista aos folhetins, cinco anos depois de viver as gêmeas Taís e Paula, de Paraíso Tropical.

"Fazer duas personagens no horário das nove não foi fácil, eu precisava desse tempo para me reciclar", admite.

Aos 38 anos, Negrini ainda guarda o mesmo olhar misterioso da época de Olho no Olho, assim como mantém a sensualidade latente do período de Engraçadinha: Seus Amores e Seus Pecados. No entanto, se mostra mais serena e cuidadosa diante de sua figura pública e da carreira de atriz.

"Antes, eu queria me descobrir. Hoje, me encaro de forma mais racional. Isso reflete na minha vida pessoal e no que eu quero experimentar como intérprete", acredita.

 

Outras vidas

Alessandra Negrini confessa que tem uma queda por trabalhos de época. A primeira experiência em produções do tipo foi em Engraçadinha: Seus Amores e Seus Pecados, de 1995, que retratava os anos 1940. Tempos depois, ela teve a oportunidade de viver a corajosa Isabel de A Muralha, minissérie exibida em 2000 e ambientada no Brasil do século XVIII. Posteriormente, em 2006, interpretou a delicada Yedda, de JK". 

"São produções ricas, cheias de referências e detalhes que me chamam a atenção. É sempre divertido e agregador fazer coisas desse tipo", garante.

No caso de Lado a Lado, a atriz se empolga com o caráter educacional do texto de Cláudia Lage e João Ximenes Braga. Ao mostrar o período da Belle Époque e a movimentação em torno do fim da abolição, a atriz acredita que a trama consegue ultrapassar a barreira do simples entretenimento. 

"É uma grande aula de história, com um texto que me dá possibilidades de desenvolver bem o meu trabalho", valoriza.

Opção pela arte

Durante a juventude, a carreira de atriz era uma grande dúvida na cabeça de Alessandra Negrini. Passado o sonho de infância de ser cantora lírica, aos 18 anos, ela estudou alguns períodos da faculdade de Jornalismo, mas não gostou. Anos depois, cursou Ciências Sociais e também não se encontrou. 

"Atuar era um desejo distante. Não tinha atores na família, nem referências, mas exista uma curiosidade", explica a atriz que, paralelamente aos estudos, fazia aulas experimentais de teatro. 

"Teve uma hora em que tive de escolher e já estava totalmente envolvida pela atuação. Larguei tudo e fui buscar formação e oportunidades de emprego como atriz", conta.

O Fuxico: Lado a Lado é sua primeira novela em cinco anos. O que a fez retornar aos folhetins?

Alessandra Negrini: Senti que seria uma boa oportunidade de fazer novela. Não é todo dia que uma história como a de Lado a Lado e uma personagem como a Catarina aparecem. Recebi uma ligação do (autor) João Ximenes Braga falando sobre a personagem e como ela iria movimentar a trama. O fato de ser uma vilã carregada de um humor bem peculiar, cantora lírica, mulher independente e de atitudes pouco ortodoxas me deixaram bem interessada.

OF: Antes da atual novela das seis, você fez apenas participações em séries, como As Brasileiras. Foi uma opção sua ficar distante de trabalhos mais longos depois de Paraíso Tropical?

AN: Eu precisava de um tempo. Saí de Paraíso Tropical totalmente esgotada e querendo longas férias. Fazer protagonista dupla em uma novela das nove foi uma experiência muito intensa. Fui elogiada, criticada e trabalhei demais. Então, eu tinha de me dar um tempo, descansar minha imagem, minha mente e meu corpo. Nesses cinco anos, também pude conduzir minha carreira por caminhos mais alternativos. Eu ansiava e precisava me reciclar.

OF: De 2007 a 2012, você esteve em sete longa-metragens. O cinema foi seu escape criativo?

AN: Exatamente. Nos anos 90, primeira fase da minha carreira, eu deixei de fazer muitos filmes em detrimento do meu trabalho na tevê. Aproveitei o fim de Paraíso Tropical para fazer o inverso. A emissora entendeu esse momento e me deixou livre para dar esse passo mais independente. Como atriz, essa medida foi essencial e se revelou muito frutífera. Fui ao Festival de Cannes e Veneza com Cleópatra e a A Erva do Rato, do Julio Bressane. Pude experimentar um cinema mais jovial e ágil em 2 Coelhos, além de ser premiada por Abismo Prateado e por outros longas.

OF: Você já estava com saudades de fazer novela ou essa volta foi alguma exigência da Globo?

AN: Eu sentia falta de fazer novela sim. Mas não é do meu tipo aceitar qualquer coisa. Esperei aparecer uma personagem bacana e marquei esse retorno. Não fazia uma novela das seis desde Anjo Mau e gosto desse clima mais leve do horário. Seria muito chato voltar ao estúdio com a pressão ou o peso de protagonizar uma trama das nove, por exemplo. O bom disso tudo é que mesmo sob contrato, a direção da Globo entendeu todas as vezes que disse "não" para personagens.

OF: Quando você entrou em Lado a Lado, a trama já estava sendo exibida há dois meses. Sentiu alguma dificuldade para entrar no clima do folhetim?

AN: Eu sabia que iria entrar, mas estava incerto ainda em qual momento. Para não chegar muito perdida, acompanhei boa parte da trama. Só que não adianta, eu poderia estar trabalhando desde o início ou só entrar no fim, o mais importante é ter o texto em mãos. Sabia mais ou menos como seria a Catarina, mas não tinha ideia da energia e da personalidade forte que ela iria exibir. Ter o roteiro na mão me tranquilizou e me deu segurança.

OF: Por ser uma novela de época, você se preocupou em compor a personagem de maneira mais específica?

AN: Eu crio muito intuitivamente. Não planejo gestos e olhares, tenho uma intuição de como a personagem reage e embarco por esse caminho. Já fiz outras coisas de época. Portanto, fiquei mais preocupada em dar nuances à personalidade da Catarina, do que em me sentir bem e familiarizada com figurinos e atitudes do início do século XIX. Fora os trabalhos no cinema e na tevê que me deram esses conhecimentos, histórias sobre e ambientadas na Belle Époque sempre me interessaram. E o fato da personagem ser uma cantora lírica me deu uma liberdade enorme para criar.

OF: Como assim?

AN: Ela é uma artista e exala liberdade. Nesse ponto, se assemelha ao tom "à frente de seu tempo" que é evidente nas personagens da Marjorie (Estiano) e da Camila (Pitanga). Isso é excelente para o processo de construção. A Catarina realmente tem o caráter duvidoso, é interesseira, mas não é só isso. Ela tem coisas bonitas também. Defino-a como uma opereta, aquelas óperas leves que os cantores líricos chamam de champanhe. Ela não tem uma raiva específica, vai fazer mal a quem atrapalha os interesses dela. Por exemplo, ela quer separar o casal principal apenas para garantir seu sustento.

OF: Você fez aulas de canto na juventude e já soltou a voz em algumas peças de teatro. No entanto, as apresentações de Catarina em Lado a Lado são dubladas. Em algum momento, chegou a pensar em usar a própria voz para esta personagem?

AN: Eu adoraria ter cantado de verdade, mas seria inviável. O canto lírico exige muita técnica e eu teria de estudar muito para conseguir entregar um trabalho no nível que a personagem é descrita, que é o de uma diva, uma grande cantora. Seria um desrespeito com a música lírica se eu cantasse sem o estudo necessário. Aí, a voz da Catarina ficou com a Clarice Prietto, mezzo-soprano do Municipal do Rio de Janeiro. E, por fim, vi que dublar bem é extremamente difícil.

OF:  Por quê?

AN: Eu não quero que fique uma coisa fake. Então, os ensaios para dublar acabam virando uma grande aula de canto. Para ter a sincronia perfeita com o som original, é preciso entender a emoção da música, a entonação da cantora, a abertura da boca. Como intérprete, tenho de ter essa noção. Por isso, durante as gravações, mesmo com as minhas limitações, eu canto. Se fosse de outro jeito, as cenas ficariam bem pouco críveis.

OF: Você tem gostado do resultado das cenas?

AN: Apesar de autocrítica, tenho ficado satisfeita. Engraçado é que, ao me ver como Catarina, rola um sentimento de realização pessoal. Pois meu sonho de infância era ser cantora lírica. Vivia cantando pela casa e perguntando: "Mãe, você acha que eu canto bem?" (risos). Mas acabei indo pelo caminho da atuação.


OF: Este ano, você completa 20 anos de televisão. O que a maturidade e a experiência mudaram no seu modo de enxergar a profissão de atriz?

AN: Muita coisa mudou. A única coisa que eu acho que está intacta é o meu brilho no olhar a cada cena e personagem. Essa curiosidade pelo ser humano e o desejo de expressão estão na minha natureza de artista. Olhando pelo lado das mudanças, agora eu acredito que tenho outras pretensões artísticas. Fiz personagens densas e libidinosas durante toda a minha carreira. Então, na contramão disso, tenho olhado com mais carinho para tipos cômicos e leves. Acho que é um lado que eu devo explorar em trabalhos futuros.
 

Trajetória Televisiva

# "Olho no Olho" (Globo, 1993) - Clara.

# "Retrato de Mulher" (Globo, 1993) - Bruna.

# "Engraçadinha: Seus Amores e Seus Pecados" (Globo, 1995) - Engraçadinha.

# "Cara e Coroa" (Globo, 1995) - Natália.

# "Anjo Mau" (Globo, 1997) - Paula.

# "Meu Bem Querer" (Globo, 1998) - Rebeca.

# "A Muralha" (Globo, 2000) - Isabel.

# "Desejos de Mulher" (Globo, 2002) - Selma.

# "Sítio do Pica-Pau Amarelo" (Globo, 2003) - Rapunzel.

# "Celebridade" (Globo, 2003) - Marília.

# "JK" (Globo, 2006) - Yedda.

# "Paraíso Tropical" (Globo, 2007) - Paula/Taís.

# "As Cariocas" (Globo, 2010) - Marta.

# "Tal Filho, Tal Pai" (Globo, 2010) - Bárbara.

# "Lado a Lado" (Globo, 2012) - Catarina.

Alessandra Negrini circula por aeroporto no Rio de Janeiro
Alessandra Maestrini quer aproveitar o fim do mundo com muito sexo

Instagram

Instagram

  • Barraco,  briga e afastamento no #PowerCoupleBrasil  #DiegoGrossi x #AndersonFelicio
  • @thaeme anunciou que está grávida de seu primeiro filho, fruto do casamento com o empresário Fabio Elias. Leia mais em #OFuxico!
  • @alok passou por um belo de um susto, ainda durante o último fim de semana. Tudo porque o avião que transportava o DJ saiu da pista, durante a decolagem, em Juiz de Fora. Confira mais em #OFuxico
  • @diegocgrossi e @francielegrossi foram afastados do @powercouplebrasil, após o rapaz discutir com Anderson, marido de @muniknunes. Saiba mais clicando em #OFuxico!
📷: Divulgação/Record TV
  • Nesta segunda-feira (21), o @kensingtonroyal divulgou novas fotos oficiais do casamento do Príncipe Harry e de Meghan Markle. Confira mais em #OFuxico
  • Morreu, aos 24 anos de idade, a modelo e digital influencer @almeidanara, que lutava contra o câncer. Leia mais em #OFuxico
  • Oficialmente casados! 👰🏻💍❤ Quer saber todos os detalhes do casamento mais esperado do ano? Leia tudo no site OFuxico! (Foto: Reprodução/Instagram/@kensingtonroyal)

OFuxico