Notícias

16/09/2013 | 14h49m - Publicado por: Marcio Maio/ TV Press para O Fuxico | Foto: Luiza Dantas/ Carta Z Notícias

Amora Mautner aposta em Joia Rara como um marco em sua carreira de diretora

Ela conta que antes o que queria mesmo era ser pintora

Amora Mautner aposta em Joia Rara como um marco em sua carreira de diretora - Luiza Dantas/ Carta Z Notícias

A imagem que Amora Mautner passa é de uma pessoa firme e autoconfiante. Mas, às vésperas de ver Joia Rara, a nova novela das 18 horas da Globo, no ar, a diretora-geral transparece toda a sua expectativa e curiosidade em relação à repercussão da estreia. Depois de surpreender com uma textura impecável em Cordel Encantado, exibida em 2011, e ganhar muitos pontos na emissora com o tom obscuro e ritmo de série de Avenida Brasil, agora Amora aposta alto no naturalismo. A ponto de, no Nepal, fazer seu elenco improvisar diante de dezenas de monges reais que aceitaram substituir a figuração da novela, que aborda a filosofia budista em sua trama central.

"Eu tinha certeza de que não daria para fazer se não fosse assim. Conversei com todo mundo, principalmente com a Mel Maia, porque a naturalidade era fundamental ali", lembra. 

Principal nome do núcleo de Ricardo Waddington na Globo, Amora é uma das poucas mulheres à frente da direção de dramaturgia. Divide esse posto na emissora apenas com Denise Saraceni, que assina a direção de Saramandaia, e com Cininha de Paula, parceira de Miguel Falabella em Pé na Cova. Mas jura que não há portas fechadas para o gênero feminino na função. "Daqui a pouco, vamos ver um monte que estão se formando. Há uma ideia de que precisa ser muito durona. E, de fato, você tem de mostrar uma postura firme e segura. Mas isso vale para várias outras profissões", avalia. 

Entrega plena
Amora garante que seu processo mais longo é o de pré-produção. A diretora passa um bom tempo junto com os autores e, depois que sente que entendeu profundamente a história que deve ser contada, se volta para os atores. Em Joia Rara, por exemplo, ela se trancou em uma casa e dividiu o elenco em ncleos.

"Quero que as pessoas venham estudadas. Mas, na hora 'H', espero que joguem tudo fora para criarmos juntos. Acredito que a energia da criação só é viva se for feita em conjunto", filosofa.

Além disso, Amora fez um trabalho especial com José de Abreu, Nathalia Dill e Carmo Dalla Vecchia em sua própria casa, já que o trio interpreta os vilões da trama.

"Isso foi importante para marcar bem a função e motivação de cada personagem ali", explica. 

A diretora garante que não costuma encontrar resistência dos atores em seu processo criativo. Mas, confessa, já deixou alguns preocupados em outros trabalhos. Em Avenida Brasil, por exemplo, seu cuidado em unificar o núcleo da família do jogador Tufão, vivido por Murilo Benício, era tão forte que alguns profissionais demonstraram certo receio.

"Como eu fiz uma coisa bem radical com eles, na primeira semana houve uma empolgação com a proposta, mas também um medo. Então, garanti que eu tinha um acordo com o autor e que, se não desse certo, regravaríamos. Primeira semana de estúdio é para experimentar mesmo. Deu no que deu", orgulha-se.

Primeira impressão
A relação de Amora Mautner com a televisão não começou de forma amistosa. Em 1991, quando escalava o elenco jovem da novela Vamp, Antônio Calmon insistiu para que ela, então com 16 anos, fizesse parte da equipe. Na época, escalou-a para interpretar a problemática Paula, filha do vampiro Ivan e da empresária Sílvia, vividos por Paulo José e Zezé Polessa. Mas a experiência foi um desastre para a aprendiz de atriz.

"A novela era ótima, mas eu não existia ali. Comecei a ganhar dinheiro e fiquei. Até que no meio da trama pedi para sair. Atuar nunca foi a minha onda", confessa Amora, que pouco tempo depois retornou à emissora no posto de diretora assistente, no lançamento de Malhação, em 1995.  

O Fuxico: Vocês gravaram parte de Joia Rara no Nepal. Como foi a experiência?

Amora Mautner: Algo único. Lá, tivemos a oportunidade de gravar só com monges de verdade. Foi uma conquista que demorou dois meses, mas eu tinha certeza de que não daria para fazer com figuração. Gravei momentos até neorrealistas, de nem ensaiar com as pessoas locais e gravar como se fosse um documentário. Ensaiava a Mel Maia sozinha e avisava que, se alguém reagisse diferente, ela improvisaria, porque eu queria pegar a realidade. Acho que consegui.

OF: Você é diretora-geral e o Waddington, de núcleo. Onde começa e termina o trabalho de cada um?

AM: Ricardo é produtor da novela, ele não dirige. Temos essa parceria já há algumas novelas. Ele produz e eu conceituo e dirijo. Ele me ajuda em tudo que preciso, mas é um produtor. Ricardo já está na produção de outra novela, Além do Horizonte, em que promove um diretor nosso, o Gustavo Fernandez.

OF: Você bateu muito na tecla da escalação da Bianca Bin e da Mel Maia. Por que fazia questão delas no seu elenco?

AM: Eu sempre quis a Bianca Bin. Até fiquei na dúvida no começo porque, como o Bruno Gagliasso interpretava o vilão e ela, a mocinha em Cordel Encantado, não queria repetir o par. Cogitei outras pessoas, mas ela não saía da minha cabeça. Cheguei a sonhar com isso. Então, decidi ignorar e, se as autoras permitissem, eu ia colocar ela. Elas toparam. Já a Mel eu guardei por dois anos para Joia Rara. Eu, a Thelma e a Duca estávamos já com essa novela em conversa na época de Avenida Brasil e a Mel faria outras novelas na sequência. Pedi ao Manoel (Martins, diretor artístico da Globo) para segurar ela. Eu sempre a vi como a nossa Joia Rara. Ricardo me ajudou nisso porque queríamos que ela fosse a protagonista. Ela é um fenômeno, tem um carisma que poucos têm e seria desperdício não aproveitar.

OF: Desde que você assumiu como diretora-geral, em 2009, seus trabalhos são encarados como diferenciados na televisão. A que credita essa boa fase?

AM: Acho que é uma conjunção. Tive sorte de formar parcerias com autores muito bons. Estou no núcleo do Ricardo Waddington, que é um produtor maravilhoso e que me dá uma autonomia incrível. Em "Cordel Encantado", por exemplo, que foi uma novela mais "inventada", tivemos uma equipe atípica na Globo. Meu cenógrafo nunca tinha feito novela. Não é qualquer um que aposta no novo. 

OF: Você sente que as novelas estão em processo de transformação e, se sim, vê necessidade de renovação?

AM: Duca Rachid e Thelma Guedes, além do João Emanuel Carneiro, com quem trabalhei em Avenida Brasil, têm uma modernidade enorme ao fazerem suas novelas. Eles pegaram uma tendência mundial e que, na minha visão, deveria estar em tudo: a dinâmica dos seriados. Há uma grande trama central, que é tocada sem economia, como se cada capítulo fosse um episódio de série mesmo. E eu gosto de fazer tudo o menos duro possível para os atores. Prefiro atuações mais orgânicas. 

OF: São poucas mulheres na direção-geral de novelas. Falta interesse por parte delas ou é um meio mais fechado para o sexo feminino?

AM: Temos poucas hoje, mas você vai ver muitas surgindo no futuro. Acho que é algo que está acontecendo agora. Quando eu entrei na Globo, só tinha a Denise Saraceni. Era eu e ela. Eu vim com 19 anos, fui assistente até os 23, quando me tornei diretora. Hoje, tenho 37 anos. Quando comecei, não tinham exemplos para seguir, mas não tive dificuldades. Eu acho que essa é uma coisa mais holística da vida. As mulheres estão ocupando cargos que, antes, não ocupavam. Quem imaginou que teríamos uma mulher presidente? As próprias autoras de tevê começaram a pipocar mais agora. Existiam antes, mas eram mais homens escrevendo.

OF: Você sempre pensou em dirigir?

AM: Não, eu queria ser pintora. Eu pinto, aliás. E isso me ajuda demais. Todo trabalho meu começa com uma imagem. Leio a história, penso e crio uma imagem na cabeça. Ali é o início de todo o conceito. A Globo desenvolveu um primor técnico e de fotografia nos últimos anos. Quando o Luiz Fernando Carvalho fez "Renascer", em 1993, houve uma mudança muito grande, mostrou-se que as novelas poderiam ser trabalhos mais cuidadosos e não feitos meio "pizzaria". 

OF: Qual é a principal marca da sua direção? 

AM: É na paleta que começo minha criação. Faço um conceito onde ninguém sai da minha paleta. Não tem nenhum objeto de cena verde nessa novela, por exemplo, porque não está na minha paleta. E também outras cores que determinei que não existem. Isso dá uma unidade à novela. A segunda coisa é a organicidade do elenco. Meu maior trabalho é tirar isso deles. É fazer, mesmo no estúdio da Globo, sair aquela coisa formal. Quero o mais orgânico deles porque considero que é a energia que vai ao ar. Tento unir a minha estética com uma organicidade do elenco. Eu exercito a não-marca, essa é a minha meta.

OF: É mais caro fazer uma novela nos seus moldes?

AM: É um pouco mais caro, mas não muito mais. Gasto muito tempo na fotografia, o que era um tabu antigamente. Pregava-se que você só gravava 25 cenas de estdio se usasse uma luz aberta. E eu consegui mostrar que não é verdade. Em Avenida Brasil, eu gravava isso. A Globo investe no talento, na democracia, desde que você traga qualidade. O meu gosto e estilo é esse, eu não tenho como ser diferente. Valorizo a luz, gasto um tempo maior que os outros na pré-produção. Uma vez que a novela está conceituada, está com a paleta e os atores no tom, a gente vai para o "set" e grava em um ritmo bom, entra no processo industrial. Se eu não tenho esse conceito na cabeça, aí dificulta. 

OF: Em pouco tempo como diretora-geral, você já virou uma referência no meio artístico. Como lida com essa posição?

AM: Eu não me vejo como um ícone na direção. O que eu percebo é que tenho uma liberdade imensa que me foi dada pelo meu pai, Jorge Mautner, que é um tropicalista. E essa liberdade é um diferencial porque consigo não me oprimir. Talvez algumas mulheres se oprimam, mas eu tive essa natureza e uma educação diferente, uma infância atípica que me fez ser quem sou hoje.
 

Trajetória Televisiva

# Vamp (Globo, 1991) - Paula. 

# Malhação (Globo, 1995) - Assistente de direção.

# Salsa e Merengue (Globo, 1996) - Assistente de direção.

# Anjo Mau (Globo, 1997) - Assistente de direção. 

# Dona Flor e Seus Dois Maridos (Globo, 1998) - Assistente de direção.

# Labirinto (Globo, 1998) - Assistente de direção.

# Andando nas Nuvens (Globo, 1999) - Assistente de direção.

# O Cravo e A Rosa (Globo, 2000) - Diretora.

# Um Anjo Caiu do Céu (Globo, 2001) - Diretora. 

# "Desejos de Mulher" (Globo, 2002) - Diretora. 

# Agora É Que São Elas (Globo, 2003) - Diretora. 

# Celebridade (Globo, 2003) - Diretora. 

# Mad Maria (Globo, 2005) - Diretora. 

# "K (Globo, 2006) - Diretora. 

# Paraíso Tropical (Globo, 2007) - Diretora. 

# Três Irmãs (Globo, 2008) - Diretora. 

# Cama de Gato (Globo, 2009) - Diretora-geral.

# As Cariocas (Globo, 2010) - Diretora. 

# Cordel Encantado (Globo, 2011) - Diretora-geral.

# Avenida Brasil (Globo, 2012) - Diretora-geral.

# Joia Rara (Globo, 2013) - Diretora-geral.

Elenco de Joia Rara se reúne em festa de lançamento no Rio
Elenco apresenta Joia Rara, nova novela global das seis

Instagram

Instagram

  • Em parceria com @mcjhowzinhojk e @mckadinhojk, @edugueda promete fazer muito sucesso, com o hit Voltei Pra Emergência. Confira um teaser do clipe da música!
  • O recado carinhoso de @luansantana a OFuxico, após receber o #TrofeuMelhoresdoAno do #DomingaodoFaustão 📽@flaviacirino
  • @sterblitch vencedor na categoria Comédia do #TrofeuMelhoresdoAno do #DomingaodoFaustao, agradece os votos do público manda um recado super especial a OFuxico. Vem ver! 📽 @flaviacirino
  • @alexandrenero mandou uma mensagem aos leitores de OFuxico, após receber seu #TrofeuMelhoresdoAno do #DomingaodoFaustao. Confira! 📽 @flaviacirino
  • Emocionados após receberem o #TrofeuMelhoresdoAno do #DomingaodoFaustao @zenetoecristiano mandaram uma mensagem especial. Confira! 📽 @flaviacirino
  • @patriciapillar manda seu carinho aos leitores de OFuxico, após receber seu #TrofeuMelhoresdoAno do #DomingaodoFaustao. 📽 @flaviacirino
  • @leticiacolin venceu na categoria #AtrizCoadjuvante do #TrofeuMelhoresdoAno do #DomingaodoFaustao. Olha a mensagem que ela mandou! 📽 @flaviacirino

OFuxico