Notícias

02/02/2013 | 16h05m - Publicado por: Fernanda Breder/TV Press para O Fuxico | Foto: Jorge Rodrigues Jorge/CZN

Atriz diz que par romântico tem que ter bom hálito

Alice Assef interpreta vilã Fabiana em Balacobaco, da Record

Atriz diz que par romântico tem que ter bom hálito - Jorge Rodrigues Jorge/CZN

Muitos atores consideram vilões mais interessantes de se interpretar. Enquanto os mocinhos geralmente são passivos, são os vilões que agem e movimentam a trama. Foi pensando dessa forma que Alice Assef lidou com a reviravolta de sua personagem em Balacobaco, da Record. Na trama, ela interpreta Fabiana, ex-namorada de Eduardo, protagonista vivido por Victor Pecoraro. O galã a deixou depois de se apaixonar por Isabel, personagem de Juliana Silveira, que é casada com o vilão da trama, Norberto, de Bruno Ferrari.

"No momento em que a Fabiana foi trocada, havia dois caminhos: ou ela ia ficar sofrendo ou ter reações mais nervosas, de vingança", afirma.

E a personagem acabou seguindo os passos da vilania. Começou a trabalhar com Norberto na agência de turismo e a ser cúmplice de algumas mentiras do vilão.

"Estou adorando. Fiquei muito feliz com essa decisão porque a novela já tem uma mocinha. Eu não teria tanto espaço se fosse mais uma", opina.

Depois de várias participações em novelas, a atriz começou a ganhar destaque na tevê como a Ana de Amor em Quatro Atos, da Globo, em 2011. Na microssérie, inspirada em msicas de Chico Buarque, a personagem era um travesti que cantava em uma boate. Ainda que, na pele de Ana, Alice tenha recebido grande retorno do público via internet, ela não era abordada nas ruas por causa do papel.

"As pessoas não me reconhecem como a Ana porque acham que era um travesti mesmo", conta.

Pela complexidade do papel, a atriz acredita que tenha sido sua personagem mais difícil de compor.

"Mas tinha um lado muito teatral, então eu me senti bem à vontade", recorda Alice, que cursa a faculdade de Direção Teatral na UFRJ.

Perfil

Nome: Alice Morena Assef Lima.

Nascimento: 19 de setembro, de 1983, no Rio de Janeiro.

O primeiro trabalho na tevê: "Foi uma participação bem pequena em 'Ciranda de Pedra', da Globo, em 2008".

Atuação inesquecível: A Ana de Amor em Quatro Atos.

Atuação memorável: Adriana Esteves como a Carminha de Avenida Brasil, da Globo, de 2012. Ela foi brilhante. Chorei muito no último capítulo porque não ia ver mais a personagem.

Momento marcante: É esse meu momento agora, em que vieram duas coisas incríveis: o convite para a novela e ter sido aprovada para participar do longa Muitos Homens num Homem Só.

A que gosta de assistir: Séries americanas, entrevistas do Jô Soares e da Marília Gabriela.

O que falta na televisão: Investimento nas séries e nas novelas mais curtas. Como a novela se estende por muito tempo, às vezes, a trama fica diluída e perde o viço.

O que sobra na televisão: Tenho a sensação de que não precisa de tanto reality show. Já deu.

Ator favorito: Fernando Eiras. 

Atriz predileta: Marília Pêra.

Com quem gostaria de contracenar: Andréa Beltrão. Na verdade, eu já trabalhei com ela, mas foi muito pouquinho. Além de ótima atriz, ela é uma fofa.

Se não fosse atriz, o que seria: Não me vejo fazendo outra coisa, mas talvez fosse diretora. Se eu tivesse coragem de compor, seria cantora.

Novela: Avenida Brasil.

Cena inesquecível na tevê: Quando a Carminha descobre que a Nina é a Rita, em Avenida Brasil.

Melhor abertura de novela: A Favorita, da Globo, de 2008.

Trilha sonora: Set Fire To The Rain, da cantora inglesa Adele, parte da trilha sonora de Avenida Brasil.

Vilão marcante: A Carminha, certamente.

Personagem mais difícil de compor: A Ana de Amor em Quatro Atos foi minha personagem mais complexa. 

Papel que mais teve retorno do público: A Ana, sem dúvida, é a personagem que o público mais conhece.

Que novela gostaria que fosse reprisada: O Rebu, da Globo, de 1974. A novela durou seis meses e a história toda se passa em dois dias. Gostaria muito de ver. 

Com quem gostaria de fazer par romântico: Talvez o Wagner Moura. Mas nunca parei para pensar nisso. Acho que, tendo hálito bom, tanto faz.

Filme: Uma Rua Chamada Pecado, de 1951, com Marlon Brandon, baseado na peça do Tenesse Williams.

Livro de cabeceira: No momento, são os contos do Nelson Rodrigues, A Vida como Ela É.

Autor: João Emanuel Carneiro.

Diretor: Enrique Díaz, diretor teatral.

Vexame: Uma vez, em um jantar na casa de um amigo, uma outra convidada levou uma torta. Comecei a reclamar: 'Só espero que não seja do lugar tal, comi uma vez lá e era horrível'. Depois, descobri que ela era a dona do lugar.

Uma mania: Ficar cutucando os cantos das unhas.

Projetos: Depois da novela, não sei exatamente. Tem uma peça que eu devo dirigir agora no segundo semestre e, talvez, comece a reensaiar outra para entrar novamente em cartaz.

Instagram

Instagram

  • @projota arrasou e mandou os parabéns ao #OFuxico pelos seus 18 anos🤗🤗🤗😍
  • @jojotodynho mandou os parabéns ao #OFuxico pelos seus 18 anos 😄😄❤
  • @gabrieldiniz fez questão de divulgar o lançamento de sua mais recente música de trabalho, Jenifer, que já conta até com videoclipe e tudo, para os seguidores de #OFuxico. Confira!
  • @avinevinny fez questão de convidar os seguidores de #OFuxico para conferir sua mais nova música, Tô Fechado Com Ela, fruto de uma parceria com @ludmilla. Confira!
  • @_antoniantonia, @leticiacolin e @giovannaantonellioficial surgiram poderosas durante evento de lingerie.
Foto: Manuela Scarpa/Brazil News
  • Linda!!! @eliana esteve na comemoração dos 50 anos do beauty artist Júnior Mendes, na noite de quarta-feira (19) na Casa Petra, no bairro de Moema, em São Paulo.
Foto: Manuela Scarpa/Brazil News
  • @cesarfilho desejou os parabéns ao #OFuxico, pelos seus 18 aninhos!

OFuxico