Imprimir

Notícias

10/09/2017 | 10h00m - Publicado por: Beatriz Coletti | Foto: Reprodução/Instagram

Girl Power! 5 famosas feministas para se inspirar

De Anitta à Maria Casadevall, essas meninas estão usando a voz ativa em prol da luta das mulheres

Girl Power! 5 famosas feministas para se inspirar - Reprodução/Instagram
  • Amei0
  • Curti0
  • Feliz0
  • Triste0
  • Nervoso0
  • Surpreso0

Fatos recentes colocaram o Brasil no fervo de uma discussão sobre a importância do feminismo, em um País onde uma mulher é estuprada a cada 11 minutos. Pessoas começaram a questionar a gravidade deste dado veiculado em uma pesquisa feita pela Carta Capital, em 2016. E, até, as leis que compõem o Código Penal Brasileiro.

A discussão não é nova. Mas bastou uma mulher sofrer um abuso em um ônibus, na região da Avenida Paulista, em São Paulo, e o acontecimento chegasse à mídia, para que o assunto explodisse. Inúmeras conversas ao longo da semana foram pautadas na luta feminista e sua legitimidade.

Logo depois, a decisão do juiz José Eugênio do Amaral de Souza Neto em não condenar o agressor, por “não ter ocorrido o constrangimento da vítima”, cutucou ainda mais a “ferida” e aumentou as falas em prol da posição da mulher na sociedade.

As artistas, claros, não poderiam ficar de fora dessa. Afinal, é quase uma tradição que movimentos como esses nasçam no meio artístico e, também, um dos ícones desta luta é Frida Kahlo, pintora mexicana que, assim como muitas mulheres, viveu o machismo na pele e dentro de casa.

Pitty, Isis Valverde e Titi Müller usaram suas contas no Instagram como meio de militarem em favor da causa. As três, assim como boa parte dos brasileiros, reprovaram a posição do magistrado e colocaram uma reflexão para seus seguidores.

“Essa lei é falha e precisa ser mudada urgentemente”, comentou a roqueira.

A situação, entretanto, não foi a única vez em que as três falaram sobre o feminismo.

Titi Müller

A repórter do Multishow, inclusive, militou em rede nacional e virou um ícone nas mídias sociais. O episódio foi durante a transmissão ao vivo do Lollapalooza, pelo canal da rede Globosat. A ruiva foi escalada para introduzir o show do DJ israelense Asaf Borgore, que, segundo ela, tem músicas com “letras machistas e babacas”. A sementinha feminista da gaúcha viu aí uma possibilidade para conscientizar o público e, como uma comunicadora, o fez.

“Ele falou que isso é só um personagem. Querido, na próxima encarnação, invente um personagem melhor. Eu gostaria de falar 'machistas não passarão', mas vai passar um agora. É isso aí”, falou em tom forte e irônico.

Titi, também, escreveu um livro sobre o movimento, que será lançado no próximo mês. Como Me Tornei Feminista é uma forma de inspirar outras mulheres a aderirem à causa e colocar os leitores para refletir.

Isis Valverde

No caso da mineira, ela não teria outra postura, que não lutar por direitos iguais entre mulheres e homens. Recentemente, em entrevista a Rolling Stone, a atriz contou que suas inspirações são duas figuras femininas fortes: sua mãe e avó.

Mas é desta última, principalmente, que vem o ímpeto de aderir a movimentos como Mexeu Com Uma, Mexeu Com Todas – em resposta ao assedio sofrido por uma figurinista da Globo e praticado por José Mayer. Dona Maria Nilce foi a primeira mulher a se separar na pequena Aiuruoca. Além disso, criou quatro filhos sozinha e, ainda, se tornou prefeita da cidadela. Assim, não é de se admirar que Isis, mesmo contra a vontade do pai, tornou-se atriz – e que atriz.

Como é que eu ia fazer vergonha? (...) Eu falei para o meu pai que queria ser atriz, aí tive que ser”, brincou.

Pitty

O destino da feminista roqueira, também, estava traçado. Ela trazia no gene a sementinha da luta. Afinal, a baiana corajosa era a única mulher no cenário do rock n’ roll nacional e lutava por um espaço de destaque. Engane-se quem pensa que Pitty só quer que sua música seja ouvida e “levada a sério” assim como a tocada pelos homens. O feminismo da mamãe vai bem além disso.

Foram muitas as vezes em que a cantora usou sua voz para falar em prol do movimento. Diariamente, ela promove discussões em suas redes sociais a respeito de temas assim e não são poucas as oportunidades em que fala disso na televisão. Talvez as mais recentes e marcantes tenham acontecido do Altas Horas e no Criança Esperança (2017), ambos da Globo.

Neste último, Pitty estrelou a versão de um hino feminista, acompanhada por Carol Conka.

Em 2014, Pitty rebateu um comentário machista de um jovem e foi ovacionada pela plateia. O “pisão”, claro, repercutiu nas redes sociais. No mesmo dia, a baiana co-protagonizou uma discussão com Anitta. As duas apresentaram diferentes opiniões sobre atitudes que “cabiam” ou “não cabiam” às mulheres e ficou aquele climão. Mas, a confusão foi esclarecida dias depois pela fukeira, que afirmou não ter rivalidade com a colega.

Essas três meninas não são as únicas a levantarem abertamente a bandeira Girl Power.

Anitta

Apesar do super mal-entendido com Pitty, a popstar é uma das grandes ativistas do movimento. É inegável seu poder de alcance e engajamento quando fala em prol do Girl Power. Uma vez, a cantora usou sua apresentação no Planeta Atlântica, um dos principais festivais de música no Brasil, para fazer um discurso empoderador.

As falas de Anitta pelo feminismo, geralmente, seguem o mesmo padrão. Apontam o corpo da mulher como propriedade dela mesma e de mais ninguém. Vide a respostada dada pela funkeira a um deputado que a chamou de “vagabunda de quinta” e “garota de programa”.

"Amore, já que toda mulher precisa ser respeitada você poderia apagar o post onde me chama de garota programa sem nenhuma prova aparente baseado em um pré-julgamento e um preconceito contra a sensualidade? Trabalho como cantora, empresária, coreógrafa e compositora. Obrigada. Boa noite", escreveu.

Maria Casadevall

Girl Power! 5 famosas feministas para se inspirar

Outra grande feminista é a intérprete de Rimena, em Os Dias Eram Assim, super série da Globo. Sempre independente, Maria não vê sua felicidade e existência dependendo de um relacionamento amoroso. E, em recente conversa com a Glamour, deixou isso bem claro: “O ‘não’ em relação ao homem começou naturalmente, só depois entendi que não queria compactuar com esse pensamento machista (...)”.

A atriz coloca a pauta em discussão nos espetáculos com a companhia de teatro paulista, Os Satyros, respondendo a questões do entorno de forma orgânica. No bate-papo, a jornalista formada lembra do primeiro contato que teve com o movimento. Foi através dos livros, devorados por ela, uma a um, na época da faculdade. Mas o momento de descobrimento aconteceu só quando rolou a empatia entre ela e as outras mulheres. Quando descobriu que o problema não era só dela.

“Me entendi feminista (...) quando assimilei que somos treinadas a reproduzir valores de uma sociedade machista e sexista”, confessou.







Instagram

Instagram

  • A @clau_music fez questão de divulgar seu mais recente videoclipe, feito para a música Pouca Pausa, para os seguidores de #OFuxico. Confira!
  • Ainda na noite da última quarta-feira (13), @danielsaboya agitou o YouTube Space, no Rio de Janeiro, comemorando, entre outras coisas, seus dez milhões de inscritos, no YouTube, sendo dono do maior canal de dança do mundo. Confira um pouco do que aconteceu, no evento!
  • Nossa deliciosa tarde de festinha junina... clima gostoso na redação.
  • @ararocha20 trouxe complemento gostoso para nosso  Almocinho festa junina na redação...
  • Almocinho festa junina na redação...
  • @joaoguilherme divulga música inédita e manda recado ao OFuxico!!!
  • A @gilancellotti curtiu bastante a viagem que fez ao México e mostrou que está em ótima forma. Veja! http://www.ofuxico.com.br/noticias-sobre-famosos/de-biquini-giovanna-lancelotti-mostra-boa-forma-no-mexico/2018/06/03-321805.html

OFuxico