Notícias

09/06/2013 | 16h05m - Publicado por: Luana Borges/ TV Press para O Fuxico | Foto: Divulgação

Marco Pigossi sobre seu protagonista: "Dá um frio na barriga bom"

Ator fala de seu personagem em Sangue Bom

Marco Pigossi sobre seu protagonista: \

Marco Pigossi é um ator versátil. Nem seu tipo físico, com um rosto de traços finos e porte de galã, o limitou a personagens com perfil de bom moço. Tanto que, até interpretar o Bento de Sangue Bom, o primeiro protagonista de sua carreira, deu vida a tipos bem variados entre si. Como o gay espalhafatoso Cássio, de Caras & Bocas, o vilão Rafael, de Fina Estampa, e o tímido Juvenal, de Gabriela.

"Era tudo o que eu queria, me ver como um ator que pudesse fazer comédia, drama, brincar com váriosMarco Pigossi sobre seu protagonista: personagens diferentes", vibra.

O que também ajudou Marco nessa variedade de papéis foi a caracterização: completamente distinta em cada novela. Por isso, volta e meia, ele percebe que as pessoas não o associam a todos os personagens que interpretou na tevê. Inclusive, durante uma gravação de Sangue Bom, no Hopi Hari, parque de diversões em São Paulo, com Sophie Charlotte, que vive a Amora na trama, ele não foi reconhecido.

"Duas meninas estavam conversando e uma falou para a outra: 'Nossa, eu adoro essa atriz, assisto a todas as novelas dela. Ele, eu nunca vi'", relembra, aos risos o ator que fez o par romântico de Sophie em Fina Estampa.

O Fuxico: Em Gabriela, seu trabalho anterior, você interpretou um bom moço, o Juvenal. E agora também vive um rapaz do bem em Sangue Bom. O que mais atraiu você em relação ao Bento?

Marco Pigossi: O Juvenal era um personagem do bem, mas era muito diferente do Bento. Era mais melancólico e muito tímido. São várias coisas que me chamam atenção nesse papel. Primeiro, porque a Maria Adelaide (Amaral, autora) tem uma construção em cima desse mocinho que foge completamente do comum do mocinho em novela, o que é muito interessante. Não é o mocinho que sofre, que espera as coisas acontecerem com ele. Não. O Bento é ativo no jogo, tem um senso coletivo forte. Tem uma amiga com quem sai e dorme junto quando está afim. Isso é muito interessante porque desconstrói essa coisa do mocinho, traz para uma coisa mais atual, que realmente existe. É um mocinho, mas em um outro lugar.

OF: Existia alguma preocupação sua em não cair no estereótipo do mocinho chato?

MP: Existia um pouco. Mas, quando eu comecei a ler o texto, entendi o que a Maria Adelaide estava querendo propor ali. Acho que é um jogo muito conjunto. Não tive de me preocupar com isso, tirar dessa coisa de mocinho sofredor. O Bento mesmo já é esse cara, ele é um líder, que comanda aquele bairro e que estruturou a vida daquelas pessoas. Então, a proposta do personagem já não era desse mocinho sofredor.

OF: Como foi o processo de composição do personagem?

MP: Fiquei três meses em Holambra estudando flores. Desde plantação, colheita, arranjo, decoração, buquê. Foi importante não só para que as cenas em que Bento mexe nas flores fiquem boas, mas para entender o personagem. Porque o Bento tem um tempo diferente, não tem a velocidade de informação que a gente tem hoje em dia. Ele espera três meses para um botão de uma flor começar a brotar. Hoje em dia, queremos tudo na hora. Foi muito interessante entender o tempo do personagem. A partir daí, fui construindo. Marco Pigossi sobre seu protagonista:

OF: E foi atrás de outras referências?

MP: Fui pegando referências no texto, li o livro O Menino do Dedo Verde, de Maurice Druon, e outros romances. Vi o filme Conversas com Meu Jardineiro, em que um pintor famoso encontra um jardineiro e descobre que eles são amigos de infância. Peguei algumas referências minhas também, como o que eu tinha de mais sincero para colocar no personagem. O Bento é muito sincero, honesto e simples nas emoções. Então, tive de pegar o que eu tinha de mais sincero para emprestar para o personagem. É um papel que não tem uma construção muito forte.

OF: Como assim?

MP: Se for analisar, o Cássio, de Caras & Bocas, tinha um trabalho de corpo, tinha uma voz, um jeito. O Juvenal era fechado, sempre olhava para baixo e não nos olhos das pessoas. O Rafa, de Fina Estampa, era mais vilão. O Bento não. Ele é simples nessa construção, então eu tive que aproximar mesmo de mim. É tudo muito sutil, sem máscaras. 

OF: – Em Fina Estampa, de 2011, você e Sophie Charlotte fizeram um par romântico. Foi por causa da boa repercussão daquele casal que surgiu o convite para vocês voltarem a contracenar em Sangue Bom?

MP: Não. Aquilo foi uma coincidência total. Fizemos Ti-Ti-Ti em 2010, mas eu e Sophie nem nos encontrávamos nessa novela, só gravamos uma cena juntos. E a Maria Adelaide gostou do nosso trabalho e já colocou na cabeça que a gente faria uma outra novela dela. Em 2011, me chamaram para fazer Fina Estampa. A princípio, eu não iria fazer, seria o Rafael Cardoso, que precisou sair de última hora para entrar em A Vida da Gente. Então, fizeram teste com cinco atores contratados. Eu fiz o teste em uma sexta e comecei a gravar na terça. Foi de última hora, totalmente por acaso. Quando ela viu o casal no ar em Fina Estampa, me contou que pensou em mudar. Mas são situações completamente diferentes e faz tempo. Aí, a Maria Adelaide decidiu manter.

OF: Este é o primeiro protagonista de sua carreira na tevê, que começou com a minissérie Um Só Coração, de 2004. Como encarou o fato de encabeçar uma novela?

MP: Acho que essa coisa de protagonista é muito relativa. Às vezes, há personagens coadjuvantes melhores que os protagonistas e crescem de uma maneira que acabam virando protagonistas. A função do protagonista mesmo é contar uma história. Então, você está sempre ligado com a trama. Essa é a preocupação. Mas não deixa de ser uma realização também. O Dennis (Carvalho, diretor) e os autores estão confiando em mim. É um reconhecimento do meu trabalho. Então, acho que pode dar certo. É um frio na barriga bom.Marco Pigossi sobre seu protagonista:

OF: Como é dividir o posto de protagonista com outros cinco atores – Sophie Charlotte, Jayme Matarazzo, Humberto Carrão, Fernanda Vasconcellos e Isabelle Drummond? De alguma forma, ameniza a responsabilidade?

MP: É bom. As pessoas me perguntam muito qual é o peso de fazer um protagonista. Não é um peso. Tem uma responsabilidade muito grande. Mas não pelo quanto você vai aparecer, mas por ser responsável por contar aquela história. O protagonista tem de conduzir a história e contar de uma maneira que as pessoas gostem, se emocionem e comprem aquela ideia. Então, dividir com seis é muito bom. E é muito legal porque todo mundo praticamente começou junto. Vimos cada um crescendo no seu caminho, fomos acompanhando um ao outro e coincidiu de chegarmos juntos aqui. E somos jovens, temos muito o que aprender ainda.  

OF: – Em sua trajetória na tevê, você tem acumulado personagens diferentes entre si. É uma busca pessoal ou essa diversidade aconteceu por acaso?

MP: Os dois. É uma busca, mas foi acontecendo, graças a Deus. Eu falo que sou muito sortudo. Não sei se é sorte ou o que é eu conseguir mostrar realmente meu trabalho em diferentes lados. São várias personalidades, várias personas. E esse é o trabalho do ator. Se você fica preso, sempre fazendo aquela mesma coisa, fica chato, perde esse brilho que a gente tem de ter de coisa nova.

OF: E de onde vem essa sua versatilidade cênica?

MP: Do teatro. Eu fiz o Chicó, em O Auto da Compadecida, ano passado. No teatro, você tem a possibilidade de fazer algo que nunca vai fazer na televisão. Por mais que todos os meus personagens tenham sido diferentes, eu não vou fazer, na tevê, um velho de 80 anos, um nordestino. É uma questão de perfil. No teatro, tem essa possibilidade, o que é muito interessante.

OF: Nos últimos anos, você tem feito uma novela seguida de uma peça de teatro. Aproveita a visibilidade que a tevê proporciona para atrair mais público para os espetáculos que você faz?

MP: Sim. As pessoas vão levantar do sofá para ir ao teatro assistir você porque elas gostam de te ver na televisão. E o teatro traz uma bagagem para você fazer um bom trabalho na tevê. Um completa o outro. Estou juntando o melhor dos dois mundos.

OF: Justamente por ser um lugar de mais visibilidade, trabalhar na tevê significa estar sujeito a críticas. Como você lida com elas?

MP: Acho que é uma questão de saber de onde elas vêm. Tem muita gente que está ali só para aplaudir você à toa, assim como tem muita gente que está ali só para criticar. É saber da onde vem e saber dosar isso. Não só as críticas, como os elogios. Alguns elogios, a gente escuta. Outros, a gente também não precisa dar uma pirada e acreditar.
 
Fresco na memória
Mesmo depois de quatro anos e mais quatro novelas, Marco Pigossi ainda é muito lembrado pelo Cássio, de Caras & Bocas. Foi a partir desse trabalho que o ator ficou conhecido não só do grande público, como dos diretores e autores.

"Foi uma novela que deu muito certo, tinha uma audiência assustadora, com média de 42 pontos", exalta.

A aceitação do personagem foi tão grande, que seu bordão, rosa chiclete, virou nome de esmalte e de festa. Na época do teste para o folhetim, Marco nem imaginava que Cássio fosse ter tanta repercussão e espaço na trama. Até porque a sinopse era sucinta: "alegre, divertido, trabalha na galeria".

"Se for comparar o primeiro capítulo com o último, no primeiro, o personagem era muito mais contido. O Cássio foi enlouquecendo ao longo da trama, soltando a franga porque deu certo", explica.

Começo por baixo   
Quando começou a estudar teatro, aos 13 anos, Marco Pigossi sabia que trabalhar na televisão era uma realidade ainda distante. Afinal, seus pais não se mudariam com o filho de São Paulo para o Rio de Janeiro. E ele não poderia fazer nada sozinho por ser menor de idade. A oportunidade de ir para a tevê surgiu quando o ator estava em cartaz, em 2006, com uma peça de Shakespeare, interpretando um personagem bem pequeno.

"Eu fazia, literalmente, um tapete, o rei pisava em mim. Um produtor de elenco me viu e me chamou para fazer um teste para televisão", diverte-se. 

Trajetória Televisiva

# Um Só Coração (Globo, 2004) - Dráusio.

# Minha Nada Mole Vida (Globo, 2007) - Sávio.

# Eterna Magia (Globo, 2007) - Miguel.

# Casos e Acasos (Globo, 2008) - Rogerinho.

# Queridos Amigos (Globo, 2008) - Bruno.

# Caras & Bocas (Globo, 2009) - Cássio.

# Ti-Ti-Ti (Globo, 2010) - Pedro.

# Fina Estampa (Globo, 2011) - Rafael.

# Gabriela (Globo, 2012) - Juvenal.

# Sangue Bom (Globo, 2013) - Bento.

Instagram

Instagram

  • Repost @estherrocha : Delícia de visita com direito a um@montão se brigadeiros deliciosos que adoçou a redação e o meu coração... Esses dois lindos são os idealizadores do @empoderadxsbr , um site lindo, bem feito e do bem que é o novo parceiro de @site_ofuxico . E eu só festejando os amigos que a vida@me dá🙏😘😍
  • A @clau_music fez questão de divulgar seu mais recente videoclipe, feito para a música Pouca Pausa, para os seguidores de #OFuxico. Confira!
  • Ainda na noite da última quarta-feira (13), @danielsaboya agitou o YouTube Space, no Rio de Janeiro, comemorando, entre outras coisas, seus dez milhões de inscritos, no YouTube, sendo dono do maior canal de dança do mundo. Confira um pouco do que aconteceu, no evento!
  • Nossa deliciosa tarde de festinha junina... clima gostoso na redação.
  • @ararocha20 trouxe complemento gostoso para nosso  Almocinho festa junina na redação...
  • Almocinho festa junina na redação...
  • @joaoguilherme divulga música inédita e manda recado ao OFuxico!!!

OFuxico