Notícias

05/03/2016 | 10h00m - Publicado por: Flávia Almeida | Foto: Ag News

Miguel Falabella: 'Estou cansado, chega'

Artista se diz desanimado com a atual situação do País e não pretende mais produzir espetáculos

Miguel Falabella: 'Estou cansado, chega' - Ag News

Difícil acreditar, mas Miguel Falabella – um dos artistas mais dinâmicos e multifacetados do país – vai parar.   Com um musical em cartaz e um seriado no papel, ele revelou à reportagem de OFuxico que cansou e está desanimado. Embora seja apaixonado pelo ofício, Miguel, aos 59 anos afirmou estar cansado. Confirma esse e outros desabafos do artista na entrevista a seguir.

OFuxico: Você está estreando a temporada carioca de um suntuoso musical, que já fez sucesso em São Paulo. Como lidar com isso em tempos de crise? Houve alteração para amenizar gastos?

Miguel Falabella: Não mudei nada. Dei sorte porque a captação foi anterior a isso tudo. Quando estourou a tal da crise, já tínhamos Lei Rouanet e parcerias fechadas. O problema é daqui pra frente...

OF: Então significa que seu próximos  trabalhos serão mais simples?

MF: Quais próximos trabalhos? Pela primeira vez na vida, você pode me perguntar sobre meus projetos e eu vou te dizer, com tristeza: nenhum. Não tenho absolutamente nada para fazer. Nada, nada, nada. Sempre tive 4, 5 coisas borbulhado, efervescentes para fazer. Esse ano não tem nada.

OF: Mas não existe um seriado para a TV?

MF: Sim, a única coisa que tenho de concreto é o Brasil à Bordo, esse já está em andamento, estou escrevendo. São 12 episódios, mas ainda não faço ideia de quando começaremos a gravar. E, depois dele, nada mais a fazer.  

OF: Não havia também um texto para a Adriana Esteves?

MF: Ah sim estava escrevendo para a Marília isso eu quero sem fazer Com a morte dela, passei a escrever para a Adriana Esteves. Mas não faço ideia se vai rolar mesmo. Certo, só o Brasil à Bordo. Eu, Arlete Salles, Latorraca, Dani Calabresa, Luis Gustavo, só gente boa.

OF: Por que você não quer?

MF: Terei que ficar implorando? Ventila-se a possibilidade de acabar a Lei Rouanet. É com ela, é através dela, que é possível fazer turnês, pagar hospedagens, passagens, custear uma temporada. Teatro musical, no Brasil, não se paga. A bilheteria fica no vermelho. Não há exceção. Sem a Lei, sem empregos. Demoramos tanto a conquistar uma boa qualidade e quando  estamos num patamar legal vem isso. Não posso firmar um compromisso e ficar na incerteza.  

OF: Uma saída, então, seria fazer espetáculo tradicional, deixar de fazer musicais?

MF: Só se fosse eu e mais um no palco Um casal. Mais nada. Uma comédia de casal. Para o nível técnico que  teatro nacional chegou, será uma decepção para as novas gerações que estão aí porque aprenderam a amar isso com a gente. Perderemos a continuidade. É depressivo. A gente para tudo e sabe-se lá como vai ser.

OF: Ao mesmo tempo, surgem novos prêmios para o teatro, não é um incentivo?

MF: Ninguém come prêmio! Ninguém tem sequer roupar para ir à prêmio! Black-tie? Eu não tenho! Engordei, o que eu tinha não cabe mais. Se precisar, alugo. Não tem mística! Tudo o que o americano faz, tem mística. Se decidem homenagear o pipoqueiro da esquina, vão todos para o red carpet. Aqui não tem mística. E o problema não é do teatro. A gente tem que brigar e continuar fazendo teatro de excelência que conseguimos fazer. Mas a pena é que nenhum espetáculo se paga...

OF: É o fim, então?

MF: Não! O teatro jamais morrerá! Sempre terá um maluco querendo fazer. Mas é a geração dos netos de vocês que vai assistir grandes musicais outra vez. Tudo é dinheiro...

OF: Posso, então dizer, que você pode ser esse maluco em questão?

MF: No momento, não. Estou muito cansado. Chega! Vou fazer 60 anos em outubro, já contribuí muito tá bom assim...

OF: Você ficou muito chateado com a repercussão negativa de Sexo e As Nega. Ainda são ecos dessa insatisfação?

MF: O que passei foi indescritível. Só nesse fim de mundo, nesse país ignorante.

OF: Mas Pé na Cova aliviou isso.

MF: Graças a Deus eu acho que Pé na Cova fica pra história da TV brasileira. Um programa que conseguiu ser popular, poético, filosófico e humano e absolutamente verdadeiro Foi um acerto, e olha que sofri boicote no começo! Sofri bullying, a babá foi muito cortada porque achavam um absurdo uma mulher desdentada, louca, preta, gritado piranha. Mas isso é o Brasil. O Brasil é uma mulher louca, desdentada, gritando ‘piranha’, desculpe. É só andar na rua, tá cheio de zumbi americano é que tem medo dessas coisas, a gente tira de letra.  

Miguel Falabella escreve personagem para Adriana Esteves
Miguel Falabella escala atores de Pé Na Cova para nova série
Miguel Falabella e SImone Gutierrez são homenageados
Miguel Falabella sobre Marília Pêra: ‘Um talento raro’

Instagram

Instagram

  • Repost @estherrocha : Delícia de visita com direito a um@montão se brigadeiros deliciosos que adoçou a redação e o meu coração... Esses dois lindos são os idealizadores do @empoderadxsbr , um site lindo, bem feito e do bem que é o novo parceiro de @site_ofuxico . E eu só festejando os amigos que a vida@me dá🙏😘😍
  • A @clau_music fez questão de divulgar seu mais recente videoclipe, feito para a música Pouca Pausa, para os seguidores de #OFuxico. Confira!
  • Ainda na noite da última quarta-feira (13), @danielsaboya agitou o YouTube Space, no Rio de Janeiro, comemorando, entre outras coisas, seus dez milhões de inscritos, no YouTube, sendo dono do maior canal de dança do mundo. Confira um pouco do que aconteceu, no evento!
  • Nossa deliciosa tarde de festinha junina... clima gostoso na redação.
  • @ararocha20 trouxe complemento gostoso para nosso  Almocinho festa junina na redação...
  • Almocinho festa junina na redação...
  • @joaoguilherme divulga música inédita e manda recado ao OFuxico!!!

OFuxico