Notícias

28/09/2012 | 11h02m - Publicado por: Mariana Trigo/TV Press para O Fuxico | Foto: Pedro Paulo Figueiredo/Carta Z Notícias

Silvio de Abreu revela como adaptou a atual versão de Guerra dos Sexos

O autor garante que reescreveu todos os diálogos da trama

Silvio de Abreu revela como adaptou a atual versão de Guerra dos Sexos - Pedro Paulo Figueiredo/Carta Z Notícias

A eterna queda de braços entre homens e mulheres, que motivou Silvio de Abreu e Carlos Lombardi a escrever Guerra dos Sexos, em 1983, se deslocou 30 anos na história. Há três décadas a trama, cuja nova versão estreia na segunda-feira (1º) na Globo - fazia outro sentido. O país ainda estava sob censura, a mulher começava a se destacar no mercado de trabalho e seus direitos e comportamentos iniciavam um processo mais igualitário na vida doméstica e profissional.

Hoje em dia, no entanto, focar no equilíbrio entre sexos mais parece assunto de época diante de tantos avanços comportamentais femininos em casa e no trabalho. Por isso, o remake que Silvio de Abreu estreia no dia 1 de outubro, na Globo, foca principalmente na modernização das relações e nos avanços tecnológicos que influenciaram o autor a reescrever grandes trechos da história novamente dirigida por Jorge Fernando.

"Essa novela não é um remake. Seria se eu refizesse o que escrevi 30 anos atrás. Parti de uma nova ideia, com mudanças radicais. Reescrevi todos os diálogos. Escrevo muito para atores e o elenco é outro", argumenta Silvio, que volta a trabalhar com Jorge Fernando após 10 anos, desde As Filhas da Mãe.

"Vamos estrear com 24 capítulos já gravados. Isso é importantíssimo para o nosso trabalho nos próximos oito meses", salienta Jorge Fernando.

Nesta adaptação, Guerra dos Sexos parte da tragicômica morte dos protagonistas da primeira versão, Charlô e Otávio, vividos na época por Fernanda Montenegro e Paulo Autran. Eles são encontrados mortos em um motel após infartarem simultaneamente em um orgasmo. Com isso, a herança milionária – a mansão e a rede de lojas Charlô's – vai para os sobrinhos, a aventureira Charlô II e o sisudo Otávio II, mais conhecidos como Cumbuqueta e Bimbinho, vividos por Irene Ravache e Tony Ramos. Assim como os tios falecidos, eles não podem vender os bens para fora da família. Com isso, todos os quatrocentões Alcântara Rodrigues e Silva não têm saída, a não ser trabalhar juntos nos negócios.

"O Silvio quer que a gente esqueça a primeira versão. Vai ser uma história fascinante e surpreendente", anima-se Tony Ramos.

Com uma profusão de tomadas externas de esportes radicais, mansões de tirar o fôlego, stock shots com ares cosmopolitas da capital paulista, a trama não se despe de sua função de comédia rasgada, perfeita para a faixa das sete. Mas parece exagerar no pastelão, com repetidas cenas de tortas na cara e muitas patetices.

Mas nada que lembre o tom estridente das antigas empreguetes e suas vassouras como microfones. Dessa vez, o nucleo pobre tem sotaque da Mooca. No bairro, vive boa parte dos personagens, como os bizarros irmãos Nieta e Nenê Stallone, vividos por Drica Moraes e Daniel Boaventura, irmãos pobres de Roberta, personagem de Gloria Pires, que fica viúva e se alia a Charlô na luta entre homens e mulheres na história.

"Estou sempre buscando novas oportunidades de fazer uma comédia rasgada e essa novela é isso. Ganhei na loteria!", anima-se Gloria.

Ainda no bairro, mora o charmoso motorista Nando, de Reynaldo Gianecchini, funcionário de Charlô e Otávio.

"Dessa vez, meu personagem é romântico, não é pegador. Ele quer casar e ter filhos", adianta Gianecchini, cujo personagem habita a cidade cenográfica inspirada na Mooca.

O espaço construído no Projac é repleto de casas germinadas e possui um pórtico com o número 1927, que remete ao período de maior crescimento do bairro, com construções de fábricas e centenas de casarios. No entanto, o que mais chama a atenção na cenografia da trama é a sede da loja Charlô's, também erguida na cidade cenográfica.
Com uma fachada de 50 metros de frente, ela foi criada pelos cenógrafos José Cláudio, Eliane Heringer, Fábio Gomes e Claudiney Barino e inspirada em grandes lojas inglesas de departamentos. Bem diferente da primeira versão da trama, quando as cenas da Charlô's eram gravadas no Shopping Eldorado, na capital paulista.

"Tudo na loja é real, assim como os materiais e acabamentos", explica Eliane.

Mas o cenário mais suntuoso da trama, sem dúvida, é o requintado castelo de Charlô e Otávio, cujo exterior é gravado em Itaipava. Com o local repleto de objetos clássicos, uma biblioteca tradicional, jardins com leões esculpidos em topiaria e mobiliário antigo, a mansão se destaca também pelo living com telas que trazem os rostos de Charlô I e Otávio I – vividos por Fernanda Montenegro e Paulo Autran em cima da lareira. Durante as cenas, eles chegam a mudar de expressão de acordo com o que acontece na sala da mansão.

"Nós também faremos lindas homenagens aos personagens da versão anterior através de flashbacks", avisa Jorge Fernando.

Instagram

Instagram

  • Olha só o recadinho que a dupla #Sandro&Gustavo mandou para os leitores de OFuxico!
  • @projota fez questão de convidar os seguidores de #OFuxico para conferir sua mais nova música de trabalho, Sr. Presidente, que já conta até com videoclipe. Confira mais!
  • Confira suposta lista de participantes de #AFazenda! Quem você gostaria que estivesse na nova edição do programa?
📷: Divulgação/Record TV
  • @anamaria16 ensina aos repórteres e aos participantes do Superchef Celebridades a fazer a melhor coxinha do Brasil 📽 @flaviacirino
  • @robertoljustus e @ticipinheiro comemoraram os oito aninhos de #RafinhaJustus, neste sábado
Foto: Manuela Scarpa/Brazil News
  • Filha caçula de @eliana é pura fofura na festa do irmão mais velho, Arthur 
Foto: Manuela Scarpa/Brazil News
  • @oceara e @misantosoficial realizaram uma festança para @valentinamunizreal. Veja tudo no #OFuxico 
Foto: Leo Franco/AgNews

OFuxico