Cinema e Série às 07:30

Dia do Cinema Nacional: Relembre filmes brasileiros aclamados pela crítica

cena do filme cidade de deus

Reprodução

No dia 19 de junho se comemora o Dia do Cinema Brasileiro. A data foi criada para prestigiar a sétima arte nacional, e faz referência ao dia em que o ítalo-brasileiro Afonso Segreto, pioneiro como cinegrafista e diretor no país, registrou as primeiras imagens em movimento da nação, em 1898. Afonso gravou a baía de Guanabara, no Rio de Janeiro, quando estava no navio francês Brasél. No entanto, a data também é comemorada em 5 de novembro, dia em que aconteceu a primeira exibição pública de cinema no Brasil.

Conhecido por seu estilo visceral e abordagem de temas fortemente reais, o cinema nacional não prioriza efeitos especiais de última geração ou edições grandiosas, mas sim roteiros humanizados e histórias que abordem temas socioculturais complexos do país, produzindo longas premiados em todo o mundo.

Pensando nisso, que tal rever alguns dos clássicos e sucessos da obra audiovisual brasileira neste sábado (19)? Confira!

Aquarius (2016)

Lançado em 2016, o longa “Aquarius”, dirigido por Kleber Mendonça Filho e estrelado por Sônia Braga, conta a história de uma jornalista aposentada de 65 anos que sofre com diversas investidas para vender seu apartamento, o qual morou a vida toda, em um prédio de Recife (PE). O filme aborda de maneira sutil questões como a preservação da memória do país e um dilema existente nos dias de hoje entre a rapidez com que tudo se esvai e o apego ao passado, evidenciando uma lacuna em determinadas raízes afetivas e históricas. 

Que Horas Ela Volta (2015)

Regina Casé, ao dar vida para a personagem “Val” em “Que Horas Ela Volta”, obra de Anna Muylaert, retrata a situação de muitas mães brasileiras que muitas vezes precisam tomar decisões duras para conseguirem arcar com a criação dos filhos. Além disso, o filme escancara uma sociedade dividida por classes econômicas e, de forma sensível, demonstra como até mesmo vínculos emocionais são alterados por relações de poder. Tudo isso é exemplificado na vida de Val: uma empregada doméstica que vem ao Rio de Janeiro para poder enviar dinheiro a sua filha, que continua na Paraíba. Quando a filha passa uma temporada na casa em que Val trabalha para prestar o vestibular, algumas diferenças são acentuadas no trabalho da personagem de Regina Casé.

Veja+: Prêmio do Cinema Brasileiro reúne famosos no Teatro Municipal carioca

Cidade de Deus (2002)

Inspirado no livro de Paulo Lins de mesmo nome, “Cidade de Deus” talvez seja uma das produções nacionais mais consagradas e eternizadas. A história, que expõe sem censura a marginalização de crianças e jovens em comunidades do Rio de Janeiro, mostra como a criminalidade da nação ocorre de maneira estrutural, e trouxe à tona discussões relevantes em âmbito nacional durante o lançamento do filme e também nos anos que se seguiram, abordando pautas sobre racismo, meritocracia, desigualdade social, marginalização infantil e tráfico de drogas.

Central do Brasil (1998)

A indignação de todos com o Oscar de Melhor Atriz que Fernanda Montenegro perdeu em 1998 demonstra a relevância do longa “Central do Brasil”. Dirigido por Walter Salle e escrito por João Emanuel Carneiro e Marcos Bernstein, a história mostra a jornada de uma professora (Fernanda Montenegro) que escreve cartas para pessoas não-alfabetizadas. Ao se encontrar com Josué, um garoto que perdeu a mãe em acidente de carro e busca achar o pai no Nordeste, o filme trata com delicadeza diferentes realidades do país. A atuação de Fernanda lhe rendeu a indicação ao Oscar de Melhor Atriz em 1998.

Lisbela e o Prisioneiro (2003)

A comédia romântica “Lisbela e o prisioneiro”, dirigida por Guel Arraes, é inspirada na peça de teatro homônima de Osman Lins. Com uma estética poética e bonita, o filme mostra o conhecido enredo de uma mocinha sonhadora que acaba se apaixonando por um aventureiro. Porém, faz isso de maneira única e regional, ressaltando características da cultura e literatura brasileira. 

Veja+: Vem saber quem foram os ganhadores do Prêmio do Cinema Brasileiro