Cinema e Série às 17:00

Terceiro filme da saga “Animais Fantásticos” entrará na HBO Max

Pôster do filme Animais Fantásticos: Os Segredos de Dumbledore
Foto: Divulgação

Nesta segunda-feira, 23 de março, a HBO Max divulgou uma novidade que alegrou os fãs da franquia “Harry Potter”. Em abril deste ano, o filme “Animais Fantásticos: Os Segredos de Dumbledore” estreou no cinema. E, agora, a boa notícia é que a produção chegará no catálogo do serviço de streaming. A data divulgada para o lançamento é 30 de maio.

Leia+: Conheça a marca de joias queridinha de Bruna Marquezine e Taís Araújo

No terceiro filme da saga “Animais Fantásticos”, o bruxo maligno Gellert Grindelwald (Mads Mikkelsen) chega perto de assumir o controle do mundo bruxo. Para que isso não aconteça, Alvo Dumbledore (Jude Law) prepara um grupo de bruxos para conter o maligno. A atriz Maria Fernanda Cândido faz parte do elenco como Ministra da Magia brasileira.

Confira o anúncio:

MARIA FERNANDA CÂNDIDO FALA SOBRE BASTIDORES DO FILME

Maria Fernanda Cândido está no centro da indústria cinematográfica brasileira, principalmente por seu papel como Vicência Santos em “Animais Fantásticos e Os Segredos de Dumbledore”. Única brasileira no elenco da produção, em cartaz nos cinemas de todo o mundo, ela falou a respeito do trabalho no “Conversa com Bial” da madrugada da terça-feira, 19 de abril.

A intérprete de Vicência Santos deu detalhes dos bastidores da produção. De acordo com ela, as filmagens foram interrompidas no dia em que ela rodaria sua cena mais importante. Ainda assim, ressaltou que cumpriu o desafio do diretor e conseguiu terminar a cena mesmo dez dias após o isolamento por causa da Covid-19.

Leia+: Maria Fernanda Cândido atrasou teste para Animais Fantásticos: Os Segredos de Dumbledore

Pedro Bial também perguntou a respeito do excesso de chroma key nas mega produções de cinema. Para ele, mesmo com tantos recursos, é preciso mergulhar no mais íntimo do teatro, a imaginação. O jornalista explica: a atriz contracenou com um dos animais fantásticos, que são adaptações digitais incluídas no filme na pós-produção.

“No final de tudo precisa desse ingrediente, desse imaginário básico da nossa infância, esse imaginário, essa fantasia. É bonito isso, né?”, analisou a atriz.