Cinema e Série às 18:45

Tom Cavalcante e Fabiana Karla ressaltam importância do humor no Brasil

Tom Cavalcante e Fabiana Karla no pôster da 3ª temporada de "LOL: Se Rir, Já Era"
Foto: Divulgação/Prime Video

Baseado no formato da produção japonesa Original Amazon Hitoshi Matsumoto Presents Documental, “LOL: Se Rir, Já Era!” reúne dez dos maiores comediantes brasileiros em uma batalha épica de seis horas em que os participantes precisam manter a seriedade, enquanto tentam fazer seus oponentes caírem no riso.

A primeira risada significa um cartão amarelo. Se rir de novo, vem a eliminação. Nesta competição insana, cada um deles trará truques, apresentações especiais e muita diversão para alcançar seu objetivo. O vencedor leva o prêmio de R$ 350 mil para doar para uma instituição beneficente de sua escolha.

A terceira temporada da atração estreará no Prime Video Brasil no próximo dia 24 de novembro, com Tom Cavalcante na apresentação igual nas anteriores) e Fabiana Karla como sua parceira, sendo a grande novidade da vez além dos participantes, que serão: Dadá Coelho, Ed Gama, Júnior Chicó, Karina Ramil, Maíra Azevedo, Marcio Ballas, Maria Clara Gueiros, Paulinho Serra, Rodrigo Marques e Suzy Brasil.

Em coletiva de imprensa, na qual OFuxico esteve presente, a dupla de apresentadores deu mais detalhes da nova temporada de “LOL”, junto do diretor e showrunner, Pedro Antonio Oliveira, e de Malu Miranda, Head de Conteúdo Original para o Brasil do Amazon Studios.

Experiência melhora tudo

De cara, Pedro falou de estarem com mais experiência nessa temporada devido às anteriores: “O que influencia muito é ter vivido o programa, estando na terceira temporada, você já vai muito mais preparado, já sabe as dinâmicas, com funciona, e pode revisitar o deu certo e trazer novidades que achamos que funciona”.

“O aprendizado anterior fortalece muito a terceira, e tem a coincidência de que essa, com a entrada da Fabiana, teve uma química geral de comédia muito particular. Ela agregou numa relação com o Tom, por eles estarem juntos há nãos, isso ornou muito bem, parece que fez um match perfeito entre eles e o elenco”, concluiu o diretor.

Tom concordou: “Isso que Pedro colocou eu destaco como primordial da 3ª temporada: esse elenco convocado e a chegada da Fabiana Karla, que temos essa parceria de outros programas e na linguagem do humor, e essa temporada ganha muito com os apresentadores dando leveza e graça ao programa”.

“Isso é uma coisa que se casa com o que falamos antes, pois o chegar em uma terceira temporada, você sempre tem que achar um elenco incrível e co-apresentadora tão boa quanto a anterior, você tem que se desafiar sempre. A cada temporada apostamos na diversidade de humor e criatividade, de estilos, e é muito legal ver como eles vão jogar entre si. É a busca de um retrato da comédia plural no Brasil”, falou Malu.

Chegada de Fabiana Karla

Fabiana Karla na 3ª temporada de "LOL: Se Rir, Já Era"
Fabiana Karla na 3ª temporada de “LOL: Se Rir, Já Era” (Foto: Divulgação/Prime Video)

Sendo a grande novata não-participante, Fabiana garantiu que não se sentiu pressionada na função: “Não Senti pressão, mas responsabilidade de manter o tom e nível do Tom nas outras primeiras temporadas, e o elenco e a equipe são todos talentosos”.

“Foi bem desafiador não poder rir, mas não senti pressão, fui que nem o Rambo e sabia que seria uma coisa bem divertida e gostosa. A dificuldade é de quem participa, e eu fosse chamada, eu morria (risos). Para a gente é mais divertido ficar olhando”, afirmou.

“A gente ganha muito em poder rir, e ficamos fiscalizando quem deles está rindo. Mas estamos rindo, descontraídos, é gostoso de ver e fazer, é muito agradável”, reforçou Cavalcante.
“Ficamos também bebendo da fonte, e eu ficava tão orgulhosa de ver o nível do humor brasileiro, que o Prime abriu essa janela para mostrar esse talento para o mundo. A gente fica assistindo e aprendendo, com as técnicas que cada um faz, e é tudo isso de forma bem gostosa”, afirmou Karla.

Sobre trocar sempre de parceira a cada temporada, o humorista afirmou: “Eu sou aquele cara que sou muito fácil de se adaptar, pela minha experiência, consigo entender minhas formas e entender as orientações da produção para o programa”.

“Na primeira descobrirmos como era fazer o ‘LOL’, na segunda como a Gkay agia e agora, a Fabiana, que eu já conhecia. Era sempre uma adaptação, e sou aberto a isso”, completou. “Quero continuar Tom, me chama de volta!”, apelou Fabiana Karla, que gostou tanto que quer permanecer.

Apresentadores conseguiriam ser competidores?

tom cavalcante e fabiana karla em "LOL: Se Rir, Já Era!"
Foto: Divulgação/Prime Video

Ao receberem a indagação citada acima, Fabiana afirmou: “Eu não conseguiria ficar naquela e não rir. Normalmente, em cena, eu tenho riso frouxo, todos sabem, e lá eu ia ter que apelar para a Lucicreide, mas não sei se conseguiria, eu ficaria com medo, tinham feras absurdas, um time muito forte, que teve muito acolhimento e jogavam sem medo”.

“Pode ser que lá dentro eu ficasse na zona de conforto, rir cm uma piada boba, mas não sei, ficar seis horas ali, uma hora vai queimando o juízo, é muito divertido fazer, mas quem vai, deve se preparar bastante, porque não sei qual seria minha arma”, revelou.

“Se eu fosse jogar, ia me agarrar em algumas técnicas que aprendi durante a vida quando interpretava personagens sério, que não podia rir. Consigo manter uma cara dura, atuando para que eu não ria, então minha artimanha lá como apresentador era atuar, não deixar Tom persona se entregar”, contou Tom Cavalcante.

Pedro analisou: “Um Desafio que eles enfrentam é não rir fazendo a apresentação, que é um personagem. […] Vendo de fora, eu sempre acho que o elenco não vai durar 15 minutos, uma hora lá dentro, mas quando começa a acontecer, eles viram uma chave, você quer estar ali dentro, você não quer sir dali, e começa a lutar contra vocês mesmo. A gana da competição tem uma emoção muito legal, parece que você tem que correr sem perder fôlego”.

“A gente flagrava o pessoal armando, se preparando, e ria lá atrás pela preparação, a armação, e isso era muito interessante de ir observando aos poucos. [..] No final, tava valendo tudo, e isso ficou impresso na tela, essa diversão, era uma brincadeira, mas sem rivalidade acirrada, sem um sabotar o outro”, lembrou Fabiana.

Puro suco de humor na 3ª temporada

Elenco da 3ª Temporada de "LOL: Se Rir, Já Era"
Elenco da 3ª Temporada de “LOL: Se Rir, Já Era” (Foto: Divulgação/Prime Video)

A escolha do elenco foi algo muito elogiado, e o showrunner e a profissional do Prime Video falaram desse processo. Pedro começou: “Encontrar a comédia aqui é também pensar como vai ser a mistura dos dez participantes, porque eles juntos vão gerar a comédia e o jogo acontecer, e isso acaba também influenciando muito na escolha”.

“Esse conjunto faz a comédia acontecer, e nessa temporada, a química entre eles é uma coisa impressionante. […] Quando recebi o primeiro corte, que estava em 47 minuto, perguntei se não dava para cortar, mas é tudo precioso, os dez primeiros minutos é uma metralhadora de comédia”, garantiu ele.

Malu então disse que conteúdos de humor são necessários em todos os streamings: “Eu adoro falar sobre isso, porque sempre falamos que o humor é a coisa central do entretenimento e cada país e até região. Existe ali uma essência de comunicação que é ligada à cultura local”.

“Para qualquer streaming, é essencial humor, pois é onde a gente fala com nossos assinantes no Brasil todo. A brasilidade, o jeito de armar as piadas… é por isso que o LOL funciona em todos os países, porque o humor é específico para cada cultura”, garantiu.

O diretor prosseguiu: “Brasil tem uma especificidade com a coisa da comédia. Você chega no Ceará, é uma manifestação comédia absurda, ganhando panfleto para você ver show depois de ir na praia; em São Paulo, casas de stand up lotadas; no Rio, personagens se apresentando”.

“Humor no Brasil é forte, e é um povo engraçado. Somos o país do meme, e muita coisa ajuda a transformar o humor em entretenimento por aqui, e isso fortalece muito a indústria do humor no brasil, pois a matéria prima é muito rica”, avaliou.

Importância do humor

Tom Cavalcante e Fabiana Karla na 3ª temporada de "LOL: Se Rir, Já Era"
Tom Cavalcante e Fabiana Karla na 3ª temporada de “LOL: Se Rir, Já Era” (Foto: Divulgação/Prime Video)

Voltando a falar da terceira temporada de “LOL: Se Rir, Já Era”, Fabiana Karla: “É o puro do humor [brasileiro] nessa temporada. Tem humor físico, imitação, de zoação, e a gente tem essa coisa de rir com o humor aberto, ou rir de simpatia, e lá não pode nada disso”.

“A importância é cada vez mais você dar luz a esses talentos e fazer o povo rir. O humor tem poder de tocar em feridas reflexivas enquanto te diverte. Dar luz a isso é de suma importância, na terceira temporada você entregar o puro suco de humor é mostrar essa capacidade”, continuou.

“O ‘LOL’ cumpre esse papel do entretenimento, de quem quer relaxar, sem pensar muito, e ver tanta gente talentosa é muito bom”, concluiu. “Prime Video chega para dar oxigênio a esse perfil do brasileiro feliz, diferenciado no comportamento, que se destaca com esse traço de alegria”, disse Tom.

“Chega com muita qualidade e oferece esse presente aos nossos comediantes, gerando oportunidades e empregos diretos e indiretos fazendo todo mundo rir”, completou Cavalcante, enquanto Malu concluiu dando um gostinho do que pode vir no futuro.

“Não posso revelar nada, claro, mas o que posso dizer é que, você ver essa ideia do all-stars nos outros países, é muito legal, mas sempre chega quando tem muitas temporadas, então pode ser um indicativo que o Brasil vai longe também, sempre renovando e trazendo novidades sempre”, finalizou ela.

Notícias Relacionadas