Coronavírus às 15:15

Pandemia: Famosos lamentam 500 mil mortes pela Covid-19

Famosos lamentam 500 mil mortes pela Covid-19

Divulgação

No último sábado, 19 de junho, o Brasil bateu mais um triste recorde: 500 mil pessoas, ou seja, meio milhão de vidas foram ceifadas por complicações da Covid-19.

O País entrou em quarentena, no mês de março de 2020 e, desde então, o mundo sofre a perda de familiares, amigos, conhecidos e anônimos pelo vírus que afeta em suma, os pulmões, impedindo a pessoa de respirar.

Famosos lamentaram em suas contas do Instagram, o número alarmante de mortes! Aos poucos, a população brasileira está sendo imunizada, contudo, ainda não chegou a sua totalidade.

Veja+: Morre o ator Eduardo Galvão por complicações do Covid-19

Veja os respectivos desabafos:

Ivete Sangalo: “Não é natural. Não é uma mentira. É estarrecedor pensar sobre as milhares de vidas ceifadas e dores irreparáveis em torno dessas perdas. Não é sobre partidos, é sobre humanidade.”

Fernanda Souza: “Minha indignação e tristeza, por toda essa tragédia! A do vírus e da falta de empatia, noção, respeito, cuidado, saúde! Que essas vidas nos tragam consciência as nossas escolhas!”

Samantha Schmütz: “MEIO MILHÃO DE MORTOS. Descaso com a vida dos brasileiros, negligência, negacionismo! ACREDITE NA CIÊNCIA! TOME VACINA, se proteja.”

Fábio Porchat: “O que mais falta pra te sensibilizar? Quantos ainda precisam morrer?”

Fernanda Paes Leme: “Não tem como começar a semana sem lamentar mais de meio milhão de vidas perdidas pra uma doença que já existe cura.”

Mônica Martelli: “Chegamos à triste marca de 500 mil mortos pela covid 19. 500 mil pessoas que eram o amor da vida de alguém. Que eram amadas e amavam. É preciso ação, é preciso lutar, gritar.”

Fábio Assunção: ”Início do ano, numa reunião escolar virtual com pais e coordenadores, ao falar da situação do oxigênio em Manaus, ouvi ‘chega desse papo p****’, em minha segunda fala. A voz que não identifiquei, e pouco interessa identifica-la, era de desprezo e raiva, obedecia ao comando de um Brasil atual. O Brasil com propósito e orientação para que tudo o que seja humano seja destruído. Em especial a liberdade de ser e ter, acesso ao conhecimento, asfixiar a ciência, queimar e destruir nossa terra, castrar a educação, censurar a cultura e a imprensa, espalhar mentiras confusas para a boiada passar. Só está de acordo com isso tristes fanáticos ou gente que lucra com a morte. Não há dois lados. Há muita dignidade para ser restaurada. Passamos de 500.000 óbitos. E o gráfico só sobe, ainda. Está inclusive prevista uma terceira onda nos próximos meses, no inverno. Deixo aqui minha total solidariedade por cada família, por cada perda. Nem 30% dos brasileiros tomaram a primeira dose.”

Taís Araujo: “Mais de 500 mil mortos e milhares nas ruas clamando pelo óbvio: o nosso direito à vida, o direito a uma vida digna. Milhares de pessoas que choram por vidas que poderiam ter sido poupadas. A gente está longe de ter esperança, somente 11,5% da população já foi vacinada com as duas doses quando o ideal é termos 70% para evitar mais mortes. A gente está em luto. Luto por cada vida e por cada sonho que não se concretizou, em luto porque nossas políticas públicas estão cada vez piores. Em luto porque aqui se mata e aqui falta humanidade. Não podemos nos calar mesmo que, agora, pareça mais fácil apenas chorar.”

Beth Goulart: “500.000 mil vozes em silêncio.”

Veja+: Morre a atriz Nicette Bruno, vítima de complicações da Covid-19

Lázaro Ramos: “Tudo o que está acontecendo não vai passar despercebido. Nós precisamos lembrar, honrar e agir.”