Entrevista às 18:00

“Sonhando todo dia”, diz a banda 2Z sobre primeira turnê no Brasil

Integrantes da banda sul-coreana 2Z
Foto: Reprodução/Instagram/@2zband_official

“Nós queremos mostrar pra vocês nossa melhor performance”. É assim que Zunon descreveu, com animação, a vinda do 2Z ao Brasil. Essa será a primeira vez da banda sul-coreana no País, passando por aqui entre os dias 11 e 17 de junho para fansign e show.

Leia+: BM, do grupo KARD, crava: “O Brasil é sempre muito memorável”

“Estamos muito empolgados com nossa primeira experiência no Brasil com show e sessão de autógrafos. Todos nós estamos sonhando com essa turnê todo dia. Sonhando com o local do show, correndo no palco, o grito do público. E estamos muito gratos ao nosso fã clube, FromA, por nos dar essa oportunidade”, acrescentou o multiplayer.

Indo na contramão do que é popular, dizendo assim, 2Z chegou dessa forma, como uma banda mesmo, em 2019 – bons tempos sem a pandemia, né?! Até então, o quinteto formado por Hojin (vocais), Jiseob (guitarra), Junghyun (baixo), Bumjun (bateria) e Zunon (percussão e teclados), os meninos eram modelos da empresa Morph Entertainment, composta apenas de profissionais dessa área, até o momento em que, interessados em formar uma banda, manifestaram esse desejo à agência.

Leia+: Cardi B elogia cover feito pelo LOONA em reality musical

“Desde a época de modelo eu estive muito interessado em tocar instrumentos e cantar, sempre gostei de ouvir música. Então, quando entrei no 2Z, foi muito divertido e me descobri fazendo música e tocando vários instrumentos. E agora, como ‘DJ’ do 2Z, sou responsável por todo o fluxo da performance. Sinto ainda mais paixão pela música, e queria mostrar isso ao público”, explicou Zunon.

Para Bumjun, o encontro com a música foi algo mais incerto e veio como um furacão na sequência! “Eu sempre tive interesse em música. Durante minhas atividades como modelo, muitas vezes ouvia hip-hop e gostava de cantar. Tive a sorte de passar no audição durante a época de modelo e comecei a estudar música. Eu não sabia de nada quando passei na audição, mas a partir de um certo momento me senti tão bem e foi tão divertido que me fez amar ainda mais a música e estar em uma banda.”

Leia+: BTS confirma comeback e anuncia data oficial

Por outro lado, Hojin teve que aprender desde o começo e na prática. Contudo, ele teve uma grande influência ao seu lado e que segue com ele até hoje, no grupo: Jiseob.

“Eu nunca fui nem a um karaokê antes. Eu era completamente ignorante em música. Sou amigo do Jiseob desde o ensino médio e sabia que ele tocava rock, então ele me levou para a audição. Passei e desde então tentei com todas as minhas forças me tornar um bom vocalista.”

Ainda estou tentando. No começo, eu não sabia que tipo de charme a música tinha. Até que um dia, quando estava assistindo navegava pelo YouTube, vi vídeos de bandas como ‘Radiohead’, ‘INXS’ e ‘Coldplay’, fiquei arrepiado. E pensei: ‘Se é tão bom vê-los em um telefone celular, imagino o quão bom seria vê-los no palco!’. Acho que foi desde então que decidi que também queria ser um grande frontman para conseguir transmitir esse mesmo sentimentos às pessoas.

Leia+: Estrelas de “Pousando no Amor” se casam e fãs vão à loucura

“Eu já tinha um sonho de ser músico desde jovem. Quando eu estava na 3ª série do ensino fundamental, minha mãe sugeriu que eu tentasse tocar guitarra. A partir daí, me apaixonei e comecei a sonhar em me tornar um membro de uma banda. Gostei de trabalhar como modelo e também foi a realização de um sonho, mas sempre tive paixão pela música”, detalhou Jiseob.

Junghyun, nostálgico, lembra até hoje do primeiro ensaio com a banda: “Quando estava trabalhando como modelo e me deparei com o anúncio da audição para formar a banda me lembrei de quando eu estava no 2º ano do ensino médio e ganhei meu primeiro baixo. Quando toquei pela primeira vez e escutei o som, senti que este instrumento era realmente atraente. Desde então, meu amor pela música cresceu, e ainda não consigo esquecer o primeiro dia do ensaio com a banda.”

ROCKSTARS

Assim como a banda The Rose, liderada pelo cantor Woosung, o 2Z deixa os passos coreografados de lado para dar espaço a uma presença de palco rodeada por instrumentos musicais. Ali, os cinco membros sentem-se em casa, prontos para entregarem uma experiência inesquecível aos fãs.

Como banda, criamos a música do início ao fim, todos os acordes. E é essa música com toda a nossa energia que é entregue ao público. Somos uma banda para poder entregar toda essa energia. Um dia, queremos nos tornar uma banda que possa ser uma boa influência para muitas pessoas como muitas outras bandas que respeitamos.

ENGAJAMENTO SOCIAL

Em 2020, no auge do movimento “Black Lives Matter”, nos Estados Unidos, após George Floyd ser morto pelo policial Derek Chauvin, 2Z foi um dos primeiros artistas sul-coreanos a demonstrarem, abertamente, o apoio à causa.

“Não ao racismo. Não à violência. Queremos paz”, foi a frase escrita na publicação compartilhada nas redes sociais da banda. Na foto, quatro dos cinco integrantes surgiram ajoelhados, com a cabeça abaixada, honrando a vida de Floyd.

A decisão de realizar o manifesto veio depois de uma mensagem que uma fã mandou a eles. “Recebemos uma mensagem direta que dizia: ‘um incidente horrível aconteceu nos Estados Unidos, e definitivamente há fãs negros que amam o 2Z. Vocês podem participar da campanha?’. Depois disso, pensamos muito. Na época, não havia artistas ou celebridades participando da campanha [Black Life Matter] na Coreia, e eu também estava preocupado que julgassem o 2Z por ser um grupo novato tratando de questões políticas e racismo. No entanto, nós sabíamos que esta questão é claramente diferente de política”, contou Hojin.

O mais importante para o 2Z são pessoas, e pessoas não podem viver sozinhas. Todos nós temos que viver juntos e nos tratar como igual. Bono [Vox, vocalista da banda U2], disse isso quando viajou à Coreia pela primeira vez: ‘Nenhum de nós é igual até que sejamos todos iguais’. Nós, do 2Z pensamos da mesma maneira.

“É uma questão muito difícil, mas não pode ser deixado de lado. Por isso decidimos apoiar o ‘Black Lives Matter’. Não é sobre política em si, é sobre direitos humanos. Representamos nossos reais pensamentos em forma de música. Uma delas é a “Terra da Felicidade”, de Han Dae-soo. Todos nós temos o direito de viver em um país de felicidade”, completou ele.

VAI, BRASIL!

E a conversa não poderia terminar sem ter alguma referência às terras brasileiras. Sabemos que o nosso público é muito apaixonado de um modo geral e faz bonito quando o assunto é vibrar em shows ao ponto da voz de artista e plateia criar uma fusão de tons que elevam bastante os decibéis.

Porém, fugindo um pouquinho do recado final, a curiosidade foi maior em relação ao que eles gostariam de fazer, no Brasil, além da agenda de trabalho. Sendo assim, caso dê tempo, o convite para um bom churrasco seria um presentão para Junghyun.

“Gostaria de conhecer as Cataratas do Iguaçu. Eu vi na TV, na Coreia, e é um lugar que eu queria visitar pelo menos uma vez na vida. Quando vi no vídeo, meu coração deu um salto, mal posso imaginar o quão incrível deve ser vê-las pessoalmente. E sobre a comida, quero muito experimentar o churrasco. Fiquei curioso para saber qual é o sabor da carne brasileira e, quando vi as fotos, parecia tão delicioso. E como alguém que gosta muito de chocolate, tenho muita curiosidade para provar os brigadeiros.”

Siga OFuxico no Google News e receba alertas sobre as principais notícias sobre famosos, novelas, séries, entretenimento e mais!