Guerra às 12:12

Bella Hadid tem recebido ameaças de morte: ‘O medo não é uma opção’

Bella Hadid
Bella Hadid / Reprodução / Instagram /@bellahadid

Bella Hadid quebrou o silêncio sobre a guerra entre Israel e Palestina, depois de algumas semanas do confronto entre Israel e o Hamas [organização política e paramilitar palestina]. Enquanto a irmã Gigi Hadid foi uma das primeiras a defender suas raízes, a modelo da Victoria’s Secret finalmente veio à público expressar seu apoio à Palestina, apesar de estar recebendo sérias ameaças de morte.

Na quinta-feira, 26 de outubro, a modelo de 27 anos, cujo pai Mohamed Hadid é palestino, emitiu um longo comunicado via Instagram, dizendo: “Perdoem-me pelo meu silêncio. Ainda não encontrei as palavras ideais para estas últimas 2 semanas profundamente intrincadas e horríveis, semanas que voltaram a atenção do mundo para uma situação que tem ceifado vidas inocentes e afetado famílias durante décadas. Tenho muito a dizer, mas por hoje vou ser breve”, afirmou.

“Recebo centenas de ameaças de morte diariamente, meu número de telefone vazou e minha família se sente em perigo”, continuou ela. “Mas não posso continuar a ser silenciada. O medo não é uma opção. O povo e as crianças da Palestina, especialmente em Gaza, não podem permitir-se o nosso silêncio. Não somos corajosos – eles são.”

Bella continuou escrevendo: “Meu coração está sangrando de dor pelo trauma que estou vendo se desenrolar, bem como pelo trauma geracional do meu sangue palestino. Vendo as consequências dos ataques aéreos em Gaza, luto com todas as mães que perderam crianças e as crianças que choram sozinhas, todos os pais, irmãos, irmãs, tios, tias, amigos perdidos que nunca mais caminharão nesta terra.”

“Lamento pelas famílias israelenses que têm lidado com a dor e as consequências desde o ataque surpresa do Hamas em 7 de outubro”, acrescentou. “Prejudicar mulheres e crianças e infligir terror não faz e não deve fazer nenhum bem ao movimento Palestina Livre. Acredito no fundo do meu coração que nenhuma criança, nenhuma pessoa em qualquer lugar, deve ser tirada da sua família, temporária ou indefinidamente, tanto para o povo israelense quanto para o povo palestino.”

O modelo sublinhou ainda: “É importante compreender as dificuldades que é ser palestino, num mundo que nos vê como nada mais do que terroristas que resistem à paz. Há uma crise humanitária urgente em Gaza que deve ser atendida. As famílias precisam de acesso a água e alimentos. Os hospitais precisam de combustíveis para alimentar os geradores, cuidar dos feridos e manter as pessoas vivas”, afirmou, antes de compartilhar um vídeo.

“As guerras têm leis – e devem ser respeitadas, não importa o que aconteça. Precisamos manter a pressão sobre nossos líderes, onde quer que estejamos, para não esquecer as necessidades urgentes do povo de Gaza e para garantir que civis palestinos inocentes não sejam as vítimas esquecidas desta guerra. Estou do lado da humanidade, sabendo que a paz e a segurança pertencem a todos nós”.

Israel e o Hamas estão em guerra depois que o Hamas atacou Israel em 7 de outubro. Desde então, pelo menos 6.747 palestinos foram mortos, de acordo com o Ministério da Saúde de Gaza.

Polêmicas

Bella Hadid não teme mostrar de que lado está. No ano passado a modelo compartilhou seu sentir sobre o assunto. “Lágrimas em meus olhos vendo esta cena no meu caminho para o trabalho esta manhã… Todos os dias eu desejo poder voltar no tempo, para quando eu era criança, para que eu pudesse começar a lutar mais cedo pela Palestina, por minha família, por meus anciãos, nossa história e pelo o povo palestino que ainda vive, agora, sob esta ocupação traiçoeira, exaustiva e dolorosa.”

“Todos os dias eu desejo que pudéssemos ter cumprido os últimos desejos de Jido e Teta (vovô e vovó) de serem enterrados em sua terra natal, onde nasceram, cresceram e começaram sua família juntos”, escreveu Hadid. “Os palestinos ainda hoje não têm o direito de retornar à Palestina.”

Citando o ex-primeiro-ministro israelense David Ben Gurion, que disse uma vez: “os velhos morrerão e os jovens esquecerão (a Palestina)”, Hadid prometeu: “Tenho uma promessa a fazer. Nunca permitirei que ninguém esqueça nossa bela Palestina ou nosso lindo povo.”

“Minha intenção é que minha verdade possa espelhar a verdade de outra pessoa. Quando eu tinha 14 anos, escrevi ‘Free Palestine’ na minha mão literalmente com flores pintadas. E eu estava sendo chamada de tantos nomes, e sendo imediatamente criticada como uma pessoa de ódio por outras pessoas”, relata.

Notícias Relacionadas