Kids às 08:46

Fofura! Bella aprende a aplaudir e Claudia Leitte vibra

Reprodução/Instagram

Caçulinha de Claudia Leitte, Bella, de apenas seis meses, aprendeu a aplaudir. E a mamãe coruja correu para compartilhar o feito com seus seguidores nas redes sociais, na quinta-feira (19).

A cantora postou um vídeo fofo, no qual a pequena mostra sua habilidade. Claudia aproveitou para expressa a gratidão aos profissionais de saúde envolvidos na prevenção e combate ao coronavírus.

"Um bebê de 6 meses aprendeu a aplaudir em uma hora importante…", legendou, incluindo as hashtags Salva de palmas, profissionais da saúde e  se arriscando por todos nós.

Veja os efeitos do coronavírus no mundo dos famosos

Famosos vibraram

O vídeo de Bella deixou os seguidores de Claudia em Êxtase. E amigos famosos da cantora logo comentaram.

"Não aguento tanta fofura", escreveu Luciano Huck.

“Não aguento!", endossou Angélica.

"Ah, que coisa mais linda", comentou Juliana Paes.

Preta Gil se derreteu.

"Ai, meu coração!".

"Gente, que coisa mais linda!", disse Mariana Rios.

"Ai, amada, que lindo!", exclamou Adrian Bombom.

The Voice Kids suspende shows ao vivo por conta do coronavírus
Claudia Leitte faz exames e cancela show
Claudia Leitte faz show especial para o Dia das Mulheres

Negativo!

No mesmo dia, Claudia Leitte gravou um vídeo divulgando o resultado de seu teste para o coronavírus, uma vez que a cantora estava apresentando sintomas.

Claudinha contou que o testou negativo e aproveitou para reforçar os internautas sobre a importância do isolamento voluntário. A loura não escondeu a felicidade de estar próxima dos filhos novamente.

"Só que isso não é o suficiente para mim, para acalmar meu coração, porque há muitas pessoas expostas ainda ao risco de contrair o vírus em todo Brasil, então quero pedir ajuda para todos vocês para que a gente proteja muito a mente, para que a gente se torne agente multiplicador da segurança e da saúde de todos", desabafou.

Em seguida, ela comentou sobre os avisos dos cuidados perante a velocidade de contágio da doença e reforçou que não devemos subestimar os efeitos do vírus.

"Obvio que a gente tem que manter a fé, a esperança, não pode entrar em pânico, mas a gente tem que ficar em casa sim, seguir as medidas de proteção feitas pela a OMS. A gente precisa passar por essa juntos, ainda que distantes, para gente fazer o bem pelo coletivo, cada um na sua casa, fazendo o bem por todo mundo. Que a gente continue acreditando, que tudo vai passar."

O que é o Coronavírus

O Sars-Cov-2 é o mais novo integrante de uma família já conhecida. Ela é formada por vírus que tiveram origem em animais silvestres. Alguns deles infectaram humanos e já causaram outras epidemias. Coronavírus é o nome de uma família desses vírus. O nome vem por conta dos mesmos terem suas estruturas em formato de coroa. Eles costumam circular entre animais, como roedores e morcegos. Mas a doença começou a afetar humanos também. O vírus causador sofre mutações espontâneas e aleatórias, por isso ainda não há uma medicação certeira para combater a doença.

São eles os responsáveis por infecções respiratórias e já provocaram outras doenças.

Como o coronavírus começou a circular

O novo coronavírus começou a circular na China em 2019, ganhando um nome temporário de 2019 n-Cov. Depois, ocorreu o "batismo" oficial: SARS-CoV-2, sigla do nome completo em inglês: Severe Acute Respiratory Syndrome Coronavirus 2 (em tradução livre: Síndrome Respiratória Aguda Grave Coronavírus).

De acordo com uma pesquisa, 80% dos infectados são leves e a taxa de mortalidade está entre pessoas idosas. Isso além de portadores de outras doenças, principalmente as cardiovasculares, que podem contrair a versão crítica da Covid-19.

Sintomas

De acordo com a OMS (Organização Mundial de Saúde), os sintomas mais comuns do novo coronavírus são tosse seca ou com secreção, febre acima de 37 graus, sendo que em alguns casos a febre não se manifesta, como por exemplo, jovens, idosos, imunossuprimidos, pessoas que nasceram com uma deficiência imunológica e dificuldade para respirar.

Além desses, podem ocorrer: insuficiência renal, dores no corpo, congestão nasal, inflamação na garganta, diarreia.

Transmissão

Pelo ar: a transmissão e recepção podem acontecer pela saliva, catarro e gotículas expelidas pela boca, como o espirro e o catarro, tosse e até mesmo a fala. Essas gotículas entram em contato com a mucosa dos olhos, nariz e boca, causando a infecção.

Por contato: Beijo, abraço, aperto de mão, ou toque em superfícies infectadas, como celular, maçanetas, corrimão, apoios no transporte público, teclas do computador ou outras, botões. Se você estiver infectado, o vírus é altamente transmissível através das suas mãos.

Animais domésticos

Não há afirmações de que animais domésticos possam transmitir o vírus para humanos. Já no final do mês de fevereiro, as autoridades chinesas informaram que um cão de estimação contraiu o coronavírus e seu dono já estava infectado.

Prevenção

1 – Uma das prevenções mais eficazes contra o COVID-19 é lavar bem as mãos, incluindo dorso, embaixo das unhas e antebraço, usar álcool gel nos mesmos lugares, imediatamente após a lavagem. O álcool gel forma uma camada protetora e o vírus não resiste a ele, portanto, não consegue se fixar na superfície do corpo. Assim, evita-se de levar o vírus à mucosas. Por exemplo, em caso de alguma coceira, tomando cuidados com a higiene das mãos, ele não consegue se instalar em mucosas como nariz, boca e olhos, locais onde ele busca se instalar e causar todo o transtorno de contágio.

2 – Quando tossir ou espirrar, o melhor a fazer é colocar o cotovelo na boca. Nunca as mãos.

3 – Limpar frequentemente objetos de uso diário como computadores, aparelhos telefônicos, celulares, chaves do carro, maçanetas, volante do carro etc., com álcool gel ou álcool 70.

4 – Não frequentar lugares com multidões.

5 – Não compartilhar objetos de uso pessoal, como copos, talheres, toalhas etc.

6 – Manter distância de, ao menos, 1 metro entre as pessoas, principalmente das que estão com tosse ou espirros.

7 – Evitar tocar no rosto antes de realizar a higiene necessária.

8 – Evitar cumprimentar as pessoas com beijo, abraço ou aperto de mãos e, se tiver sintomas de gripe, evitar sair de casa.

9 – Usar lenços descartáveis.

10 – Máscaras: apenas devem ser usadas por pessoas que estão tossindo, com coriza, espirrando ou que esteja com suspeita da doença. Do contrário, ela não previne, pois acabamos mexendo mais vezes no rosto para ajeitá-la e aí pode acontecer a contaminação.

Tratamento

Não existe tratamento específico contra o Covid-19, a doença provocada pelo novo coronavírus. Quem estiver infectado, recebe um tratamento que vai aliviar os sintomas. De acordo com o Ministério da Saúde, o tratamento indicado é repouso e dobrar o consumo de água para se hidratar. Ainda não há vacina específica para prevenir a contaminação contra o coronavírus.

As medidas adotadas para aliviar os sintomas são:

1 – Medicamentos para dor e febre (antitérmicos e analgésicos que não contenham ibuprofeno). Sempre com o acompanhamento médico, que saberá exatamente qual medicação é a correta.

2 – Umidificador no quarto ou banho quente para aliviar a dor de garanta e tosse.

3 – Não se automedicar: remédios que contenham ibuprofeno, por exemplo, não podem ser usados em caso de suspeita do coronavírus. Tudo deve ter a recomendação médica.

Aplicativo

O Sus disponibilizou um aplicativo que auxilia com dicas de cuidados para a prevenção da doença, além de fazer uma avaliação online sobre seu estado de saúde e mostra locais de atendimento mais próximos. Basta baixar no celular o Coronavírus SUS. Há também um telefone disponibilizado pelo Ministério da Saúde, o Disque Saúde. Basta ligar 136.