LGBTQIA+ às 08:00

Jamie Lee Curtis revela que filha mais nova é trans

Jamie-Lee-Curtis capa de revista

Reprodução/Instagram

Jamie Lee Curtis revelou, em uma nova entrevista à revista AARP (American Association of Retired People), que sua filha com seu marido, o roteirista Christopher Guest é transgênero. A atriz de 62 anos revelou a notícia que sua filha – antes Thomas Guest – agora se chama Ruby, tem 25 anos e é editora de jogos de computador.

Jamie Lee disse à revista que ela e seu marido sempre apoiaram Ruby em todo seu processo:

“Observamos maravilhados e com orgulho nosso filho se tornar nossa filha Ruby. E ela e seu noivo vão se casar no próximo ano, em um casamento que eu vou oficializar”, indicou a atriz.

Jamie Lee e Christopher também são pais de Annie, de 34 anos, que é instrutora de dança.

Ela acrescentou que não tem netos: “Ainda não, mas espero tê-los”, afirmou.

APOIANDO A CAUSA LGBTQ

Em 2019 Jamie Lee Curtis confirmou ter adquirido os direitos da história de uma mãe ativista que participa de casamentos homoafetivos em substituição aos pais que rejeitam a orientação sexual de seus filhos.

As negociações iniciaram em setembro de 2018, quando Curtis postou uma foto dela e da mãe suplente em casamentos LGBTQ Sara Cunningham no Twitter.

O livro de memórias de Cunningham, “How We Sleep At Night” conta sua difícil trajetória, como mulher religiosa, no processo de aceitação de seu proprio filho:

“Eu pensei que poderia ser apenas uma fase”, disse ela. “E então, quando ele completou 21 anos, ele ‘saiu’ para mim e disse que conheceu alguém e precisava que eu ficasse segura com isso”.

Mas, foi em 2014 quando Cunningham participou de sua primeira parada de orgulho LGBTQ e teve uma epifania. “Foi meu primeiro encontro com a comunidade LGBTQ, e foi o mais bonito que poderia ser”, disse ela. “Percebi que eu estava alienada há anos pela minha própria ignorância e medo. Distribuí abraços e cheguei em casa feliz e coberta de glitter”, relembrou.

“Eu fiquei comovida com a jornada dela”, disse Jamie Lee Curtis ao Washington Post. “E eu continuo emocionada quando percebo o alcance do seu projeto. Espero fazer justiça à sua história e à história de tantas pessoas marginalizadas na comunidade LGBTQ”.