LGBTQIA+ às 10:21

Linn da Quebrada sobre o BBB 22: “Achei que uma travesti podia ganhar”

linn-da-quebrada-podcast
Linn da Quebrada em entrevista ( Reprodução/Youtube)

O BBB 22 já acabou, daqui a pouco começa a demanda de “A Fazenda”, e entraremos em um novo ciclo para o BBB 23. Porém, muitos participantes ainda têm o que comentar sobre suas experiências na casa, percepção sobre audiência, e, no caso de Lina, a tamanha representatividade que teve sua trajetória no reality.

Em entrevista ao “DiaCast”, podcast apresentado por Rafa Dias, Linn contou um pouco sobre sua experiência na casa. Ao ser questionada em que momento a artista estava ao aceitar o convite, Lina responde:

Leia+ Amizade de milhões! Jessi recebe ajuda de Lina para fazer mudança. Veja!

“Eu estava entre o melhor e o pior momento de mim mesma. O BBB não era uma necessidade, foi uma escolha. Quando surgiu a possibilidade, eu disse: ‘É isso! Quero fazer isso’. Eu fui para o BBB para ganhar”.

Antes, Lina comentou sobre a representatividade que traz consigo, e sobre como enxergou o convite, e com ironia, comentou sobre o mercado da música:

“Linn da Quebrada acontece no “Pajubá” ( Primeiro álbum da artista), daí com ele o mercado fala ‘é interessante, vamos fazer isso, somos LGBT friendly’.(…) E com o “Trava Línguas” essa angústia deste mercado, marcado pelas nossas cicatrizes, onde a gente tem que continuar negra, continuar LGBT, continuar refém do nosso próprio sofrer, pois, parece que nossas dores vendem”.

Sobre a possibilidade de ganhar o BBB, Linn comenta:

“Eu realmente acreditei que era possível que uma travesti ganhasse. Eu tenho que ser generosa comigo e ver quantas vitórias, porque também, eu me deparei com o fracasso.”

Ainda falando do BBB, Linn comentou sobre seu papel no jogo e sobre a polêmica de ser chamada pelo pronome masculino.

“Quando o Tadeu falou do ‘Ela’, eu pensei: ‘Não acredito que com tudo isso ainda corremos atrás do nosso próprio rabo para explicar como queremos ser chamados’.(…) O BBB é sobre o jogo que fazemos aqui fora para que possamos permanecer lá dentro. E por isso eu fico P…, pois, quando eu saio, eu sinto que não soube jogar. Lá eu fiquei angustiada, sem referência”

Linn elogiou o jogo dos meninos, se referindo aos 4 finalistas ( Arthur, PA, DG e Scooby, eliminado antes da final).

“Eles conseguiram deixar as questões interpessoais de lado para deixar o jogo acontecer. Nós não conseguimos fazer isso, pois, trazemos o afeto junto, porém, para este jogo, para esta edição, para este ano, não rolou”.

Assista a entrevista completa: