Música e Shows às 18:29

Gloria Groove solta o batidão em ‘Bonekinha’: ‘Foi a escolha para retornar ao pop’

Gloria Groove vestida com figurino no clipe da música Bonekinha

Rodolfo Magalhães/Divulgação

Conceito, coesão, aclamação? Temos! Aos “tuiteiros” fãs dessas três palavrinhas e também aos que apenas aguardam a nova era de Gloria Groove: a espera acabou! Nesta quinta-feira (17), “Bonekinha” vem com tudo como primeiro single do álbum “Lady Leste”, que chega em breve. O videoclipe da canção chega na sexta-feira (18), às 12h.

Mas antes de mais nada, aconteceu uma coletiva de imprensa hoje, com João Luiz Pedrosa, o professor que conquistou muito brasileiros no “BBB21”, no papel de mediador. Não poderia ser diferente, né?! Ele cantou todas da artista quando ela se apresentou no reality.

Nos quadradinhos da ferramenta online usada para a videochamada, GG apareceu, divertida, montada no rosa e bem “mandraka”, pronta para a sabatina sobre os materiais inéditos.

E é impossível não notar a diferença entre “Affair”, EP lançado ano passado, “Bonekinha”. Se antes Gloria cantava sobre o amor, as desilusões, as paixões, a nova fase vem toda trabalhada no funk, no rock, na rasteirinha e, principalmente, no pop.

“‘Affair’ falava muito de amor. Foi a era romântica da Gloria Groove, pedia o R&B”, explicou ela, ao OFuxico. Já a mudança veio porque ela estava em um processo de “entender o que é a ‘Lady Leste’. Me identifico muito [com ela]. Foi uma tarefa de entender o que me lembrava a minha criação na Zona Leste [de São Paulo]”.

A nova música ainda faz jus ao inédito mundo da cantora. 

“‘Bonekinha’ é uma faixa fresca, não estava engavetada há tanto tempo. Foi a escolha para retornar ao pop e eu precisava de uma música que desse essa sensação de entrar para a era ‘Lady Leste’. É a roupinha que eu precisava”, salientou.

Autobiografia com toques da GG

Cria da Vila Formosa, Gloria Groove quis também abrir mais o coração por meio da própria arte. Segundo a drag, o disco é “autobiográfico” e a “chance de eu me mostrar mais, contar minha história em primeira pessoa”, sem deixar de lado a alegria, já que a atual persona “é divertida, pop, cinematográfica”.

Porém, não deixa de ser uma homenagem à família, “às mulheres da minha vida, que vêm da Zona Leste. É uma carta de amor!”