Música às 19:05

Dez anos sem Amy Winehouse: Cantora deixou legado que permanece no mundo da música até hoje

amy winehouse segurando cigarro e olhando para o lado

(Reprodução: Instagram)

No dia 23 de julho de 2011, o mundo dizia adeus a Amy Winehouse, cantora que ficou conhecida mundialmente por sua voz inconfundível e a mistura de estilos como jazz, soul, R&B e outros ritmos em suas músicas. Amy morreu aos 27 anos, entrando para o famoso e macabro “Clube dos 27” (nome dado ao fenômeno de grandes músicos que morreram aos 27, como Jimi Hendrix, Kurt Cobain, Janis Joplin, Jim Morrisson e etc), devido uma intoxicação alcóolica, segundo aponta o laudo médico realizado na época, que indicava 4,16 gramas de álcool por litro de sangue no corpo da artista, sendo que um coma alcóolico acontece quando há mais de 3,5 gramas de álcool no sangue da vítima.

Veja+: Confira as melhores apresentações ao vivo de Amy Winehouse

A cantora estava voltando a beber depois de tentar se manter sóbria por um período, e o excesso de bebida após determinado tempo sem a ingestão de álcool teria sido o motivo da morte de Amy. No entanto, familiares da famosa alegam que o principal motivo que levou a artista ao falecimento teria sido a bulimia, já que Winehouse enfrentou durante toda sua vida diferentes transtornos alimentares.

Veja+: Relembre as músicas mais memoráveis de Amy Winehouse

Em meio ao inegável talento e marca da artista, também sempre existiu uma triste história de vício em drogas, álcool e relacionamentos abusivos que rodearam Winehouse em sua vida pessoal. Com uma agenda lotada de shows, muitos descreviam as últimas performances de Amy como algo triste e deplorável de se assistir, como alguém que transparecia um pedido de ajuda tendo seu talento explorado ao máximo para continuar cantando e cumprindo com compromissos. Familiares e amigos tentaram com que a famosa fosse para a reabilitação, mas as tentativas não obtiveram um resultado positivo.

Dentre os maiores sucessos da cantora estão “Rehab”, “Back To Black”, “Valerie”, “You Know I’m No Good” e etc. O álbum “Back To Black”, de 2006, já foi eleito pelo “The Guardian” como o melhor disco do século. Acumulando prêmios, recordes e uma legião de fãs, o legado de Amy se perpetua até os dias de hoje no mundo da música e da cultura, seja com o famoso delineado da compositora, seu penteado marcante ou através da personalidade ao mesmo tempo forte e meiga de Amy que, como amigos íntimos descreviam, no fundo era extremamente sensível e protetora com quem amava. Na música, seu trabalho é tido como referência e símbolo para novos artistas que também buscam misturar o jazz com o pop e popularizar o ritmo como Amy fez. Nesta sexta-feira, 23 de julho, aniversário de morte da cantora, diversos fãs e internautas prestaram suas homenagens para a artista nas redes sociais.

FILME SOBRE A VIDA DE AMY

Mitch Winehouse, pai de Amy, revelou que um novo filme sobre a vida da artista poderia ser lançado neste ano.

O homem de 69 anos sugeriu que o novo projeto será um retrato mais verdadeiro da cantora, do que o documentário “Amy” de 2015 de Asif Kapadia, que assegura, mostrou uma versão dele e da filha, ‘completamente enganosa’.

Ele disse ao diário The Sun: “Temos um filme adorável, um show adorável da Broadway chegando, e é assim que vamos nos recuperar, retratando Amy do jeito que ela era.”, afirma.

Mitch revelou que um roteiro já está sendo escrito: “Para o filme, fomos além das conversas, estamos na fase de roteiro. O filme vai ser um filme biográfico.”, explica.

Mitch deu a entender que estaria envolvido em todos os aspectos do projeto, incluindo escalar a atriz para interpretar sua filha.

AMIGO DE AMY CULPA ADMINISTRADORES PELA MORTE DA CANTORA

Tyler James, melhor amigo de Amy Winehouse desde a época em que eram adolescentes, está fazendo algumas revelações sobre a cantora.

Em um trecho do seu novo livro ‘My Amy: Memories of Amy Winehouse from Her Best Friend’, publicado no jornal The Mail on Sunday, James escreveu que Amy foi forçada a se apresentar “quase inconsciente’ durante um show, e que ela precisava urgentemente de ajuda e foi totalmente ignorada.”

“Amy nunca quis ser famosa. Ela queria ser uma cantora de jazz”, diz James, que conhece a artista desde os 12 anos de idade.

“Mais do que tudo, ela queria uma família, ser uma esposa e ter filhos. Tudo que Amy sempre quis foi a normalidade. Ela sempre dizia: “A fama é como um câncer terminal, eu não desejaria isso a ninguém”. Mas seu álbum ‘Back To Black’ se tornou o número um em 19 países”, relembra.

A cantora de 27 anos teve uma recaída antes de sua última turnê pela Europa e Tyler James relembrou  que ela foi colocada em um avião para a turnê, apesar de estar “delirando e fraca”.

“Ela começou a beber, uma recaída completa, e ela bebeu por cinco dias. Todos os dias os gerentes vinham e me diriam que eu precisava fazer com que ela parasse de beber. No dia do show, os meninos pegaram Amy do sofá, porque eles mandaram, e a colocaram no carro. Ela estava quase inconsciente. Sentei-me ao lado dela, pensando: ‘Isso é tão errado’. Ela estava tão delirante e fraca que os meninos tiveram que ajudá-la a entrar no avião, os braços em volta dela, guiando-a escada acima”, lembra.

“Chegamos ao Hyatt Hotel em Belgrado. Amy não tinha ideia de onde ela estava. Ela não estava apenas em um estado ruim – doente, trêmula, retraída – ela estava quase inconsciente, o resultado de cinco dias de bebedeira. Por oito horas, a cada hora, eu recebia ligações da gerência. ‘Ela está bem?’, eu continuei dizendo: ‘Não, ela está completamente inconsciente. Não tem como ela fazer um show esta noite’.”

Mas eles insistiram e segundo Tyler, “o desempenho foi um desastre”.