Imprimir

Notícias

03/05/2020 | 18h00m - Publicado por: Michele Marreira | Foto: Reprodução/Instagram

Cruel Summer promete ser o novo single de Taylor Swift

Música já entrou na programação de rádios americanas

Cruel Summer promete ser o novo single de Taylor Swift - Reprodução/Instagram

Taylor Swift é sucesso entre adolescentes e jovens do mundo todo. Aos 30 anos, a cantora que se apresentaria no Brasil neste ano, teve que cancelar sua turnê por conta da pandemia do novo coronavírus.

Uma de suas músicas, Cruel Summer, promete ser seu novo single, segundo o radialista Mike Adam, da rádio New 102.7 de Nova York. A canção que já está sendo divulgada em algumas rádios dos Estados Unidos tem tudo para ser o carro-chefe no trabalho mais recente da musa teen.  

Lover é o sétimo álbum de estúdio da loirinha e foi lançado em agosto do ano passado.

Taylor Swift revela o que tem feito nessa quarentena
Taylor Swift ganha homenagem toda feita de lego. Entenda!

Problemas com gravadora



Taylor Swift não gostou de saber que sua antiga gravadora, a Big Machine, que ainda detém os direitos de suas gravações antigas e foi vendida para o empresário Scooter Braun, agente de Justin Bieber, está lançando um novo álbum da cantora.

Taylor pode colocar o negócio da Big Machine em risco de perdas ao revelar aos fãs que embora eles estejam lançando o material afirmando que as gravações são de 2017, ela revelou que na verdade os temas foram gravados em 2008.

A cantora de 30 anos forneceu uma atualização para os fãs em seu Instagram.

"Ei, pessoal - quero agradecer aos meus fãs por me informarem que minha antiga gravadora está lançando um 'álbum' de apresentações ao vivo esta noite. Essa gravação é de uma apresentação de um programa de rádio de 2008 que eu fiz aos 18 anos. A Big Machine listou a data como um lançamento de 2017, mas na verdade eles a lançam hoje à noite à meia-noite”, escreveu ela.

"Eu sempre sou honesta com vocês sobre essas coisas, então eu só queria dizer que este lançamento não foi aprovado por mim. Parece-me que Scooter Braun e seus financiadores, 23 Capital, Alex Soros e a família Soros e o Carlyle Group viram os últimos balanços e perceberam que pagar US$ 330 milhões pela minha música não era exatamente uma escolha sábia e eles precisam de dinheiro. Na minha opinião... apenas mais um caso de cobiça sem vergonha na época do coronavírus. Muito de mau gosto, mas muito transparente", reclamou.
 





Notícias Relacionadas



Instagram

Instagram

OFuxico