Imprimir

Notícias

07/08/2020 | 14h49m - Publicado por: Flávia Ávila | Foto: Reprodução/Instagram

Felipe Prior é denunciado por estupro pelo Ministério Público de São Paulo

O ex-BBB e arquiteto enfrenta casos na justiça desde abril deste ano

Felipe Prior é denunciado por estupro pelo Ministério Público de São Paulo - Reprodução/Instagram

O Ministério Público de São Paulo (MPSP) abriu uma denúncia contra o ex-BBB Felipe Prior na última quinta-feira (6). Segundo o jornal Extra, os promotores Danilo Romão, da 7ª Promotoria Criminal, e Fernanda Moreti, da Promotoria da Violência Doméstica denunciaram o arquiteto por um crime de estupro que teria acontecido na capital paulista, em 2014.

A decisão veio um dia após a conclusão do inquérito pela 1ª Delegacia de Defesa da Mulher, decidindo não indiciar Prior por dois estupros e uma tentativa de estupro que supostamente ocorreram em 2014 e 2016. A delegada Maria Valéria Pereira Novaes, na terça-feira (4), foi a responsável por encerrar o caso envolvendo três mulheres.

Ex-BBB Felipe Prior desativa conta no Instagram e fãs reagem

A denúncia do MPSP foi baseada no artigo 213 do Código Penal Brasileiro e encaminhada à 7ª Vara Criminal da Barra Funda e vai tramitar sob segredo de Justiça. Já os outros dois casos ligados ao arquiteto aconteceram, supostamente, em outras cidades, por isso devem seguir às promotorias locais que decidirão entre continuar ou não com incriminação.

Vale lembrar que em abril deste ano, a revista Marie Claire publicou com exclusividade os relatos de três mulheres que acusaram Felipe Prior pelo crime sexual. Na época, a matéria repercutiu na internet e o rapaz precisou prestar depoimentos.

Felipe Prior surpreende Flayslane com entrega especial

Fim do processo

A delegada Maria Valéria Pereira Novaes informou que não irá indiciar Felipe Prior por tentativa ou estupro consumado:

“Minha investigação está encerrada, isso não quer dizer que o Ministério Público não possa levar o caso adiante. Pelo o que apurei e pelas provas que levantei, não achei tratar-se de caso que fere o artigo 213 do Código Penal”, explicou. O artigo 213 refere-se a constranger, mediante violência ou grave ameaça, a ter conjunção carnal ou praticar ato libidinoso.

O ex participante do BBB 20 foi acusado por três mulheres de ter cometido os crimes na época em que todos estudavam na Universidade Presbiteriana Mackenzie, em São Paulo, entre os anos de 2014 e 2018.

Logo após sua saída do reality, Prior foi intimado a prestar depoimento na 1ª Delegacia de Defesa da Mulher, onde foi aberto um inquérito policial. Agora a delegada Maria Valéria encerrou sua investigação com despacho de 12 páginas entendendo que não houve provas nem indícios para indiciar o arquiteto.

Ex-BBB Felipe Prior desativa conta no Instagram e fãs reagem

Felipe Prior está livre der processo por tentativa estupro

Carolina Pugliese, advogada de Felipe, emitiu nota comemorando a decisão da delegada:

 “A defesa de Felipe Prior sempre acreditou em sua inocência. O trabalho criterioso e responsável da delegada, Maria Valéria Pereira Novaes, e sua equipe, permitiu que o acusado apresentasse as provas necessárias e imprescindíveis durante o inquérito policial. O que nós esperamos agora é que o caso seja encerrado para que a justiça se restabeleça e o Felipe Prior retome o curso normal de sua vida.”

Jornal divulga possível lista de participantes de A Fazenda

Acusação promete recorrer da decisão

 

Por outro lado, as advogadas Maíra Machado Frota Pinheiro e Juliana de Almeida Valente, que representam as mulheres que fizeram a denúncia, também se manifestaram através de nota:

"Repudiamos as conclusões da polícia formuladas no relatório final, por entendermos que elas não refletem o conjunto de provas que confirma os relatos das mulheres. Nenhuma das testemunhas de defesa foi capaz de refutar diretamente esses relatos. Somente uma crença infundada em teorias da conspiração explica o relato de quatro mulheres, confirmado por testemunhas, documentos e laudo pericial, ser desconsiderado apenas porque o agressor negou a prática dos crimes. Nenhuma mulher se beneficia de denunciar um estupro.

Corintiano, Felipe Prior explica suposta foto com Neymar na torcida do Santos

Como cabe ao Ministério Público decidir sobre a continuidade da apuração dos fatos, a opinião da delegacia não é determinante para a continuidade do processo. Esperamos que a injustiça desse relatório seja revertida nas próximas etapas. Esperamos ainda que essa posição lamentável da polícia não leve as milhares de mulheres que sofrem violência todos os dias a ter medo de denunciar o que sofreram."





Notícias Relacionadas



Instagram

Instagram

OFuxico