Imprimir

Notícias

08/04/2020 | 11h37m - Publicado por: Giovanna Prisco | Foto: Reprodução/Instagram/@marcaodopovooficial

Jornalista sugere campo de concentração para pacientes com covid-19

Fala de Marcão do Povo repercutiu negativamente nas redes sociais

Jornalista sugere campo de concentração para pacientes com covid-19 - Reprodução/Instagram/@marcaodopovooficial

Durante a transmissão do jornal Primeiro Impacto, do SBT, o apresentador Marcão do Povo chocou os telespectadores ao sugerir que sejam criados campos de concentração para colocar pacientes infectados com o novo coronavírus.

O jornalista decidiu dar ideias para o presidente Jair Bolsonaro sobre como lidar com a pandemia, que já matou 83.424 pessoas em todo o mundo.

Cobertura completa: Saiba tudo sobre o coronavírus no mundo dos famosos

“Não seria interessante pegar, por exemplo, o Exército, a Aeronáutica, a Marinha, montar um campo de concentração, de cuidados, com os equipamentos mais sofisticados, com os melhores profissionais, e colocar essas pessoas com problemas ou com sintomas?”, disse ele.

Em seguida, Marcão ainda criticou os governadores que estão adotando medidas de fechamento do comércio para diminuir a movimentação nas ruas.

Marcão do Povo renova contrato e continua no SBT

“Então, presidente, é uma dica. Dá um decreto, põe o Exército nas ruas, Marinha e Aeronáutica. Aí, o governador que descumprir, faz igual tão fazendo com o povo, cana! Monta um campo, trata essas pessoas lá e o comércio abre e todo mundo vai trabalhar normalmente”, afirmou.

Como era de se esperar, as afirmações repercutiram negativamente nas redes sociais. Campos de concentração são prisões militares muito usadas durante o nazismo, um dos episódios mais nefastos da história da humanidade.

Confira as principais reações!

 

 

O que é o Coronavírus

 

O Sars-Cov-2 é o mais novo integrante de uma família já conhecida. Ela é formada por vírus que tiveram origem em animais silvestres. Alguns deles infectaram humanos e já causaram outras epidemias. Coronavírus é o nome de uma família desses vírus. O nome vem por conta dos mesmos terem suas estruturas em formato de coroa. Eles costumam circular entre animais, como roedores e morcegos. Mas a doença começou a afetar humanos também. O vírus causador sofre mutações espontâneas e aleatórias, por isso ainda não há uma medicação certeira para combater a doença.

São eles os responsáveis por infecções respiratórias e já provocaram outras doenças.

Como o coronavírus começou a circular

 

O novo coronavírus começou a circular na China em 2019, ganhando um nome temporário de 2019 n-Cov. Depois, ocorreu o “batismo” oficial: SARS-CoV-2, sigla do nome completo em inglês: Severe Acute Respiratory Syndrome Coronavirus 2 (em tradução livre: Síndrome Respiratória Aguda Grave Coronavírus).

De acordo com uma pesquisa, 80% dos infectados são leves e a taxa de mortalidade está entre pessoas idosas. Isso além de portadores de outras doenças, principalmente as cardiovasculares, que podem contrair a versão crítica da Covid-19.

Saiba mais sobre o coronavírus clicando aqui.

Coronavírus no Brasil

 

O coronavírus teve uma disseminação bastante rápida. No Brasil, muita gente já foi infectada e há muitos registros de mortes.

No país foi decretado estado de emergência e ocorreu a recomendação do fechamento de lojas, shoppings, clubes e academias, além da conscientização e proibição do uso de praias, parques, teatros, shows, etc.

Em São Paulo, o governo do Estado recomendou o cancelamento de eventos de lazer, culturais e esportivos, com mais de 500 participantes. Também determinou a suspensão imediata das aulas em universidades públicas e em escolas da rede pública e privada.

China e Coréia do Sul

 

A China afirmou ter uma queda na quantidade diária de casos novos de coronavírus. Em Pequim, capital do país, foram reforçadas as medidas para combater a quantidade de infectados vindos do exterior. A Comissão Nacional de Saúde informou que os casos da China envolveram viajantes vindos do exterior, muitos deles estudantes chineses que voltavam para casa.

A Coreia do Sul também teve uma queda em relação a novos casos, desde o pico, que aconteceu no dia 29 de fevereiro. Tal queda levou mais esperança de que, o maior surto asiático fora da China, esteja recuando. Por lá, os Centros de Controle e Prevenção de Doenças da Coreia (KCDC) seguem acompanhando todos os casos.

Saiba mais sobre o coronavírus no mundo clicando aqui.





Notícias Relacionadas



Instagram

Instagram

OFuxico