Imprimir

Notícias

02/12/2020 | 15h55m - Publicado por: Luigi Civalli | Foto: Reprodução/Instagram

MPF abre inquérito contra Ana Paula Valadão, após fala homofóbica

Na oportunidade, ela conectou a AIDS com o público LGBTQI+

MPF abre inquérito contra Ana Paula Valadão, após fala homofóbica - Reprodução/Instagram

A pastora e cantora gospel Ana Paula Valadão está com alguns problemas na Justiça. No ano de 2016, durante o Congresso Diante do Trono, ela deu declarações homofóbicas, que vieram à tona por se popularizarem no Twitter neste ano.

Padre sobre Ana Paula Valadão: ‘Burrice misturada com preconceito’

"Gente, isso não é normal. Deus criou o homem e a mulher, e é assim que nós cremos. Qualquer opção sexual (sic) é uma escolha de livre arbítrio e qualquer escolha tem consequências”, começou.

“A Bíblia chama de qualquer opção contrária ao que Deus determinou de pecado. E o pecado tem uma consequência que é a morte. Está aí a AIDS para mostrar que a união sexual entre sexual entre dois homens causa uma enfermidade que leva à morte e contamina as mulheres, enfim... Não é o ideal de Deus", acrescentou.

Por fim, ela deu sua definição de “sexo seguro”. Sabe qual é o sexo seguro, que não transmite doença nenhuma... O sexo seguro se chama aliança do casamento”, finalizou.

Em setembro, o ativista LGBTI+ Agripino Magalhães pediu que o MP de Belo Horizonte abrisse um inquérito para apurar crime de homofobia nas declarações.

No dia 17 de novembro, o procurador Helder Magno da Silva aceitou a denúncia e determinou a abertura de inquérito.

“Remonta à década de 1980 a narrativa da AIDS como ‘doença/câncer/peste gay’ ou mesmo ‘castigo de Deus’, que se baseava na desinformação sobre o vírus e desconhecimento sobre a doença; tal concepção, inclusive, foi há muito superada pelo conhecimento médico-científico. O inquérito vai ‘apurar eventual prática de conduta discriminatória caracterizadora de discurso de ódio sexual e contra pessoas portadoras do HIV’", diz um trecho do documento.

“Na forma em que foi narrada, resta ao Estado o dever de proteger as vítimas e responsabilizar os infratores, de maneira que essa atuação é ainda mais necessária no atual cenário brasileiro, em que a homofobia se encontra tão presente e multiplicam-se casos de ódio e intolerância”, havia em outro trecho.

Ana Paula Valadão, por sua vez, não comentou sobre o assunto até o momento.

Xuxa defende comunidade LGBTQIA+ após posicionamento homofóbico de cantora gospel







Instagram

Instagram

OFuxico