Imprimir

Notícias

28/11/2020 | 06h00m - Publicado por: Flávia Ávila | Foto: Divulgação

O Gambito da Rainha: Confira curiosidades da minissérie sucesso da Netflix

Obra transformou o xadrez em algo presente na cultura pop

O Gambito da Rainha: Confira curiosidades da minissérie sucesso da Netflix - Divulgação

Primeiro você precisa estar com as peças brancas para começar. Depois basta abrir a ala da dama jogando o seu peão na casa d4, o peão preto vem na casa d5 e você termina com outro peão branco na c4. Parece até algoritmo, né? Mas é xadrez!

Confira as principais estreias de dezembro na Netflix

Desde a estreia na netflix, a minissérie O Gambito da Rainha tem feito muito sucesso. Entre as 10 produções mais vistas no Brasil, recentemente perdeu o primeiro lugar apenas porque a quarta temporada de The Crown chegou e todo mundo queria ver o início da história da Princesa Diana e o Príncipe Charles. Quem diria que um esporte de tabuleiro faria tanta gente grudar os olhos na Netflix. E que legal!

Comumente conhecida como gambito de dama entre os enxadristas (porque na notação das jogadas, a letra R é usada para o rei, então se usa D de dama para evitar confusão), a estratégia inicial é uma maneira de movimentar a partida logo de início, sacrificando temporariamente uma peça a fim de dominar o centro e ter mais controle para chegar ao fim de forma vitoriosa. Não teria, então, melhor nome para a obra do que esse.

Das novelas à Netflix: Famosos que cederam ao streaming

Indo além, O gambito da Rainha é superação pessoal, social. É reflexão e história. É uma homenagem ao xadrez e uma narrativa envolvente. Mas existem alguns outros detalhes que valem ser explorados, por isso separamos aqui algumas curiosidades da minissérie para você.

Vem ver!

Livro

Livro inspirou a minissérie da Netflix

Com avaliação em 100% do Rotten Tomatoes, site que reúne críticas para filmes e série por parte de colaboradores e público, O Gambito da Rainha conquistou um feito bem maneiro já que não é fácil ter a mais alta aprovação na plataforma. Porém, você sabia que uma obra da literatura foi o segredo do projeto da Netflix?

Publicado em 1983 por Walter Tevis, o romance leva o mesmo nome da minissérie e tem o mesmo enredo, é claro. Nele, Walter narra a vida da órfã Beth Harmon, uma menina de nove anos que descobre dois vícios em sua vida: o xadrez e as pílulas calmantes. E diferente do que pensam, é tudo ficção, nada de baseados em fatos reais.

Nas telas do cinema

A história de Beth teria sido contada muito antes se não fosse a morte precoce de Heath Ledger.

Quase 30 anos atrás, Allen Scott, um dos produtores executivos da minissérie e co-criador, já detinha os direitos da produção para fazer um filme. Depois de conversar com cerca de cinco diretores, ele fechou a parceria com Ledger que ainda iria atuar no longa ao lado de Ellen Page como a protagonista.

Mas em 2008, a morte de Heath foi noticiada e o projeto foi engavetado até que Allen recebeu o contato do outro produtor executivo do filme, William Horberg, para falar de Scott Frank. O diretor deixou Horberg encantado com seu trabalho, principalmente após Godless, outra minissérie original Netflix. Assim, em 2018, o desenvolvimento de O Gambito da Rainha iniciou-se.

Eu acho que já vi ela…

ANya Taylor-Joy ficou conhecida pelo filme A Bruxa

Interpretada por Isla Johnson na infância, Beth Harmon ganha forma da juventude até a vida adulta na pele de Anya Taylor-Joy. Aos 24 anos, a atriz teve a sua grande estreia aos olhos do público no filme A Bruxa (2016), conhecido pelo terror psicológico e suspense. Depois, Anya apareceu em Fragmentado (2017), Emma (2020) e Os Novos Mutantes (2020), originalmente com estreia para 2018, mas adiado diversas vezes por problemas com refilmagens e estúdios.

Ela estrelou também o videoclipe da música Dinner & Diatribes, do cantor Hozier, e esteve na última temporada de Peaky Blinders.

Talentosa, a jovem deve ser tornar um rosto cada vez mais conhecido seja nas telas dos streamings ou dos cinemas.

Ajuda mais que importante

Além de aprender a jogar xadrez para dar maior naturalidade nas filmagens, o elenco de O Gambito da Rainha recebeu a consultoria de Garry Kasparov, o mais famoso jogador de xadrez e campeão mundial, e Bruce Pandolfini, um escritor e treinador enxadrista.

Os dois garantiram representações fidedignas às cenas, mostrando a emoção das partidas com movimentos impressionantes. 

Em entrevista ao Late Night with Seth Meyers, Anya Taylor-Joy ainda contou que aprendia as jogadas pouco antes das gravações, pois seria praticamente impossível memorizar 350 jogos com muita antecedência. Ela também, por conta própria, estudou a parte teórica do xadrez, mas ainda sim achou a prática muito complicada.

“Tive a ideia maravilhosa de que ficaria fantástica no xadrez e seria meu superpoder para sempre, mas a realidade era que eu estava trabalhando muito e precisava me entregar a isso e aprender como tanto quanto eu poderia”, disse a estrela no bate-papo.

Segunda temporada

O Gambito da Rainha se tornou um sucesso

O Gambito da Rainha mostra ao longo de seus sete episódios uma mulher que luta contra os vícios e busca seu próprio entendimento no esporte de tabuleiro entre as décadas de 1950 e 1960, enfrentando o machismo tão presente na época. Beth aprende, cresce, se aventura e mostra a Guerra Fria também já que o fato histórico era muito influente na vida das pessoas.

Por ser apresentada como minissérie, é esperado que ela acabe por aí, com apenas uma única temporada. Seu enredo redondinho e arcos finalizados cuidadosamente são pontos altos que podem enfrentar desgastes se houvesse uma continuação. O final aberto intencional, bem como no livro, encerra com maestria a vida da enxadrista, finalmente feliz. 

Há exceções, é claro. Big Little Lies, da HBO, foi baseada igualmente em um livro, tendo uma segunda temporada totalmente inédita e deixou um possibilidade para uma terceira, mas será que o risco vale a pena?

A Netflix não se pronunciou a respeito da continuidade e se bater a saudade, é só dar play de novo no romance repleto de lógicas a fim de garantir o xeque mate.

E se você gostou dessa narrativa, pode gostar de Rainha de Katwe, livro e longa-metragem inspirados na história real de Phiona Mutesi, uma jovem de uma região pobre de Uganda que descobre no xadrez o seu talento e a oportunidade de mudar sua vida.





Notícias Relacionadas



Instagram

Instagram

OFuxico