Imprimir

Notícias

05/10/2018 | 17h22m - Publicado por: Caroline Huertas | Foto: Reprodução/Youtube

Sabrina Parlatore fala de câncer: 'Morri e voltei a nascer'

Apresentadora participou de um bate-papo no canal de Julia Faria

Sabrina Parlatore fala de câncer: 'Morri e voltei a nascer' - Reprodução/Youtube
  • Amei0
  • Curti0
  • Feliz0
  • Triste0
  • Nervoso0
  • Surpreso0

Sabrina Parlatore participou do canal de Julia Faria, da Rede Snack, no Youtube, e bateu um papo sério sobre o câncer de mama que enfrentou aos 40 anos de idade. 

Em meio à campanha do Outubro Rosa, a apresentadora abriu o jogo sobre como foi descobrir a doença e tratá-la, precisando contar muito com o apoio da família e dos amigos para passar por esse momento tão difícil. 

"Em maio de 2015, eu estava assistindo TV, passando a mão, me coçando e senti um caroço no peito, fiquei super preocupada. Toquei e vi que era uma bolinha que não estava aqui. No dia seguinte, corri no médico e fui fazer todos os exames, fiz biópsia e deu o câncer de mama. Foi inacreditável. Primeira coisa que me veio na cabeça foi perguntar a gravidade da situação e ele me tranquilizou, dizendo que era um tumor inicial", relembrou, alertando para o diagnóstico precoce. 

Sabrina revelou que passou por uma cirurgia, mas do tipo conservadora, não precisando tirar a mama por completo, e que o momento mais difícil foi o da quimioterapia. 

"A quimioterapia é de matar, de arrasar. Não vou aliviar, o protocolo que eu tive é de matar. Eu morri e voltei a nascer, é bem isso. É muito forte, muito agressivo. Ele mata o que tem de ruim e o que tem de bom também. O corpo se altera inteiro", comentou. 

A apresentadora perdeu seus cílios e sobrancelhas, mas só não ficou completamente sem cabelo pois optou por um tratamento para preservação do bulbo capilar. 

"No final do tratamento, eu estava um caco, não conseguia nem respirar direito, uma coisa violenta. Eu achava que ia morrer do tratamento. Eu não tive medo de morrer do câncer, mas da quimioterapia eu tive. Achava que meu corpo não iria aguentar, eu não estava conseguindo andar, respirar, fazer exercícios... Foi um mal necessário. Desde o início, eu foquei na solução, não fiquei me lamentando e nem perguntando o porquê. Era um dia de cada vez, focava no final, eu sabia que não ia morrer. Eu não sei da onde a gente tira forças", contou. 

 

Confira o vídeo completo: 





Notícias Relacionadas



Instagram

Instagram

OFuxico