Notícias às 16:55

Boni diz que Globo foi sensacionalista em caso de José Mayer

Ag.News

O assunto da semana foi o caso de assédio envolvendo o nome do ator José Mayer e muita gente se manifestou sobre o assunto, seja com imagens ou com comentários nas redes sociais, criticando a atitude do ator.

Em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo, que publicou o artigo da figurinista Susllem Tonani que narra o assédio, o ex-diretor da Globo, Boni, afirmou que a questão não passa de um assunto interno que foi tratado com "sensacionalismo".

"Em primeiro lugar, assédio é inaceitável. Só dá para analisar esse caso tendo todos os detalhes. Mas acho que [neste caso] não precisava expor. Isso aí é fazer sensacionalismo", disse.

Boni ainda contou que não concordou com o fato do assédio ter sido abordado nos telejornais da Globo. "Sinceramente, isso é assunto interno, não é assunto para ir para o Jornal nacional. Todas as grandes empresas resolvem seus problemas internamente. Tem que averiguar a denúncia e punir. O resultado disso aí não é que 'não houve transparência', é que acaba transformando um assunto interno em assunto público, com o Brasil com tanta coisa para ser discutida. Colocar seis minutos no Jornal nacional é apelação".

Além de suspender Mayer da programação, a Globo também apoiou publicamente uma campanha organizada pelas funcionárias contra a cultura do assédio, onde atrizes como Sophie Charlotte, Monica Iozzi, Rafa Brites, Taís Araújo, Alice Wegmann, Gloria Pires, Cleo Pires, Drica Moraes, Camila Pitanga, Tainá Muller, Camila Queiroz, Fernanda Lima, Cissa Guimarães, Mariana Ximenes, entre outras apoiaram a causa.