Notícias às 08:00

Britney Spears faz 39! Relembre momentos de sua carreira

Foto: Divulgação

Britney Spears completa 39 anos nesta quarta-feira (2). Entre mudanças de fases e polêmicas, não tem como negar que a popstar marcou muitas gerações e influenciou a música em várias maneiras.  

Pensando nisso, OFuxico fez uma linha do tempo das turnes e transições da princesinha do pop para matar as saudades dos velhos tempos e relembrar grandes singles da sua carreria.

Vem conferir!

Baby One More Time Tour 

No final de 1998, surgia uma estrela loira e de trancinhas:  Britney Spears e seu hit de estreia, Baby One More Time. A menina acabava de fazer 18 anos, e sua aparência angelical, combinada à letra provocante do single (assim como a maria-chiquinha com saias curtas do clipe) era a junção ideal para uma perversão inocente e machista da virada do século.

A primeira turnê solo de Britney Spears aconteceu logo depois do estouro do álbum Baby One More Time. Antes disso, a cantora fez pequenos concertos com o N´Sync, quando ainda não tinha assumido o namoro com o cantor Justin Timberlake. 

Britney Spears lança música em meio a polêmica

Neste show, Britney realmente soltava a voz em algumas canções, embora tenha sido acusada de dublar, rumor que ela nunca chegou a confirmar.

O single ficou no Top 5 de 29 países (e foi #1 em em 26 deles). Foi a música mais vendida da Europa em 1999, e a terceira mais popular do continente naquele ano. 21 anos depois, é a 25a música pop dos EUA – e foi considerada pela Rolling Stone o Melhor Single de Estreia no Pop.

Oops!…I Did It Again Tour 

Já conhecida como uma superestrela e dona de uma super voz, Britney teve apenas um mês para se preparar para sua segunda turnê, que era maior do que a primeira, em que estreou alguns figurinos sexies.

No último show, realizado no Brasil, em janeiro de 2001, durante o Rock in Rio, Britney foi vaiada por dublar as canções e também por mostrar uma bandeira americana durante a performance de Lucky, uma de suas músicas. Foi este o começo de uma carreira digamos, controversa, no que se refere às performances de uma artista pop: será que é preciso cantar ao vivo ou apenas mexer o bumbum? Mais tarde, Britney se tornaria a rainha do gênero "performance acima do canto". E ainda seria seguida por muitas outras.

Dream Within a Dream Tour 

Ainda imbatível em vendas e já considerada a grande princesinha do pop, Britney estreou o até então o mais caro espetáculo de um artista pop em novembro de 2001. O show foi concebido para ser todo teatral e tinha inspiração direta no Cirque du Soleil e em outros espetáculos conhecidos.

O nome, Dream Within a Dream (Sonho dentro de um Sonho) foi inspirado em um poema de Edgar Allan Poe, e, como Britney ainda usava seu ar virginal para fazer a sua campanha pessoal, o espetáculo carrega muitas inspirações em contos de fada e na realização de sonhos impossíveis. Apesar disso, a popstar já apresentava uma aura mais madura com seus figurinos sexy e uma forma física que ela jamais recuperaria.

Pai de Britney Spears não vai desistir de tutela da cantora

Ainda sofrendo com os rumores de dublar, Britney regravou todo o áudio das faixas no próprio palco e em algumas apresentações ela até se arriscava a cantar as introduções. Ainda assim, este não era o intuito do show, que focava muito mais na dança do que no canto.

Por conta da enorme estrutura, a turnê não chegou a atravessar os oceanos e só passou por Tóquio, graças à um contratante que se dispôs a pagar os custos do espetáculo, que foi um sucesso. A turnê chegou a arrecadar quase US$ 60 milhões. 

The Onyx Hotel Tour 

Em novembro de 2003, Britney lançou seu álbum que marcou a sua carreira na época, o In The Zone. 

Se antes Britney ainda tocava na tecla de “menina mulher”, agora a popstar se mostrava muito mais madura, abordando temas como a masturbação feminina na música Touch of My Hand e também na possibilidade de sair e transar com um desconhecido em The Hook Up.

Toda essa atmosfera mais sensual teve início no VMA de 2003, quando ela, cantando ‘Like a Virgin’, da Madonna tascou um beijão de língua na cantora durante a performance em frente às câmeras. 

Nesta época, apesar de já não executar vendas astronômicas, a nova Britney levantava muitas polêmicas e aparecia muito mais na mídia do que a antiga. Foi essa mudança de atitude que gerou a Onyx Hotel Tour, a quarta turnê da cantora.

Posteriormente, o show ganhou elementos do cabaré, dos circos europeus e até o toque ingênuo do começo da carreira de Britney, quando, por exemplo, ela performava Shadow numa espécie de cenário de contos de fadas.

Em singles como Touch of My Hand e Breathe on Me, a cantora provocava com uma lingerie, enquanto se esfregava em um dançarino de cueca. Mas no recente documentário, I Am Britney Jean, exibido pelo canal E!, Britney admite que, se fosse hoje, não seria "tão promíscua".

No entanto, a turnê, que já vinha recebendo críticas por acusações de preguiça da cantora, principalmente pelas vezes que ela chegou a diminuir o espetáculo pela metade, acabou sendo cancelada antes de seu final anunciado. Isso porque Britney machucou o joelho durante as gravações do clipe Outrageous e foi recomendada a repousar por meses antes de voltar aos palcos.

The Circus Starring: Britney Spears

Durante os cinco anos depois da Onyx Hotel Tour, Britney passou por poucas e boas. Depois de um casamento conturbado com Kevin Federline, a chegada de dois filhos, uma surra nos paparazzi, uma cabeça raspada, um surto que resultou no descobrimento de uma crise bipolar e até mesmo uma tentativa de suicídio, a cantora estreou em março de 2009 com a promessa de se tornar o grande retorno da cantora aos palcos.

Muito se falou sobre a turnê, que recebeu algumas ações de divulgação e performances prévias, como no famoso programa americano Good Morning America e até na TV europeia. Para começo de conversa, Britney estava magérrima depois de aparecer quase sempre fora de forma em frente aos paparazzi nos últimos anos.

Pai de Britney Spears luta para ser tutor da cantora novamente

A turnê marca também o momento em que seu pai, Jamie Spears, assumiu a guarda da cantora, já que os médicos e a Justiça afirmaram que ela não tinha condições mentais de administrar a fortuna e a carreira por conta própria.

Todo inspirado no álbum Circus e no conceito dos grandes circos, o palco do show contava com uma plataforma giratória em 360 graus e tinha direção geral de Jamie King. O show recebeu muitas críticas positivas. Mesmo assim, muito se falou sobre a falta de energia nas performances da cantora, diferente do que ela mostrava em anos anteriores.

A turnê terminou na Austrália em 29 de novembro de 2009, e se os americanos e europeus não reclamaram do playback, por lá foi bem diferente. O governo do país chegou a cogitar um aviso por escrito nos flyers da turnê e nos ingressos dizendo que o concerto não era cantado ao vivo – e, portanto, as pessoas poderiam ser reembolsadas caso não fossem alertadas.

Segundo a imprensa local, muita gente deixou o espetáculo reclamando não só do canto fingido, mas também da falta de interação de Britney com a plateia.

Femme Fatale Tour

Considerada a pior turnê da carreira de Britney Spears, a Femme Fatale só aconteceu graças à um contrato da equipe da cantora com a gravadora Jive e a Live Nation, que previa um espetáculo para divulgar o mais recente álbum da popstar, que derrapou nas vendas.

Sem muita inspiração, a turnê tinha como base as pistas de dança e chegou até a causar uma certa animação quando alguns vídeos postados no Youtube indicavam que Britney cantava a maioria das canções. A cantora até chegou a usar uma série de bases gravadas para fazer suas introduções musicais, mas desistiu delas no meio do caminho. No Brasil, quando ela se apresentou em duas datas, o concerto foi todo em playback.

A performance da cantora foi tão criticada que muitos dos ingressos tiveram que ser vendidos em sites de descontos. No Brasil, não foi diferente: menos de 60% do público esperado nas apresentações no Rio de Janeiro e em São Paulo.

Piece of Me e Live in the concert

Live in Concert foi a nona e última turnê da cantora, uma adaptação da residência em Las Vegas de Britney: Piece of Me. Spears performou em cinco países pela primeira vez: Filipinas, Taiwan, Tailândia e Israel, além do território de Hong Kong.

Rumores de uma turnê mundial começaram em agosto de 2016, coincidindo com o lançamento do nono álbum de estúdio de Spears, Glory, quando Spears expressou vontade de performar internacionalmente de novo. Em março de 2017, depois de inúmeras publicações vazarem informações da turnê, ela confirmou marcando as datas nas Filipinas e Israel. Nas semanas após o anúncio, Spears revelou novas datas no Japão, Tailândia, Taiwan e Hong Kong.

Tal como em 2016 O Setlist foi remodelado para as fases Norte Americana e Europeia recebem um novo setlist onde algumas canções como foram retiradas e substituídas por músicas dos álbuns mais recentes, como "Britney Jean" e "Glory".

#FreeBritney

Como já citado anteriormente, quando Britney Spears saiu do hospital após a tentativa de suicídio, ela foi colocada (inicialmente, temporariamente; depois, permanentemente) sob a curatela de seu pai, Jamie Spears, que passou a tomar todas as decisões legais por ela – como onde morar, para onde viajar, como trabalhar, e até se vai ou não sair de casa.

Desde 2008, Britney está sob o comando do pai. Parece bastante com o trabalho dos parentes no começo da vida de alguém… Só que, neste caso, a cantora já é uma adulta multimilionária. Segundo o El País, Jaime recebe um salário de US$ 180 mil, mais despesas com aluguel e outras contas (definidas por um tribunal). Além disso, o empresário recebe 1,5% dos ganhos da residência em Las Vegas da cantora.

Para Britney, não sobra muito. Em março de 2008, a pop star começou a receber uma mesada de US$ 1,5 mil por semana, o mesmo valor até hoje, ainda segundo o El País, para gastos pessoais. 

'Britney é suscetível a influências indevidas', diz ex-funcionário

No entanto, em março de 2019, a US Weekly noticiou que a questão da tutela estava sendo revista, já que Britney demonstrava estar ótima, com uma vida saudável, namorando e tomando conta dos filhos. Mas, em novembro, vieram os problemas. Britney anunciou o cancelamento de sua residência de shows “Domination”, alegando direcionar sua atenção para a vida pessoal: o pai estava muito doente e havia quase morrido. Um mês depois, em Abril, o TMZ revelou que Britney Spears estava internada em uma clínica psiquiátrica. Segundo a notícia, a internação foi motivada por uma transição de medicamentos tarja preta. Mas não demorou muito para surgirem informações extraoficiais, dando a entender que ela havia sido internada involuntariamente, por ordem do pai.

Entre polêmicas e polêmicas, a custódia de Britney vinha sendo avaliada.

No início de 2020, e até a metade dele, centenas de artistas e milhares de outras pessoas começaram a entrar na onda do movimento Free Britney, que pede a libertação da mulher das limitações feitas há mais de uma década – e consideradas ultrapassadas. 

Advogado diz que movimento #FreeBritney não é conspiração
Britney Spears quer tornar público seu processo de tutela

Durante uma audiência no começo de novembro, realizada para determinar se Jamie Spears permanecerá como co-conservador do espólio de Britney, o advogado da cantora, Samuel D. Ingham III, disse no tribunal que “a minha cliente me informou que tem medo de seu pai. Ela também afirmou que não se apresentará enquanto seu pai estiver no comando de sua carreira. Estamos realmente em uma encruzilhada."

Mesmo assim, a juíza Brenda Penny finalmente decidiu não suspender Jamie, embora ela tenha dito que o assunto pode ser discutido mais adiante 'no futuro'. 

No pedido original de Britney para que seu pai fosse removido de seu cargo, foi alegado que ela queria que a Bessemer Trust Company, que atualmente detém o cargo em conjunto, se tornasse a única administradora de suas finanças. Os documentos do tribunal explicaram que a estrela de 38 anos – que tinha outra pessoa no controle de seus assuntos pessoais e financeiros desde 2008 – foi informada que sua empresa de gestão, Tristar Sports and Entertainment Group, havia renunciado a representá-la em 28 de outubro e alegou que Jamie então contratou Michael Kane, da Miller Kaplan, para assumir o comando sem avisá-la ou dar a ela a chance de entrevistar, revisar os termos de sua contratação ou considerar alternativas.

Vamos ficar de olho para o que acontece mais para frente. Por enquanto, é importante celebrar e homenagear a estrela do pop que marcou a vida de tanta gente.