Notícias às 00:00

Caco Ciocler faz filme político e ataca conservadorismo

Divulgação

O galã Caco Ciocler anda gostando cada vez mais de também ser diretor no cinema. Seu trabalho mais recente é o documentário A Partida, que mostra como o pensamento político da atriz Georgette Fadel foi construído.

O ator usa o filme para atacar o conservadorismo. Segundo ele, as pessoas ficam retrógradas quando sentem medo do novo e da mudança para melhor da sociedade.

O filme estreou na 43ª Mostra Internacional de Cinema, em São Paulo, e ainda foi exibido no 21º Festival do Rio, além de ter ganhado quatro prêmios no 14º Fest Aruanda, em João Pessoa.

Na produção, a atriz viaja de ônibus ao Uruguai após a vitória de Bolsonaro, para encontrar José Mujica, o presidente de esquerda que colocou o Uruguai entre os países mais civilizados do mundo, com a liberação da maconha inclusive.

“O documentário foi gravado em seis dias. Saímos no dia 26 de dezembro e chegamos no Uruguai no dia 31, que era o nosso objetivo”, disse ao ator ao site Glamurama.

Caco falou que o processo de edição foi trabalhoso. Por conta da pandemia, o filme não estreou nos cinemas e foi direto para as plataformas de streaming.

Ele ainda revelou que se dedica ao projeto Lista Fortes, que divulga empresas que doaram 1% do rendimento líquido de 2019 para ajudar funcionários e consumidores afetados pelo novo coronavírus.

Caco definiu como “uma tristeza” a vitória de Jair Bolsonaro (sem partido) como presidente do Brasil.

Caco Ciocler sobre chuvas: '8 horas preso em um ônibus'


Caco Ciocler estrela o longa-metragem Boni Bonita