Notícias às 08:00

Conheça 10 fatos sobre os filmes do caso Richthofen

Divulgação

Em 2002, o casal de namorados Suzane von Richthofen e Daniel Cravinhos chocou o Brasil ao se declararem culpados pelo brutal assassinato dos pais de Suzane. Ao longo do julgamento deles, esse caso é revisitado em busca de respostas sobre os motivos do casal para cometer essa atrocidade. Agora, em 2020, dois filmes, lançados simultaneamente, mostrarão pontos de vista opostos dos assassinos: O lado de Suzane e a visão de Daniel.

Com data marcada para estrear dia 2 de abril, algumas curiosidades sobre os filmes foram reveladas pela Galeria Distribuidora e a Santa Rita Filmes.

A Galeria Distribuidora e a Santa Rita Filmes divulgam 10 fatos sobre os longas “A Menina que Matou os Pais” e “O Menino que Matou Meus Pais”. A estreia nos cinemas está marcada para 2 de abril.
 
Confira:
 
1. Suzane, os irmãos Cravinhos ou qualquer outra pessoa retratada nos filmes não receberão dinheiro da produção, direitos autorais ou terão qualquer tipo de participação no resultado do filme.
 
2. Nem a produção, nem os atores dos filmes tiveram qualquer contato com Suzane von Richthofen, Daniel e Cristian Cravinhos.
 
3. Os filmes foram produzidos 100% com investimento privado, sem a utilização de verba pública.
 
4. Os filmes são uma adaptação cinematográfica, baseados em uma história real, desenvolvida a partir das informações que constam nos autos do processo, em especial nos depoimentos dos envolvidos.
 
5. Nenhum dos dois filmes inocenta ou enaltece Suzane e/ou Daniel, assim como também não romantiza ou glamouriza os assassinatos.
 
6. A produção não defende nenhum dos lados da história e deixa ao público a interpretação dos fatos e das versões.
 
7. São dois filmes de 80 minutos cada, com versões da história totalmente diferentes, que serão lançados no mesmo dia.
 
8. “A Menina que Matou os Pais” conta a versão de Daniel Cravinhos, e “O Menino que Matou Meus Pais” conta a versão de Suzane von Richthofen.
 
9. Não existe uma ordem correta para assistir aos filmes. Mas a experiência só é completa assistindo a ambos.
 
10. Para que todos possam ter a experiência completa assistindo aos dois filmes, teremos valores e promoções especiais que serão divulgados em breve.
Confira:
 
1. Suzane, os irmãos Cravinhos ou qualquer outra pessoa retratada nos filmes não receberão dinheiro da produção, direitos autorais ou terão qualquer tipo de participação no resultado do filme.
 
2. Nem a produção, nem os atores dos filmes tiveram qualquer contato com Suzane von Richthofen, Daniel e Cristian Cravinhos.
 
3. Os filmes foram produzidos 100% com investimento privado, sem a utilização de verba pública.
 
4. Os filmes são uma adaptação cinematográfica, baseados em uma história real, desenvolvida a partir das informações que constam nos autos do processo, em especial nos depoimentos dos envolvidos.
 
5. Nenhum dos dois filmes inocenta ou enaltece Suzane e/ou Daniel, assim como também não romantiza ou glamouriza os assassinatos.
 
6. A produção não defende nenhum dos lados da história e deixa ao público a interpretação dos fatos e das versões.
 
7. São dois filmes de 80 minutos cada, com versões da história totalmente diferentes, que serão lançados no mesmo dia.
 
8. “A Menina que Matou os Pais” conta a versão de Daniel Cravinhos, e “O Menino que Matou Meus Pais” conta a versão de Suzane von Richthofen.
 
9. Não existe uma ordem correta para assistir aos filmes. Mas a experiência só é completa assistindo a ambos.
 

10. Para que todos possam ter a experiência completa assistindo aos dois filmes, teremos valores e promoções especiais que serão divulgados em breve.