Notícias às 17:26

Di Ferrero sobre coronavírus: ‘Estou curado’

Reprodução/Instagram/@diferrero

Na última quinta-feira (19), Di Ferrero realizou uma live em sua conta no Instagram e comentou sobre o seu estado de saúde. O cantor foi diagnosticado com coronavírus no início de março.

"No dia 9 eu fui ao hospital me sentindo mal. Estava sentindo muita falta de ar, já estava com febre. Estou me sentindo bem melhor. Anteontem, parei de tomar meus remédios. Faz dois dias que estou sem remédio. Continuo me cuidando, tomando muita água, vitamina C e cuidando da minha imunidade para ela ficar lá em cima. Minha voz está melhor, meu pulmão está menos cheio e já estou expectorando. Segundo os meus médicos, já estou curado e sem o vírus. Não estou mostrando o exame porque a demanda está muito grande. Se eu for lá fazer o exame, vou tirar a oportunidade de alguém que precisa fazer", disse ele.

Saiba mais sobre o impacto do coronavírus no mundo dos famosos

Casado com a modelo Isabeli Fontana, o artista se mantém isolado em Florianópolis, e aproveitou a ocasião para conscientizar os fãs.

"Já estou há dez dias sozinho. A gente tem que ficar unido (virtualmente) para se juntar depois", afirmou.

Ainda na transmissão, Di comentou sobre um mal entendido que houve com seu nome após o comediante Afonso Padilha fazer uma apresentação e brincar como se o cantor estivesse na plateia.

"Ele é um comediante muito bom. Sempre dou risada das coisas dele. Ele fez um show domingo em Florianópolis, fez umas piadas como se eu tivesse na plateia. Claro que eu não estava. Ele é comediante, estava fazendo uma piada. A galera começou a me xingar como se eu estivesse lá. Entrei em contato com ele. Ele vai tirar (da apresentação). Está sendo solícito em tirar. A galera não entende que é piada. Nestas horas a galera está muito estressada, com os nervos à flor da pele. A galera que está me xingando, pensa bem. Eu cancelei minhas coisas há uns dez dias. Ele falou, se retratou e ele vai tirar. O problema é a gente apontar o dedo para o outro. Estou em casa há dez dias. Tenho como provar", concluiu.

Com coronavírus, Di Ferrero agradece mensagens de carinho

O que é o Coronavírus

 

O Sars-Cov-2 é o mais novo integrante de uma família já conhecida. Ela é formada por vírus que tiveram origem em animais silvestres. Alguns deles infectaram humanos e já causaram outras epidemias. Coronavírus é o nome de uma família desses vírus. O nome vem por conta de os mesmos terem suas estruturas em formato de coroa. Eles costumam circular entre animais, como roedores e morcegos. Mas a doença começou a afetar humanos também. O vírus causador sofre mutações espontâneas e aleatórias, por isso ainda não há uma medicação certeira para combater a doença.

São eles os responsáveis por infecções respiratórias e já provocaram outras doenças.

Como o coronavírus começou a circular

 

O novo coronavírus começou a circular na China em 2019, ganhando um nome temporário de 2019 n-Cov. Depois, ocorreu o “batismo” oficial: SARS-CoV-2, sigla do nome completo em inglês: Severe Acute Respiratory Syndrome Coronavirus 2 (em tradução livre: Síndrome Respiratória Aguda Grave Coronavírus).

De acordo com uma pesquisa, 80% dos infectados são leves e a taxa de mortalidade está entre pessoas idosas. Isso além de portadores de outras doenças, principalmente as cardiovasculares, que podem contrair a versão crítica da Covid-19.

Sintomas

 

De acordo com a OMS (Organização Mundial de Saúde), os sintomas mais comuns do novo coronavírus são tosse seca ou com secreção, febre acima de 37 graus (sendo que em alguns casos a febre não se manifesta, como por exemplo, jovens, idosos, imunossuprimidos (pessoas que nasceram com uma deficiência imunológica) e dificuldade para respirar.

Além desses, podem ocorrer: insuficiência renal, dores no corpo, congestão nasal, inflamação na garganta, diarreia.

Transmissão

 

Pelo ar: a transmissão e recepção podem acontecer pela saliva, catarro e gotículas expelidas pela boca, como o espirro e o catarro, tosse e até mesmo a fala. Essas gotículas entram em contato com a mucosa dos olhos, nariz e boca, causando a infecção.

Por contato: Beijo, abraço, aperto de mão, ou toque em superfícies infectadas, como celular, maçanetas, corrimão, apoios no transporte público, teclas do computador ou outras, botões. Se você estiver infectado, o vírus é altamente transmissível através das suas mãos.

Animais domésticos

Não há afirmações de que animais domésticos possam transmitir o vírus para humanos. Já no final do mês de fevereiro, as autoridades chinesas informaram que um cão de estimação contraiu o coronavírus e seu dono já estava infectado.

Prevenção

 

1 – Uma das prevenções mais eficazes contra o COVID-19 é lavar bem as mãos, incluindo dorso, embaixo das unhas e antebraço, usar álcool gel nos mesmos lugares, imediatamente após a lavagem. O álcool gel forma uma camada protetora e o vírus não resiste a ele, portanto, não consegue se fixar na superfície do corpo. Assim, evita-se de levar o vírus à mucosas. Por exemplo, em caso de alguma coceira, tomando cuidados com a higiene das mãos, ele não consegue se instalar em mucosas como nariz, boca e olhos, locais onde ele busca se instalar e causar todo o transtorno de contágio.

2 – Quando tossir ou espirrar, o melhor a fazer é colocar o cotovelo na boca. Nunca as mãos.

3 – Limpar frequentemente objetos de uso diário como computadores, aparelhos telefônicos, celulares, chaves do carro, maçanetas, volante do carro etc., com álcool gel ou álcool 70.

4 – Não frequentar lugares com multidões.

5 – Não compartilhar objetos de uso pessoal, como copos, talheres, toalhas etc.

6 – Manter distância de, ao menos, 1 metro entre as pessoas, principalmente das que estão com tose ou espirros.

7 – Evitar tocar no rosto antes de realizar a higiene necessária.

8 – Evitar cumprimentar as pessoas com beijo, abraço ou aperto de mãos e, se tiver sintomas de gripe, evitar sair de casa.

9 – Usar lenços descartáveis.

10 – Máscaras: apenas devem ser usadas por pessoas que estão tossindo, com coriza, espirrando ou que esteja com suspeita da doença. Do contrário, ela não previne, pois acabamos mexendo mais vezes no rosto para ajeitá-la e aí pode acontecer a contaminação.

Tratamento

 

Não existe tratamento específico contra o Covid-19, a doença provocada pelo novo coronavírus. Quem estiver infectado, recebe um tratamento que vai aliviar os sintomas. De acordo com o Ministério da Saúde, o tratamento indicado é repouso e dobrar o consumo de água para se hidratar. Ainda não há vacina específica para prevenir a contaminação contra o coronavírus.

As medidas adotadas para aliviar os sintomas são:

1 – Medicamentos para dor e febre (antitérmicos e analgésicos que não contenham ibuprofeno). Sempre com o acompanhamento médico, que saberá exatamente qual medicação é a correta.

2 – Umidificador no quarto ou banho quente para aliviar a dor de garanta e tosse.

3 – Não se automedicar: remédios que contenham ibuprofeno, por exemplo, não podem ser usados em caso de suspeita do coronavírus. Tudo deve ter a recomendação médica.

Aplicativo

 

O Sus disponibilizou um aplicativo que auxilia com dicas de cuidados para a prevenção da doença, além de fazer uma avaliação online sobre seu estado de saúde e mostra locais de atendimento mais próximos. Basta baixar no celular o Coronavírus SUS. Há também um telefone disponibilizado pelo Ministério da Saúde, o Dique Saúde. Basta ligar 136.

Isabeli Fontana testa negativo para coronavirus