Notícias às 08:00

Eu, Tonya: Confira 7 curiosidades sobre o filme que estará nas telas da Globo

Divulgação

Neste mês de abril, a TV Globo terá uma programação de filmes inéditos para os telespectadores. Em uma chamada narrada por Tiago Leifert, longas como Batman: O Cavaleiro das Trevas e Zootopia: Essa Cidade é o Bicho apareceram dentro da grade de exibição. Mas um filme chamou a atenção: Eu, Tonya.

Lançado em 2017, o longa-metragem dirigido por Craig Gillespie dialoga com o documental e o ficcional para narrar a trajetória de Tonya Harding, patinadora no gelo norte-americana que foi de promissora a odiada no país nos anos 1990, depois que Nancy Kerrigan – sua principal oponente no esporte – teve um de seus joelhos atingido por um golpe com um bastão de metal. Na época, Jeff Gillooly, então esposo de Tonya, foi o principal suspeito.

Irreverente, perfeccionista, determinada, Harding teve o sonho interrompido em razão de um ataque contra uma “inimiga”, mas os supostos problemas pessoais com relacionamentos conturbados, tanto pelo lado familiar quanto amoroso, já impactavam o futuro da atleta.

Indicado a três categorias do Oscar 2018, tendo levado a estatueta de Melhor Atriz Coadjuvante com Allison Janney, Eu, Tonya conta com Margot Robbie no papel principal e possui algumas “fofocas” de bastidores que dão toques especiais à produção.

Conheça Steven Yeun, candidato ao Oscar de Melhor Ator

Vem conferir com a gente!

 

Penteado com cerveja

Para não danificar os cabelos naturais, Margot Robbie precisou usar perucas, porém, os profissionais da caracterização tiveram que usar um produto nada convencional a fim de dar a textura ideal aos fios artificiais: cerveja! Isso porque os produtos disponíveis não davam o resultado que queriam.

Em uma entrevista para o site The Hollywood Reporter, a cabeleireira Adruitha Lee disse que apelou para cerveja barata para moldar as perucas porque só conseguiria o visual único de Tonya usando produtos não convencionais.

Será que rolava cheiro de cevada durante as gravações?

Tudo ficção

Margot tinha apenas quatro anos quando o escândalo envolvendo Tonya Harding tomou proporções midiáticas. E ela morava na Austrália, seu país natal, por isso não tinha conhecimento do caso e acreditava que toda a história do filme era inventada até que recebeu o roteiro final.

Daniel Radcliffe volta ao cinema com Sandra Bullock

Nancy Kerrigan na produção

A ex-patinadora Sarah Kawahara foi contratada para ensinar as coreografias à Margot Robbie e às outras atrizes. O interessante é que Sarah foi treinadora de Kerrigan para um evento de televisão em 1995, o Nancy Kerrigan Special: Dreams on Ice, além de ter sido responsável pela coreografia da Olimpíada de Inverno de Salt Lake City, em 2002.

Craig Gillespie, antes de ser um diretor de cinema, também trabalhou com Kerrigan  no período em que ela atingiu o auge no esporte. Gillespie dirigiu um comercial para uma marca de sopa com Nancy como protagonista.

Allison Janney: a musa inspiradora

Steven Rogers, autor do roteiro, é amigo de longa data de Allison Janney, atriz que deu vida à LaVona Golden, mãe de Harding, e escreveu o papel com Janney em mente. Como não havia muitas informações concretas sobre LaVona, ele pensou na amiga e tomou a liberdade criativa em molda-la para Golden.

Na cerimônia do Globo de Ouro em que ela foi premiada, a atriz agradeceu a Rogers.

Teste animal

Durante os testes para atores e atrizes, três três pássaros passaram pela experiência com a atriz Allison Janney para ver qual ficaria mais calmo em seu ombro durante as cenas de entrevistas nas quais ela aparece com o bichinho de estimação.

Em uma entrevista para o The Huffington Post, ela disse que tinha que escolher um periquito que ficasse quieto em seu ombro, mas que parecesse ter uma relação íntima e antiga com a personagem. Depois dos testes, escolheu o que era chamado Little Man.

Projeto de ouro

Em 2005, o executivo cinematográfico Franklin Leonard criou a The Black List, que é uma publicação anual cujo objetivo é listar os melhores roteiros independentes oferecidos aos estúdios americanos, mas que não foram aceitos.

O trabalho criou notoriedade e transformou história em filmes aclamados, como Quem Quer Ser um Milionário? (2008), Argo (2012) e O Discurso do Rei. Em 2016, Eu, Tonya estava nessa lista ao lado de The Post.

Margot Robbie brilhou vivendo a estrela da patinação de gelo Eu, Tonya

Acidente nas filmagens

Por conta dos movimentos exaustivos de patinação no gelo aos quais a atriz não estava acostumada, Margot Robbie sofreu uma lesão de hérnia de disco próxima ao pescoço, o que a fez pensar em deixar o filme. 

“Como eu era produtora, eu ficava pensando: ‘Não podemos pagar por isso’, então faça algumas infiltrações e vamos continuar”, disse ela ao SAG-AFTRA. Durante as filmagens, ela passava por ressonâncias magnéticas todas as semanas para confirmar se poderia gravar ou não.

Tudo o que sabemos sobre a grande festa do Oscar na Pandemia