Notícias às 09:00

Ex-secretário privado da Princesa Diana reage à entrevista de Meghan

Reprodução/Instagram

Patrick Jephson, ex-secretário particular da princesa Diana, que trabalhou com ela de 1987 a 1996, comparou o rompimento do duque e da duquesa de Sussex com a família real ao relacionamento fraturado entre a falecida princesa e a realeza ao longo das décadas de 1980 e 1990. 

Patrick, que também era chefe de gabinete de Lady Di, disse à CNN em uma entrevista que lamenta pelo que Harry está passando: 

"Trinta anos atrás, estávamos em uma situação comparável, em que brechas estavam se abrindo dentro da família real e começando a aumentar", relembrou. 

Foi uma escalada que levou, é claro, à separação da Princesa de Gales e ao eventual divórcio do Príncipe Charles e seu afastamento da Casa de Windsor. 

"Havia muitas pessoas infelizes envolvidas naquela época. Tenho certeza de que também há muitas pessoas infelizes envolvidas agora", disse Jephson, acrescentando: "No meio disso tudo estão pessoas reais que realmente estão sofrendo", observou. 

"Espero que haja a intervenção de todas as pessoas bem-intencionadas para ajudar Harry e Meghan a se estabelecerem em suas novas vidas e ajudar a curar as feridas que surgiram com a maneira como eles saíram", comentou o homem, hoje com 67 anos. 

No entanto, ele não parece otimista sobre as consequências da entrevista explosiva do casal com Oprah Winfrey: 

“A precedência de entrevistas reais deste tipo não é muito encorajadora. Tanto o príncipe Charles como a princesa Diana e, mais recentemente, o príncipe Andrew tentaram mostrar seu lado da história na televisão por meio desse tipo de entrevistas e, em todos os casos, eles fracassaram". 

Foi durante essa entrevista que Harry revelou que só conseguiu se libertar da família real graças à herança que Diana lhe deixou. 

Ele disse que a família real o cortou financeiramente quando ele e Meghan decidiram se afastar de seus papéis, além de eliminar a segurança da família Sussex: 

"Mas eu tenho o que minha mãe me deixou e, sem isso, não poderíamos ter feito isso. Acho que ela previu", disse Harry, referindo-se à sua separação da realeza. 

Cabe recordar que quando Diana morreu em seu testamento, ela foi clara, deixando a maior parte de sua fortuna para o filho mais novo. Harry se beneficiou mais: ela deixou US$ 40 milhões para Harry e US$ 15 milhões para William. 

 

Relembrando Diana

 

De acordo com a mídia britânica, Meghan Markle mais uma vez fez referência à sua falecida sogra, a princesa Diana, em sua nova aparição pública. 

No domingo, 7 de março, vai ao ar a tão esperada entrevista que o duque e a duquesa de Sussex deram a Oprah Winfrey, que será transmitida pela CBS e, para a importante ocasião, Meghan usou uma pulseira que pertenceu à mãe do príncipe Harry. 

Além de chamar a atenção para o lindo vestido Armani de US$ 4.700  (R$ 26.600) que ela escolheu, a Duquesa usava a pulseira de diamantes de Diana em seu braço esquerdo. 

Meghan também escolheu outras joias para compor seu visual, e também apareceu usando uma pulseira Cartier Love, que Harry supostamente deu a ela no último Dia dos Namorados e que custa US$ 6.550 (R$ 37 mil). 

Outro acessório que a mãe de Archie usava eram brincos de topázio azul da Birks, uma rede da marca canadense de Pippa Small. 

A propósito, Pippa Small era até recentemente uma empresa de jóias, que Meghan Markle começou a usar em agosto de 2017. 

A Duquesa de Sussex possui diversas peças entre anéis, brincos e colares desta joalheria, que recebeu diversos prêmios devido aos valores sobre os quais a filosofia da marca é construída.

Pai de Meghan Markle não acredita em racismo na família real citado pela filha
Rainha Elizabeth II quebra silêncio e avisa que racismo será investigado