Notícias às 08:00

Irene Ravache: ‘Resista à tentação de abraçar os netos’

João Caldas/Divulgação

Um das atrizes mais queridas e respeitadas do Brasil, Irene Ravache, que no começo do ano viveu a Tereza na novela Éramos Seis (Globo), passa a quarentena em sua casa, em São Paulo, na companhia do marido, o jornalista Edison Paes de Melo. Entre as tarefas doméstica, leituras, filmes e séries, ela ainda encontra fôlego para preparar uma nova aventura em terrenos digitais.

Assim como tantos outros artistas, a grande atriz de 75 anos navega pela primeira vez pelas possibilidades de atuação no teatro digital. Ela faz, nesta sexta (17), a partir das 21h30, sua peça solo Alma Despejada, no projeto Sesc Ao Vivo. A obra tem texto de Andrea Bassitt e direção de Elias Andreato.

No espetáculo, que ficou em cartaz com sucesso na capital paulista no ano passado e no começo deste ano até o fechamento dos teatros pela quarentena, Irene dá vida a Teresa, fantasma de uma mulher de classe média emergente que volta à casa onde viveu para rememorar a vida sacudida pelos acontecimentos políticos.

Irene conversou com exclusividade com o jornalista Miguel Arcanjo Prado para OFuxico sobre este momento delicado que vivemos, falou de sua peça em formato digital e ainda deu dicas para enfrentarmos esta quarentena: "Resista à tentação de abraçar os netos". Leia o bate-papo.

OFuxico – Como você vem encarando este período tão delicado que vivemos?
Irene Ravache –
Com tranquilidade para poder absorver e entender as informações, preocupada com aqueles que precisam fazer uso do transporte público, quase sempre lotado, indignada com a falta de condições que muitos médicos e enfermeiros enfrentam para cuidar e salvar vidas.

OF – Qual a expectativa de fazer teatro digital? O que acha dessa nova possibilidade?
Irene Ravache –
Estou aprendendo essa nova linguagem que não é Teatro, nem o Tele-Teatro que fazíamos na década de 1960. Acredito que seja uma possibilidade de mantermos um diálogo, mas essa resposta quem dará será o público.

OF – O que este texto tem que lhe conquistou?
Irene Ravache –
Poesia, Inteligência, Humor e Delicadeza. Parece pouco? Então, tá!

OF – O que você tem feito nesta quarentena, como tem sido seus dias?
Irene Ravache –
Voltei para a Cozinha de onde nunca deveria ter saído. Sigo encantada com a beleza e os ensinamentos de Rita Lobo! É aconchegante lembrar das receitas das avós, das brincadeiras com os primos e com os afetos. Lavo louça, arrumo a casa. Não passo roupa, não sei e não gosto. Leio bastante. Estou terminando uma biografia do diretor de cinema Federico Fellini e “esticando” as últimas páginas de tão fascinante que é. Acabamos de assistir a série After Life, indicação da minha colega Jandira Martini. Para quem gosta de humor inglês é o que há!  E também filmes, documentários, músicas e entrevistas pela internet. Evidente que é muito mais fácil e confortável para as pessoas que têm condições. Mas ainda assim é uma escolha. Minha mãe era muito pobre, lia livro emprestado e aprendeu a ouvir música clássica no rádio de segunda mão que comprou de um vizinho. Foi a escolha dela.

OF – Qual dica você daria ao seu público no enfrentamento deste período que vivemos?
Irene Ravache –
Procure ter paciência com os outros e, principalmente, com você. Tento aprender com a minha psicóloga Alicia Cobelo que esse não é o melhor momento para ser perfeccionista. Quem for do grupo de risco, que é o meu caso, fique em casa. Se for inevitável sair, use máscara e separe roupa e calçados só para isso. Mantenha a distância recomendada. Leve o seu álcool gel. E o mais difícil, resista à tentação de abraçar os netos.

Gabriela Duarte prestigia Irene Ravache no teatro


As 3 Lolas de Éramos Seis se encontrarão no Fantástico