Notícias às 11:00

Marcela Mc Gowan sobre Karol Conká: ‘Que seja acolhida’

Reprodução/Instagram – Divulgação/TV Globo

Na última terça-feira (23), Karol Conká foi eliminada do Big Brother Brasil 21, da Rede Globo, com uma rejeição histórica. A cantora teve 99,17% dos votos.

Em seu Instagram Stories, Marcela Mc Gowan comentou sobre o caso.

"A Karol saiu. Neste tempo que ela esteve na casa, recebi todo tipo de cobrança, de comentários ruins em foto de trabalho que eu tinha com ela, enfim. Eu evitei ao máximo falar de qualquer coisa, porque não tenho nem saúde mental para hate depois do que passei no ano passado", disse ela.

Saiba tudo o que rola no BBB21

Em seguida, a ex-BBB afirmou que não gostou da postura de Karol dentro do reality.

"Passar pano é você não reconhecer atitudes erradas. Não achar ou dizer para a pessoa que não tem nada de mal nisso. É o contrário. Ela teve vários erros no programa, várias atitudes".

A médica também comentou que algumas atitudes da rapper pode ter relação com a forma que ela foi criada.

"Muitas vezes a gente oferece, reage de maneiras que a gente aprendeu na vida. Não sei quais foram as vivências da Karol, não sei quão dura ela teve que ser na vida dela para conseguir as coisas, para se impor. Não justifica alguns comportamentos, mas a gente é moldado pela nossa convivência, pela nossa bolha e a gente age e reage de acordo com essas coisas".

BBB21: Sarah desconfia e fica com o 'pé atrás' com Carla Diaz e Thaís

Linchamento virtual

 

Marcela disse ainda que deseja que Karol possa aprender com tudo que aconteceu.

"Desejo muito que ela olhe para tudo isso aqui fora, para que se cure dessas questões, trabalhe essas questões que precisa trabalhar, entenda esses erros, utilize isso para seu cresciment".

As duas trabalharam juntas no programa Prazer Feminino, da GNT, e Marcela conheceu uma versão diferente da artista.

BBB21: 'Fiquei muito magoado', diz Gilberto sobre Caio


"Eu conheci uma versão de Karol super divertida. Muitas pessoas conhecem uma versão maravilhosa, dela. Sei que ela cuida da mãe, do filho dela. Ela tem uma família aqui fora e tinha construído uma carreira".

A ex-BBB opiniou também sobre o linchamento virtual e a cultura do cancelamento.

"Eu nunca vou conseguir concordar com a felicidade ou com a tranquilidade das pessoas em ver a vida de outra pessoa sendo destruída. Uma coisa é você não querer ver no jogo e eu também não queria, porque acho que é um reflexo. A gente aprende a pagar por nossas atitudes, quando você toma uma atitude principalmente em rede nacional. Mas aqui fora, chega. Que agora ela tenha o espaço dela de entender tudo isso, que seja acolhida com amor pelas pessoas que estão próximas dela, que tenha o espaço de aprender, entender, crescer e sarar o que precisar sarar. E que as pessoas deixem ela viver a vida dela a partir de agora".

BBB21: 'Vão ser alvo dos dois grupos', diz Juliette sobre posicionamento de Caio e Rodolffo

Haters

A médica também refletiu sobre o ódio disseminado na internet.

"Não adianta a gente ter textão de Setembro Amarelo, de ter discurso progressista de reabilitação das pessoas, de a gente se considerar empático, de considerar nada se no fundo da nossa alma torce pelo mal de alguém. Uma coisa é torcer pelo jogo e outra coisa é torcer pelo mal de outras pessoas, que vai refletir em outras que não tem nada a ver, como a família. Para a Karol, desejo que siga a vida dela feliz. Que seja acolhida, mas que aprenda e se responsabilize por tudo isso, aprenda, cresça, fique bem e feliz. Essa lógica de vilão na novela não se aplica na vida real", concluiu.

BBB21: Projota quer usar Gil para 'se unir aos inimigos'