Notícias às 14:24

Marcelo de Carvalho, da RedeTV!, tira sarro da Globo e da Folha após morte de Lázaro Barbosa

Marcelo de Carvalho durante o programa Mega Senha, da RedeTV!

Marcelo de Carvalho durante o programa Mega Senha, da RedeTV! (Reprodução/RedeTV!)

Nesta segunda-feira (28), o criminoso Lázaro Barbosa foi capturado pelo polícia de Goiás e morto após troca de tiros. Obviamente, o caso deu muita repercussão na web e o apresentador e sócio-fundador da RedeTV!, Marcelo de Carvalho, não deixou de falar disso.

Ele aproveitou a ocasião para tirar sarro com a situação, debochando de outros veículos de imprensa como a TV Globo e a Folha de São Paulo.

“Segundo a Globo, Lázaro morre de COVID e a culpa é de Bolsonaro que vai ser convocado pela CPI para explicar. Segundo a Folha, cidadão de bem sobre o qual pairavam suspeitas é exterminado covardemente pela polícia”.

Lázaro Barbosa é morto após troca de tiros

Depois da informação que Lázaro Barbosa havia sido preso pela Polícia Civil de Goiás, como disse o governador Ronaldo Caiado, as autoridades informaram que ele foi baleado, após troca de tiros, e foi morto. As informações são da TV Globo.

Lázaro Barbosa é capturado

O assassino foi capturado nesta segunda-feira (28). A operação acontecia há 20 dias, envolvendo mais de 250 policiais, em Goiás.

“Acabo de receber neste momento uma informação de todas as equipes que estão na região de Cocalzinho que o Lázaro foi preso”, disse o governador de Goiás, Ronaldo Caiado.

Veja+: Lázaro Ramos mostra reação inusitada ao ter nome associado a serial killer de Goiás

“Como eu disse, era questão de tempo até que a nossa polícia, a mais preparada do País, capturasse o assassino Lázaro Barbosa. Parabéns para as nossas forças de segurança. Vocês são motivo de muito orgulho para a nossa gente! Goiás não é Disneylândia de bandido”, acrescentou o governador Ronaldo Caiado em uma rede social.

Lázaro Barbosa é condenado por vários crimes

Lázaro Barbosa, de 32 anos, é fugitivo da Justiça e condenado por assassinatos e estupros. Ele também é acusado da morte de quatro pessoas de uma família em Ceilândia, no Distrito Federal, e de um caseiro de uma fazenda no distrito de Girassol, em Goiás.