Notícias às 17:48

Murilo Couto faz ‘piada’ de atropelamento de ciclistas e instituições pedem providências

Murilo Couto subindo uma escada e acenando

Murilo Couto (Reprodução/Instagram)

No último final de semana, o humorista Murilo Couto fez mais um de seus shows de humor, mas uma piada em específico fez com que ele fosse muito criticado. Em um trecho da apresentação, Murilo fez uma “piada” sobre o atropelamento de ciclistas no trânsito.

Nas imagens, ele “brinca” com um espectador ao descobrir que ele é ciclista. Primeiramente, ele começou de forma mais leve, comentando das roupas coladas ao corpo e as posições que os ciclistas ficam nas bicicletas.

Porém, ao falar do fato de ciclistas dividirem as pistas que carros – algo que inclusive está no Código Brasileiro de Trânsito pela lei nº 9.503 – ele, de certa forma, defendeu o atropelamento dos ciclistas.

“… no caso de ciclista, eu dou razão ao motorista de ônibus que atropela, porque eles (ciclistas) atrapalham, já que ônibus andam a 80km/h e ciclistas a 20 km/h”, disse Murilo.

Obviamente que não demorou para o caso repercutir de forma negativa e vários grupos de ciclistas se pronunciaram sobre o assunto. O perfil União dos Ciclistas repudiou a fala do humorista.

“É inadmissível a expressão de discursos que incentivem o ódio e a violência contra quem quer que seja. Ficamos alarmados que uma pessoa pública estimule que um motorista possa vir a ferir ou matar um ciclista”, dizia um trecho da nota.

Já a Associação Brasileira do Setor de Bicicletas contou que não cabe a eles medir os “limites do humor”, mas que pode ser entendido como uma “incitação ao crime”.

“As falas do humorista atravessam como um afiado punhal os corações de milhares de famílias em luto e em busca de justiça por crimes de trânsito que são ainda ignorados pelas nossas polícias, ministério público e sistema judicial.

Não nos cabe dizer quais são os limites do humor, mas sim alertar que, quando se trata da vida e da sobrevivência de pessoas, o efeito imediato das falas do Sr. Murilo Couto é a banalização das mortes. Sim, uma piada pode promover mais mortes, classificando a atitude do humorista como incitação ao crime (art. 286 do Código Penal) e discurso de ódio, travestidos de ‘humor’”, dizia um trecho do comunicado.

Até o momento, Murilo Couto não se pronunciou sobre o assunto.