Notícias às 07:30

Ouro na vela é tradição nas famílias de Martine e Kahena, entenda!

Foto: Jonny Roriz/ COB

Ao conquistarem mais uma medalha de ouro para a galeria verde e amarela, em Tóquio, nesta terça-feira, 03 de agosto, na baía de Enoshima, a dupla de velejadoras Martine Grael e Kahena Kunze reforçou o nome de suas respectivas famílias no cenário do esporte. As atletas, que mesmo com o terceiro lugar conquistaram a medalha de ouro na classe 49erFX de vela, sabem a “responsa” que carregam.

A dupla brasileira chegou a Tóquio como favorita, mantendo uma tradição familiar na vela. Martine Grael é filha do também bicampeão olímpico Torbel Grael e Kahena Kunze é filha de Claudio Kunze, campeão mundial juvenil nos anos 1980. A família Grael, inclusive, conquistou a nona medalha olímpica somando as cinco de Torben e outras duas de Lars.

Com resultado, Martine e Kahena agora são as primeiras pessoas, entre homens e mulheres, do Brasil a levar dois ouros olímpicos seguidos na vela. Elas entraram em um seleto grupo de atletas brasileiros bicampeões olímpicos. Até então, apenas 13 atletas tinham alcançado esse feito: Torben Grael, Marcelo Ferreira e Robert Scheidt (1996 e 2004) na vela, Adhemar Ferreira da Silva (1952 e 1956) no atletismo, Fabi Alvim, Fabiana, Jaqueline, Paula Pequeno, Sheilla e Thaísa (2008 e 2012), Maurício e Giovane (1992 e 2004), e Serginho (2004 e 2016) no vôlei.

PASSO A PASSO DA VITÓRIA

Na última regata, elas ficaram em terceiro lugar, , com 76 pontos perdidos, mas à frente das adversárias diretas pelo título, as holandesas Annemiek Bekkering e Anette Duetz, que ficaram com o bronze, e as alemãs Tina Lutz e Susann Beucke, com a prata. Esta é a 19ª medalha da vela brasileira em Olimpíadas.

“Depois de uma semana tão dura foi difícil processar. A gente foi pelo instinto. O truque foi manter a calma e botar em prática todos esses anos que estamos velejando juntas”, disseram as medalhistas de ouro.

Antes da prova final, a dupla holandesa liderava com 70 pontos, as brasileiras apareciam em segundo também com 70 e as alemãs vinham logo atrás com 73 pontos. A regata da medalha ofereceu pontuação dobrada em relação às provas tradicionais e teve duração de 20 minutos, dez a menos que as outras 12 disputadas anteriormente. Nessa regata decisiva, a dupla primeira colocada perdeu 2 pontos. Aquelas que ficaram em segundo lugar perderam 4 pontos, e assim por diante.

CABE MAIS!

A medalha conquistada por Martina e Kahena é o terceiro ouro do Brasil nas Olimpíadas de Tóquio. Estreamos com o surfista Ítalo Ferreira e demos sequência com a maravilhosa Rebeca Andrade.

E queremos mais, hein! Só vem!