Notícias às 06:00

Príncipe Harry quer reforma das redes sociais

Grosby Group

Preocupado com a promoção do ódio em redes sociais, o Príncipe Harry sugeriu acabar com as publicidades em redes sociais, enquanto os empresários encontram a maneira de proteger os usuários. O marido de Meghan Markle iniciou uma campanha para impedir os investidores de anúnciar em plataformas como o Facebook.

Constantemente preocupado com a saúde mental dos mais jovens, Harry culpa as mídias sociais por desencadear problemas em usuários desprotegidos. Ele fala frequentemente ao público sobre a importância de tratar doenças mentais e como certos comportamentos coletivos afetam as pessoas comuns em suas vidas diárias, e por esse motivo ele quer aumentar a conscientização sobre os percalços de promover o ódio e o desprezo na web.

O Príncipe Harry escreveu um texto que compartilhou com a “Fast Company” e que foi publicado em um artigo intitulado: “As redes sociais estão nos dividindo, juntos podemos redesenhá-las”.

Meghan Markle é parabenizada pela rainha em seu aniversário
 

"Há pouco mais de quatro semanas, minha esposa e eu começamos a ligar para os líderes empresariais, chefes de grandes corporações e chefes de marketing de marcas e organizações que todos usamos em nossas vidas diárias. Nossa mensagem foi clara: o cenário digital não está certo e empresas como a sua tem a oportunidade de repensar seu papel no financiamento e apoio às plataformas digitais que têm ajudado a estimular e a criar condições para uma crise de ódio, uma crise de saúde e uma crise da verdade”.

De acordo com o jornal inglês Metro, o Duque de Sussex explicou que a iniciativa foi feita durante a promoção de uma campanha em que um grande grupo de empresários foi convidado a interromper seus investimentos no Facebook:

"Fizemos isso ao mesmo tempo em que a campanha pelos direitos civis e justiça racial chamada Stop Hate For Profit foi lançada. Alguns de vocês podem se perguntar por que uma campanha de mudança teria como objetivo a publicidade online. Bem, muitos de nós amamos e gostamos das redes sociais. Parece um recurso gratuito para conectar, compartilhar e organizar. Mas não é grátis, na verdade tem um custo alto. Cada vez que você clica, eles aprendem mais sobre você. Nossas informações, dados privados e hábitos desconhecidos são trocados por espaço publicitário e dólares. O preço que pagamos é muito mais alto do que parece. Embora normalmente sejamos o consumidor que compra um produto, neste mundo digital em constante mudança, somos o produto”, enfatizou.

Meghan Markle e Harry teriam ficado noivos bem antes do anunciado

Outro objetivo de sua campanha é sugerir que as redes sociais devem ser redesenhadas para que os usuários saibam como interagir de forma positiva e não uma plataforma para separar as pessoas e promover o ódio.

Para Harry ele tem a solução: "Conversa com especialistas… precisamos reformular a arquitetura de nossa comunidade online de uma forma que seja mais definida pela compaixão do que pelo ódio; mais para a verdade do que para a desinformação; por justiça e inclusão em vez de injustiça e instigar o medo; pela liberdade em vez do discurso armado. Essa reformulação deve incluir líderes do setor de todas as áreas, estabelecendo barreiras contra práticas inaceitáveis ​​online, bem como participando do processo de definição de novos padrões para nosso mundo digital. As empresas que compram anúncios digitais também devem reconhecer que nosso mundo online tem um impacto no mundo físico".

Thomas Markle quer conhecer o neto

Thomas Markle já não tem interesse em falar sobre o relacionamento da filha, a Duquesa Meghan Markle e o genro, o Príncipe Harry, mas segundo o jornal Daily Mirror, o homem demonstrou seu desejo de lutar para conhecer o neto Archie Harrison, de 15 meses.

O irmão mais velho de Meghan, Thomas Markle Jr. foi quem fez a revelação de que o pai poderia recorrer à justiça para poder ter algum contato com o menino que tanto quer conhecer.

"Ele lutará e seguirá com todos os recursos ao seu alcance para ver Archie, ele adoraria poder pegar o menino nos braços pelo menos uma vez", contou Markle Jr..

Segundo a publicação, o meio-irmão da Duquesa de Sussex disse que seu pai de 76 anos já não tem interesse em se comunicar com sua filha ou seu genro, mas quer estar em contato com o neto: "Ele tem seus direitos", acredita Thomas.

A relação de Meghan Markle com seu pai já era frágil desde antes de seu casamento com o príncipe Harry.

Recentemente foi revelado que ela tentou melhorar o relacionamento com Thomas Markle, mas ao saber que ele havia mentido, a relação ficou mais complicada.