Notícias às 07:30

Racismo, luto, vida adulta…. super-heróis discutem a realidade

Divulgação/Disney+/Reprodução/Instagram/@primevideobr/Divulgação/Amazon Prime Video

O gênero de super-heróis dominou grande parte dos principais lançamentos audiovisuais do mundo do entretenimento, seja no cinema ou na televisão.

Adaptando uma história em quadrinhos ou sendo uma produção original, essas produções costumam ser fantásticas e criando conceitos não existentes na realidade. Porém, o inverso está acontecendo!

Para se diferenciar e criar uma maior conexão com o público, essas produções de super-heróis vêm discutindo temas cada vez mais próximos da realidade, e nós do OFuxico vamos citar algumas mais recentes e seus respectivos temas tratados.

(Spoilers menores da trama serão mencionados, mas maiores detalhes serão preservados para um melhor aproveitamento do espectador)

Nem tão heróicos! Veja produções que desconstroem os super-heróis
Disney+ libera Sam Wilson como Capitão América em pôster

Confira!

Falcão e o Soldado Invernal (Racismo e legado)

“Falcão e o Soldado Invernal” pode até ter terminado sua primeira temporada finalizada na última sexta-feira (23), mas o que ela representa com certeza irá perdurar por um tempo e não deixou de ser histórico.

A trama da série girou em torno de Sam Wilson (Anthony Mackie) assumir o escudo de Capitão América de Steve Rogers (Chris Evans), símbolo máximo do manto/legado da persona heroica máxima dos Estados Unidos, e pelo ex-Falcão ser um homem negro, é representativo por si só.

Porém, o roteiro faz questão de mostrar como o personagem lida em assumir seu papel, fazendo um contraponto com Isaiah Bradley, um super soldado negro renegado pelo governo, deixando a questão étnica ainda mais acentuada e importante para os dias atuais em que o movimento “Black Lives Matter” está em pauta e de uma forma diferente de “Pantera Negra”.

Aliás, este último episódio foi lançado na mesma semana em que os policiais responsáveis pelo atentado contra George Floyd foram condenados, e um momento dele deixa tudo ainda mais emocionante.

WandaVision (Luto)

Já que estamos falando das séries da Marvel para o Disney+, vamos falar da primeira que estreou: “WandaVision”, focada em Wanda Maximoff (Elizabeth Olsen) após os eventos de “Vingadores: Ultimato”.

Após a morte de Visão (Paul Bettany) em “Vingadores: Guerra Infinita”, a heroína estranhamente está vivendo uma vida ao lado do robô no subúrbio de WestView em uma verdadeira vida de sitcom.

Porém, ao final da história, notamos que os seus nove episódios se tratavam de como Wanda estava passando pelos vários estágios do luto (Negação, Raiva, Barganha, Depressão e Aceitação), só que de uma maneira única e fazendo jus a alcunha de Feiticeira Escarlate das HQ’s, e vale a pena dar uma conferida com certeza.

Invincible (Vida adulta)

A mais nova animação queridinha do Amazon Prime Video chegou ao seu último capítulo (provavelmente da temporada) nesta terça-feira (30), fechando algumas das principais pontas abertas pela trama logo no primeiro capítulo.

Porém, o que vamos elogiar de “Invincible” (ou “Invencível”, na no idioma que preferir) desta vez é a destreza em mostrar os desafios dos adolescentes em lidar com o início da vida adulta e a chegada de compromissos importantes,

Por meio dos olhos de Mark Grayson (Steven Yeun) vivendo na pele o que é se desdobrar para não se perder na agenda e lidar tanto com desejos quanto com obrigações (com o toque de ser um super-heróis, claro!).

The Boys (Mídia e Xenofobia)

Já que falamos de uma animação para maiores queridinha do Amazon Prime Vídeo, não poderíamos deixar “The Boys” de fora então, né?

Uma das séries mais queridinhas do momento, um dos grandes trunfos de “The Boys” é desconstruir seus personagens com pautas bastante discutidas na vida real, a começar pelo marketing sujo por trás dos super seres, que os torna verdadeiros produtos da indústria cultural e revela o lado ruim da fama.

Já a segunda temporada, a crítica social inserida na sérue ganha ainda mais camadas, com preconceito e xenofobia ganhando mais atenção. Em uma época cujo ódio por imigrantes cresce a cada com discursos nacionalistas, temos uma indicação essencial aqui!

Aquaman (Meio Ambiente)

“Aquaman” pode ter tido sua estreia há mais tempo que as outras produções citadas nesta lista, mas é uma das poucas (se bobear, a única) a discutir mesmo que levemente sobre o meio-ambiente e os impactos das ações humanas sem consciência da questão.

Os propósitos de Orm (Patrick Wilson) são bem verdadeiros quando se trata do desleixo dos seres humanos para com o mar, sendo o único problema do vilão tentar resolver de maneiras extremistas e bélicas sem ao menos tentar um diálogo.

Mulher-Maravilha 1984 (Ganância)

Antes de falar de “Mulher-Maravilha 1984”, farei uma menção honrosa ao primeiro longa da heroína, “Capitã Marvel” e o já citado anteriormente “Pantera Negra”, que são extremamente importantes, assim como outras obras não citadas, para o aumento de diversidade e representatividade, sendo elas feminina e negra no caso, mas OFuxico buscou produções que discutem a realidade com um viés diferentes ou temas menos retratados na mídia.

Dito isso, o segundo longa da Amazona mais amada do mundo pode não ser o mais popular de crítica, mas é inegável a habilidade que ele possui de mostrar o potencial negativo que a ganância humana possui.

A imagem máxima deste fato está no vilão Maxwell Lord, que busca poder e reconhecimento acima de tudo, e no decorrer da trama, as proporções de seus desejos (quem já assistiu entendeu!) acabam sendo catastróficas não só para ele, mas em escala global.

Porém, em uma outra perspectiva, Diana Prince (Gal Gadot) tem contato com essa temática, e mesmo que com intenções mais nobres, o resultado não é positivo, colocando-a em um dilema moral e ético do que fazer a seguir.

E você, curte quando as produções de super-heróis buscam se basear mais fortemente na nossa realidade?