Notícias às 18:22

Recorde de pódios, ouro à caminho, veja o resumo olímpico!

Foto: Gaspar Nóbrega/ COB

Sexta-feira, 06 de agosto. Mais um bronze pra conta e emocionantes classificações em finais para o Time Brasil. No vai e vem de emoções, a notícia de um potencial doping e afastamento na seleção de vôlei feminino, horas antes da semifinal contra a Coreia do Sul. Mas tudo bem. Recuperamos o gás com Isaquias Queiroz dando tudo de si e mais um pouco na canoagem e, mesmo não sendo com atleta daqui, ouvimos a música e Pabllo Vittar ecoar na performance de uma norte-americana na ginástica rítmica. O Brasil tá bem na fita em Tóquio e já alcançou o recorde de 20 pódios numa só Olimpíada. Cabe mais! Chega de desclassificação! Como bem diz Luis Roberto, ‘aqui não, bebê!’. E vamos de resumão!

CONQUISTA LGBTQIA+

Canadense, Quinn, que joga na seleção feminina de futebol, é a 1ª pessoa trans e não binária a conquistar uma medalha olímpica. Ao usar apenas um nome, Quinn não se identifica como homem nem mulher. O Canadá venceu a Suécia nos pênaltis e conquistou a medalha de ouro.

O OURO VEM!

A seleção brasileira feminina de vôlei dominou a semifinal não dando chance para a Coréia do Sul, vencendo por 3 sets a 0. Destaque da partida, Fernanda Garay soltou o braço e pontuou com perfeição, assim como Carol, que deu show nos ataques. No bloqueio, Rosamaria definiu o ponto que abriu vitória. Um luxo! Agora o foco é na seleção dos EUA, cuja partida será 1h30 (de Brasília) de domingo, 08 de agosto, último dia de competições em Tóquio. Traz o ouro, Brasil!

SHOW À PARTE

“Chora no travesseiro que a cama é quente”; “Natália não falha”; “Rosamaria arrepia”; “Gattaz não volta mais”; “Lá vem ela, Gabriela”; “Aqui não, bebê”; “Elas que lutem”; “Fé na Garay”. Se você ainda não escutou nenhuma dessas frases, há algo errado que não está certo! A criatividade do narrador esportivo Luis Roberto nos jogos da seleção feminina de vôlei fizeram dele o muso da web. E até Fábio Porchat já disse que vai chamá-lo para trabalhar no “Porta dos Fundos”. Bom demais!

QUASE MEDALHA NA MARCHA…

Por pouco não subimos ao pódio com um bronze de Erica Sena. Ela estava a menos de um quilômetro da linha final da marcha atlética 20km, mas foi punida e ficou sem medalha nas Olimpíadas de Tóquio. Na marcha, os atletas precisam se locomover com as pernas esticadas e mantendo sempre um dos dois pés no chão, sem correr. A margem entre marchar rápido e correr é pequena e, por isso, cada atleta pode tomar até duas punições por essas infrações, em uma mesma prova. A brasileira recebeu três cartões amarelos e teve que ficar dois minutos parada na lateral da área de competição.

IZAQUÍAS SOBERANO

O baiano avançou nas eliminatórias da canoagem de velocidade C1 1000 com o melhor tempo e disputa semifinal e provável final nas Olimpíadas de Tóquio. Ele está focado no ouro e quer dedicar a medalha à memória do treinador espanhol Jesus Morlán, que morreu em 2018 depois de uma batalha de dois anos com um câncer no cérebro.

TANDARA FOI PRA CASA

O Comitê Olímpico Brasileiro (COB) anunciou a suspensão provisória de Tandara Caixeta, uma das principais pontuadoras da seleção feminina de vôlei. Segundo o comunicado, a jogadora cometeu “potencial violação da regra antidopagem” em exame realizado dia 7 de julho no centro de treinamento da CBV em Saquarema, no rio de Janeiro. Tandara foi afastada imediatamente e já deixou Tóquio. Chorando. Ao que tudo indica, uma mediação para controle menstrual foi o motivo do doping.

SALTAMOS BEM!

Kawan Pereira, de 19 anos, terminou a classificatória da plataforma de 10m em 17º lugar e segue para as semifinais nos saltos ornamentais. De 29 competidores, os 18 melhores seguem na disputa.

VAI, BRASIL!

Quebramos o recorde de medalhas do país em uma única edição dos Jogos Olímpicos. Já são 20 pódios em Tóquio, superando os 19 da Rio-2016. Até o momento, o Time Brasil soma 16 medalhas no quadro geral, com outros quatro pódios já garantidos, com a presença do país nas finais do vôlei feminino, futebol masculino e no boxe. As disputas serão entre sábado, 07 de agosto, e domingo, 08.

RECORDE DE COVID-19

O Japão bateu o 5º recorde de casos de Covid-19 em pouco mais de uma semana e já contabiliza mais de 1 milhão de infectados. A pandemia está se espalhando para além de Tóquio, sede dos Jogos Olímpicos, mas mortes continuam em patamar muito baixo e vacinação começa a finalmente ganhar tração. Foram 4,5 mil infectados na capital nas últimas 24 horas e cerca de 2 mil na vizinha de Kanagawa (o quádruplo do que era registrado na cidade há menos de duas semanas). As infecções em Osaka, a maior cidade do oeste do país, também bateram recorde (mais de 1,3 mil), e pela primeira vez o país registrou mais de 15 mil novos casos. Os recordes têm se acumulado perto do fim dos Jogos Olímpicos.