Notícias às 12:00

Thaila Ayala se explica sobre polêmica envolvendo cidade natal

Reprodução/Instagram

No último sábado (5), Thaila Ayala voltou às redes sociais para esclarecer um mal-entendido depois que ela falou um pouco mais de sua infância em Presidente Prudente, cidade interiorana do Oeste Paulista. Internautas não gostaram dos comentários da atriz e reclamaram.

Na ocasião, Thaila respondia perguntas feitas a partir de uma ferramenta do Instagram e se deparou com uma pessoa curiosa, querendo saber se ela já havia brigada na rua.

"Cresci num lugar muito pobre e muito violento, então sim… Nunca gostei de briga, hoje tenho pavor, mas nessa época era ou ia pra cima ou apanhava", disse, relatando alguns exemplos complicados da criação no bairro da cidade. 

"Tipo, um vizinho meu já acordou esquartejado, minha melhor amiga e vizinha de porta era espancada pelos pais, queimada pelos pais, cortada pelos pais, era estuprada pelo vizinho. Eu cresci num lugar muito pobre e muito violento. Duas das escolas públicas que eu estudei fecharam por causa de violência. Era tipo, esfaqueando professor", contou.

Como a resposta dela não agradou os moradores do município, a artista decidiu explicar-se melhor.

"Esses stories são direcionados aos meus conterrâneos… Nenhuma [das minhas respostas] foi direcionada a minha terra, minha cidade natal. Ninguém me perguntou sobre Prudente, o que ela representa, sua potência, sua riqueza. Para quem não conhece,  Prudente é uma cidade grande, referência no estado de São Paulo, referência em muitas coisas, na agropecuária, na cultura, educação. É uma cidade universitária, pessoas do mundo inteiro vão pra lá estudar medicina…  Eu estava falando da minha realidade, em momento algum falei da cidade", iniciou Ayala.

Continuando, Thaila pontuou que as questões de segurança e violência podem e acontecem em qualquer lugar do Brasil e do mundo, bem como a falta de acesso à cultura, o que teria acontecido com ela.

"Minha família foi conhecer teatro quando eu tive a oportunidade de proporcionar isso pra eles, quando eu já estava em São Paulo, já tinha ido embora e trabalhava fora da cidade. Ninguém que eu conhecia tinha acesso a essa cultura que a cidade tem, mas infelizmente não é para todos."

Thaila também reforçou que o relatos de violência citados por ela anteriormente de fato aconteceram, sem esquecer de reforçar que as histórias são de "20 a 30 anos atrás", que a cidade e a região mudaram muito desde a época que morou na região.

"Eu tive um vizinho, Sandro, que morreu esfaqueado, um crime horrendo que nunca esqueci quando morava no Jardim Mediterrâneo, um caso de homofobia. Ele morava em frente ao ponto de ônibus, pra ser mais precisa. Acordei hoje com uma mensagem de um crime horrivel de homofobia que aconteceu em Santa Catarina, infelizmente são crimes que estão presentes todos os dias, em todos os lugares do mundo. Outra coisa que falei da minha história foi da minha vizinha. Para quem perguntou, sim, ela está viva e é sim, uma história de superação. Eu a reencontrei 20 anos depois, há uns dois anos, e ela está bem e me enche de orgulho com a mãe incrivel que ela se tornou, não tenho nem palavras para falar o que essa menina passou na vida e nem contei tudo aqui. E é outra coisa que acontece em qualquer lugar do mundo, violência doméstica, e isso não interessa se o bairro é rico, pobre, se é em São Paulo, no Rio de Janeiro. Isso acontece em todos os lugares e era disso que eu estava falando, de uma realidade muito especifica da minha história."

A morena ainda falou, relembrou que visitou o bairro recentemente e mostrou aos seguidores, dizendo o que tinha mudado ou não. "Eu mostrei e falei como as coisas eram e não são mais. Hoje o bairro é outro, a realidade é outra, graças a Deus. Estou falando de 30 anos atrás, uma vida. O bairro era o Jardim Mediterrâneo e quando eu falei que era no meio do mato, é porque era. Hoje a cidade cresceu muito e já tem muita coisa além dele", completou.

Finalizando, Thaila Ayala disse: "É isso resumidademente, esse foi um pedacinho de um relato respondendo uma pergunta específica da minha infância. Entre a balança de coisas boas e ruins na minha vida, a minha pesa muito mais pras coisas boas. Tenho referências incríveis de Prudente, minha infância foi maravilhosa, tenho muito orgulho e amor pela minha infância, da liberdade, o contato com a natureza, as referências que me fizeram tornar a mulher que eu me tornei, conquistar tudo o que conquistei.  Ainda é um dos meus sonhos ter um pedacinho de terra por lá, um sitio. Infelizmente foi a minha realidade e é a realidade de muitos lugares no Brasil e no mundo e acontece o tempo todo."

Confira as reações dos internautas: