Notícias às 15:15

Tony Ramos: ‘É uma permissão de Deus eu estar aqui trabalhando’

Divulgação/O Sétimo Guardião/Estevam Avellar/TV Globo

Unanimidade quando o assunto é talento, profissionalismo, comprometimento e gentileza, Tony Ramos deveria ser uma especial de "guia para quem quer chegar lá"… Aos 70 anos de vida – 49 deles compartilhados com a mulher, Lidiane – o artista paranaense volta ao ar em O Sétimo Guardião, nova trama das 21h na Globo. Em cena ele interpreta o milionário Olavo. Algo que afirma não ser.

"Sou longe, muito longe de um milionário. Vivo bem, é claro, mas sou um homem de hábitos simples. E é tudo muito simples: pagar as contas, viver, sobreviver e ter uma velhice digna! Meu refúgio é ir para o sítio, ficar em casa mesmo, visitar alguns amigos, familiares do interior de São Paulo. Faço viagens internacionais também, com minha mulher, mas não viajamos para mostrar e provar nada a ninguém. É para nosso belprazer, nossos momentos. Nós não temos rede social, Instagram, Facebook. Não temos nada disso", afirmou Tony em conversa com a reportagem de OFuxico.

Em seu primeiro trabalho com Aguinaldo Silva, o veterano comemora mais um bom personagem.

"Nunca dava para estar nas novelas dele por questões de agenda. Teve várias que ele pensou em mim para escalação, mas eu já estava ocupado. Agora deu certo e está sendo ótimo".


O ator destacou ainda o fato de ter bons papeis na sua idade.

"É uma dádiva estar trabalhando nessa idade, num país em que, lamentavelmente, quando a pessoa faz 40 anos,fica difícil arrumar emprego. Eu acho que é fruto do trabalho desses 55 anos de carreira. Estar com 70 anos é uma benção! É uma permissão de Deus eu estar aqui trabalhando, recebendo convites para continuar o meu trabalho. Fazendo cinema, teatro. Estou inteiro, com saúde, trabalhando e ganhando anos. Mais uma benção de Deus".

Atento a tudo o que acontece, Tony Ramos fez questão de elogiar atores de Segundo Sol, novela que antecedeu O Sétimo Guardião. E destacou que prefere não ser apontado como referência.

"Eu fico muito constrangido, não quero ser referência porque cada um é de um jeito. Conselho aos novos eu não dou, eu dialogo. Respondo perguntas e aprendo com eles. Vejo o Chay Suede e a Letícia Collin, que beleza o trabalho desses meninos!".