Notícias às 07:00

Zeca Camargo sobre a Band: ‘Nunca imaginei ser diretor artístico de uma TV’

Kelly Fuzaro/Band

A carreira de Zeca Camargo é marcada por grandes projetos com foco na cultura, realities e gastronomia. São quase 30 anos de trabalho com passagens pelo jornal Folha de São Paulo, a extinta, ou a clássica, MTV, e em seguida a TV Globo com Fantástico, No Limite, Vídeo Show, programas e coberturas especiais e o É de Casa.

Em 2020, ele se despediu da Globo, e em menos de 24hs deu uma guinada em sua trajetória: de apresentador passou a ser diretor artístico de uma dos maiores grupos de TV da América Latina, o Grupo Bandeirantes. Um baita desafio que ele fez questão de encarar e pra completar em meio à pandemia da Covid-19.  

Convidado pelo diretor Antonio. Zimmerle, que trabalhou por mais de 38 anos na Globo, Zeca tem a missão, ao lado de toda uma equipe, de promover mudanças nas atrações dos canais abertos, fechados e até nas rádios, além de criar formatos que promovam a diversidade e aproximem os brasileiros de suas raízes, como um intercâmbio.

As mudanças propostas por Zeca estão caminhando lentamente por conta da Covid, que exige cuidados, mas o público da emissora já sente mais a presença da arte, por meio da música, do cinema e da gastronomia na programação.  Com Zeca, a emissora do Morumbi passou a dar mais espaço à sétima arte sob o comando de Marina Person, crítica de cinema, que faz comentários sobre clássicos exibidos pelo canal, além de apresentações musicais diferentes, Dinho Ouro Preto, vocalista do Capital Inicial, no Música na Band Verão.

Camargo também reuniu Ana Paula Padrão e Miguel Falabella na apresentação de um prêmio exibido pelo BandNewsTV.

Ao OFuxico, Zeca contou detalhes do seu trabalho! Como o programa sobre clássicos dos anos 80 na Play FM. Neste ano ele deve comandar uma atração no Sabor & Arte, novo canal pago do Grupo Band com foco na gastronomia, além de especiais sobre música e cultura na Band e o desejo de voltar a viajar com o fim da pandemia!

Confira a entrevista com Zeca Camargo

OFuxico: Em algum momento você sonhou em ser um diretor artístico de uma TV do tamanho da Band?
Zeca Camargo:
“Nunca imaginei ser diretor artístico de uma TV. Quando eu trabalhei na Globo os programas e projetos já chegavam prontos. Faltava esse pedaço [ser diretor], eu tenho quase/mais de 30 anos de televisão.”

OFuxico: E por que aceitou o convite? O que pesou na decisão? 
Zeca Camargo:
“É desafiador, é natural. Não tinha essa urgência de fazer vídeo, mas foi um respiro até pra gente se programar melhor… O desafio de fazer uma coisa nova. Desde quando saí da Folha de São Paulo e fui pra MTV sempre trabalhei com algo diferente. Não sou de dizer não pra nada. Eu aceito desafios. O novo, o desafiador e, sobretudo, o que eu não tinha feito antes. Eu trabalhei com a Bia Lessa, dramaturga, em teatro, escrevi livros…”

OFuxico: Como é a rotina de um diretor de TV? Passou a consumir TV de uma forma mais intensa por conta das demandas?
Zeca Camargo:
“Olha, é imprevisível.  A minha parte é fazer um pouco da parte de criação. É uma rotina um pouco solta. A gente vai trabalhando conforme as ideias surgem. Temos uma equipe super  competente nesse processo pra gente poder “brincar”.  Se eu vejo mais TV? Eu vejo mais a Band, sobretudo.  Mas eu sempre vi muito TV aberta, a cabo e agora streaming.”

OFuxico: O que o público pode esperar da Band em 2021?
Zeca Camargo:
“A Band tem um espaço de muita criatividade, agora limitado por conta da Covid-19 como em todas as TVs. Essas promessas de projetos que a gente tem feito estão sendo reescritas a todo momento.  Um dos pedidos da direção é ter muito “Brasil” na programação.”

OFuxico: O tamanho do Brasil provoca em sua cultura enorme versatilidade. Como agradar a todos os públicos e valorizar a cultura local de cada região?
Zeca Camargo:
“Temos uma coisa comum que é a língua. Não estamos apresentando um país diferente, estrangeiro. Essa diversidade [por conta da dimensão e relações culturais] provoca um charme, vamos sempre mostrar um deslumbramento do nosso País.”  

OFuxico: Como é o seu trabalho na Play FM? 
Zeca Camargo:
“Em novembro a gente estreou um programa meio que na brincadeira, o Replay. A gente, eu e a Lu Dias, fechou [o conteúdo] nos anos 80. Já estamos no ar há quatro meses e temos ideias para vários programas. Nunca tinha feito rádio, apesar de gostar muito de música.”

OFuxico: Como é reencontrar na Band colegas da Globo com quem você trabalhou por tantos anos como Ana Paula Padrão, agora a Glenda, o diretor geral de TV…
Zeca Camargo
: “É um encontro de pessoas talentosas e especiais. Todos são profissionais interessantes. Uma TV é especial por contar com profissionais especiais. Reencontrar eles foi reencontrar pessoas de talentos.  A Ana Paula eu trabalhei pouco na Globo, mas sempre tive uma admiração profunda, ela tem uma história muito importante no jornalismo, a Glenda uma pouco mais por conta dos trabalhos que ela fazia no Fantástico. Já o Antonio Zimmerle era mais esporádico. Foi ele que abriu as portas da Band pra mim, que me deu essa liberdade.”