Polêmica às 18:05

Yasmin Brunet desabafa sobre polêmica envolvendo Gabriel e COB

Yasmin Brunet com semblante sério

Reprodução/Instagram

Yasmin Brunet resolveu desabafar, nesta quarta-feira, 7 de julho, a respeito da polêmica envolvendo Gabriel Medina e o Comitê Olímpico do Brasil (COB). Recentemente, o surfista criticou a postura da organização por não credenciar a modelo para a Olimpíada de Tóquio.

“Não é uma Olimpíada qualquer. É em época de pandemia. Precisamos pensar o que vai ser melhor para a pessoa. Os surfistas têm essa regra aplicada a eles, estão levando pessoas que os fazem bem. No caso do Gabriel, essa regra não se aplica. Ele não pediu tratamento diferenciado. Ele quer ser tratado como os outros, que as mesmas regras se apliquem a todos. Cada pessoa do COB dá uma desculpa diferente. Já recebemos um e-mail falando sobre ‘preservação de imagem do COB e dos atletas’, recebemos uma desculpa de que o COB liberou e o COI não. (…) Várias desculpas que não fazem sentido”, continuou.

Veja+: Yasmin Brunet diz aguentar mentiras por amor a Gabriel Medina

Yasmin continuou: “Gabriel está no melhor momento da carreira dele, todo mundo sabe. Ele está representando o Brasil. Não entendo como, ele pedindo ajuda do próprio comitê para que tenha os mesmos direitos e possa levar quem ele quer levar, estão fazendo esse descaso. No momento que ele subir no pódio, todo mundo vai estar com ele.”

“Esse ano está sendo muito difícil para o Gabriel, passando por momentos muito complicados na vida pessoal dele. O surfe é um esporte individual, quem compete sabe a importância do psicológico da pessoa nesse momento. Sou uma das únicas pessoas que sabe tudo o que está acontecendo, com quem ele divide as coisas, com quem está vivendo tudo. Que apoia, que quando ele está chorando está ao lado dele”, afirmou.

Para finalizar, Yasmin pontuou: “Ele é extremamente profissional. Isso não é uma brincadeira. Ele não quer me levar para passear pelo Japão. Somos conscientes e preocupados. Não é uma brincadeira para mim e nem para ele. A gente só queria os mesmos direitos para todos.”