No Limite às 03:47

No Limite: Carol Peixinho se arrepende de voto em Gleici

ana clara entrevista carol peixinho

Ana Clara entrevista Carol Peixinho (Foto: Reprodução Globoplay)

Carol Peixinho foi a décima eliminada de “No Limite”, no episódio exibido nesta terça-feira, 13 de julho, exibido na TV Globo. Logo em seguida, a baiana participou do “Bate Papo – No Limite”, comandado por Ana Clara no Globoplay.

“Estou super emocionada, não vou mentir pra você não. Não tem como não se emocionar. Me joguei de cabeça, de corpo, de peito escancarado do jeito que eu sou. Foi lindo e aprendi muito foi uma escola pra mim, assim como o BBB. Mas o No Limite por ter esse lado perrengue, essa dificuldade… foi incrível passar por todas as experiências e ver o portal hoje, eu indo embora, não queria não. Hoje quando paro e vejo tudo o que aconteceu é só felicidade”, disse ela.

Veja alguns momentos da entrevista com a eliminada do reality

Voto de Elana

“Não me deixou chateada. Tenho uma relação muito bacana com ela aqui fora, a gente foi do mesmo BBB, era minha parceirona de festa, a gente amanhecia dançando. Moramos no mesmo prédio hoje. A gente divide o mesmo personal e trocamos várias ideias. Como viram no programa, eu tentei. Perguntei a ela se era difícil votar nos meninos e está tudo bem. Nada mudou da nossa relação. É incrível como a Carcará se mantiveram. Agiram inteligentemente e conforme eles foram tomando aquele rumo de estar junto.”

Junção das tribos atrapalhou?

“A partir da junção, você começa a achar que está na reta, a não ser que você pegue a imunidade. Nunca tinha sido votada na minha tribo. Lá no comecinho Mahmoud tentou armar com Kaysar e poderia ter sido votada naquele portal, mas nos outros eu não me vi na berlinda. Nesse, eu sabia que quem não pegasse a imunidade do Calango, depois que Kaysar foi embora, era o que estava na berlinda. Meu choro na prova da comida foi porque tinha certeza que iria embora.

Prova da comida

“Quando olhei aquela barata eu falei: ‘Não acredito que nessa vida eu vou comer uma barata’. Tinha que usar a estratégia de comer rápido. Como eu vou comer 6 larvas saboreando? Vai na cara e na coragem de uma vez, mastiga tudo e se livra. Os olhos de cabra eu demorei um pouco mais porque ele era muito rígido. Ele é muito, muito duro. Não conseguia estourar esse olho. Foi uma prova que eu queria participar.”

“E qual foi o pior?”, perguntou Ana Clara.

“A barata era muito grande e o casco dela era muito duro. Como você não podia beliscar para ela morrer, você tinha que botar ela viva na sua boca. Quando ela andava na boca, falava: ‘Não é possível que estou vivendo isso!’. Essa barata não mata não, então eu ia. Mas depois ninguém passou mal, nem ficou com gosto na boca. Já estávamos na fase que tinha pasta de dente e colocamos para sair o gostinho. Fiquei mais feliz do que infeliz. Se tivesse saído antes da prova clássica do No Limite, que todo mundo espera, eu teria ficado chateada.

A apresentadora também quis saber sobre o shot que beberam no final.

“Ele era bem terroso. Parecia um chá, muito forte com muitas misturas. Ele não tinha um gosto fedorento e ruim. Ele apenas é muito amargo. Pra mim foi tranquilo.”

André ficou mal com a saída?

“Ele estava perdendo mais uma amiga ali. Viemos de um histórico lá da tribo, que a gente foi perdendo nossos aliados. Ele é um cara que sente bastante, mas eu sabia. E conversando com ele aqui fora ele falou que ficou possesso, que sentiu muito e sabia que cada vez mais o dele estava na reta. É um cara bem bacana de jogo, de convivência, é inteligente, é um cara que ouve… um cara bem legal.”

Jogo individual de Jéssica prejudicou a tribo?

“Prejudicou pelo que a gente tinha conversado, pelo que a gente tinha combinado, pelo que a gente vinha vivendo juntos. Logo quando a gente pisou na junção das tribos eu falei: ‘Perdi Jéssica!’. Não assisti o BBB18 e não sabia da relação dela com o Kaysar, um rancor que ela trouxe daqui de fora e que cada um tem suas questões, mas lá não é lugar de definir nada. Não sabia da grande amizade dela com Paula e a gente vinha vivendo o dia a dia bem na irmandade, na união, de que vamos chegar na final, que vamos nos ajudar… Aí ela vestiu essa camisa do ‘vou jogar individual’ e levantou essa bandeira. Acabou que todo mundo foi prejudicado. E prejudicou ela também.”

Convite para o programa

“Fiquei muito feliz. Já demonstrei minha paixão por reality e eu sou dessa pessoa de desfio, de aventura, de me conhecer, me testar… adoro. No primeiro contato eu falei: ‘Topo!’. Falei que estava com a roupa de ir. Fiquei muito feliz e lisonjeada. Fiquei com aquela coisa de como será que vai ser, mas só indo pra saber.”

Falta de produtos de higiene

“Bem difícil, principalmente essa parte da higiene pessoal. Não ter um banho, um sabonete, um desodorante. O espelho a gente desencana logo. Quando Gleici viu que dava para se olhar na faca e na colher, a gente começou a se olhar um pouquinho e já era suficiente. Mas na parte da higiene pessoal… a tal da pasta de dente, como desejei. A gente ganhou uma prova e conseguiu comprar a pasta no 17º dia. Eu escovava o dente com o carvão que sobrava do dia anterior. Isso já me adiantava para viver melhor.”

Pesquisa para ajudar no programa

“Como assisti os No Limite anteriores, vi que eles usavam muito a bússola. Se colocarem uma bússola na minha frente ela vai me morder. Então passei muitos dias pesquisando sobre bússola. Sobre fogo também, sobre escovar o dente, pesquisei alguma coisa sobre o que comer, mas não achei muita coisa não. O Kaysar trouxe o cacto. Essa do escovar o dente me ajudou muito.”

Arrependimento em votar em Gleici

“Me arrependi sim. Quando a gente entre em um reality pode acontecer de se arrepender. É tomar um partido errado. Não tive essa experiência no Big Brother. Nunca me arrependi nada do que fiz lá e esse foi um voto que me doeu muito lá. Foi muito difícil votar em Gleici e tentei tirar o coração, a emoção de lado… tanto que ela ficou bem chateada. Depois ela me disse que entendeu um pouco o voto, mas eu fiquei arrependida porque era uma pessoa que poderia estar comigo até hoje. Apostei em outra pessoa que estava comigo e pensei: ‘Gleici tem seus aliados e prioridades e eu nunca fui prioridade dela’. Antes da votação ela me disse que faltou dizer que eu era prioridade dela.”

Jéssica era excluída no grupo?

“Como ela era do Big Brother de Gleici e não entendia se elas tinham tido um atrito, que impedia que ela se aproximasse mais. E ficava meio que uma interrogação. Mas aos poucos ela ia se aproximando de mim. Foi só no começo que via ela meio distante.”

Dava para arrumar namorado no programa?

Não dá não. É muito perrengue para ainda dar atenção a alguém. No dia a dia cuido muito das pessoas, mas cuido ali, não passo daquilo. Mas ter um relacionamento dentro do programa.”

“E o Bil?”

“Bil era super parceiro. A gente sentiu muito. Ele era forte, era grande… Não só porque ele era parceiro do dia a dia, de ajudar nisso, ajudar naquilo. Foi muito bom o período que ele ficou. Ter um parceiro assim ajuda muito.”

“Foi fanfic então”, insistiu Ana Clara

“Aqui fora ele tem a vida dele, eu tenho a minha. Fiz o encontro dos Calangueiros e foi ótimo, mas esse tititi ficou só lá dentro e a galera chipando aqui fora. Não rolou não.”

Faria outro reality?

“Claro que entraria. Adoro reality”

Quem fica a torcia?

“André. Meu amigo calango, minha torcida total é para ele.”