Televisão às 15:10

Tóquio 2020: Thiago Lacerda relembra 150 medalhas de natação

thiago lacerda falando de sua época como nadador profisisonal no encontro com fátima bernardes
Reprodução/TV Globo

As Olimpíadas de Tóquio estão a todo vapor em sua última semana de duração, sempre emocionando o público brasileiro com cada esporte que surge em tela.

A natação é uma das atividades mais populares e tradicionais do evento esportivo, sempre exigindo concentração, esforço e dedicação de seus atletas.

Durante participação no programa “Encontro com Fátima Bernardes”, Thiago Lacerda relembrou o seu passado como nadador profissional.

O artista era um grande atleta da modalidade, tendo conquistado mais de 150 medalhas em competições. Porém, abriu mão de tudo isso aos 19 anos para focar nos estudos.

“Ou eu ia embora do Brasil e me tornava um atleta profissional ou ficava e fazia uma faculdade. Optei pela segunda opção. Entendi que o meu ciclo nas piscinas tinha encerrado, mas tenho muitas saudades dessa época”, explicou ele.

No decorrer do programa, Thiago Lacerda conversou sobre natação com a medalhista de ouro Ana Marcela Cunha, e ressaltou a importância de se ter o apoio da família ao praticar o esporte.

“Poder contar com o apoio da família é fundamental. Que bom que vocês são tão presentes na vida da Ana Marcela, isso para um atleta faz toda a diferença”, celebrou o astro da TV Globo.

Sobre os filhos com Vanessa Lóes, Gael, Cora e Pilar, Lacerda não enxerga o mesmo interesse: “Eles sabem nadar, mas não vejo um interesse pelo esporte. Eles têm outras vontades”.

Vale ressaltar uma curiosidade: o primeiro papel de Thiago Lacerda na televisão, em Malhação, foi justamente de um nadador. É o destino ou não é?

CONFIRA O RESUMO DAS OLIMPÍADAS NO DIA 04 DE AGOSTO

Quarta-feira, 04 de agosto. O Brasil conquistou a quarta medalha de ouro em Tóquio e entrou na briga por medalha no vôlei feminino. Teve o choro da Fadinha pelo triunfo de outra “novinha”, Sky Brown, teve perdas, volta para a casa e aumentos de casos de Covid-19, o que resultou até em exclusão de uma equipe inteira dos Jogos Olímpicos de Tóquio. Vamos de resumão!

OURO DO MAR

A baiana Ana Marcela Cunha reinou absoluta no mar de Tóquio! Pentacampeã do mundo na maratona aquática, a nadadora conquistou o ouro que perseguiu com afinco por quatro ciclos olímpicos. Era o título que faltava em sua galeria. Não por acaso, a comemoração da namorada da atleta foi tamanha que a vizinhança chamou a polícia! Maria Clara teve que se explicar e não fez por menos.

SEM MEDALHA NO VÔLEI DE PRAIA

O vôlei de praia brasileiro teve a última dupla representante em Tóquio, Alison/Álvaro, eliminada nas quartas de final. Resultado totalmente inesperado, que vale uma reavaliação da modalidade.

Esta é a primeira vez desde que o vôlei de praia entrou no programa olímpico em 1996, que o Brasil vai terminar as Olimpíadas sem uma medalha.

A vitória da seleção brasileira feminina de vôlei contra o Comitê Olímpico Russo, no duelo pelas quartas de finais, rendeu chuva de elogios à Carol Gattaz, Rosamaria Montibeller, Fernanda Garay e outras esportistas do time. O motivo? Além dos 3 sets a 1, elas foram elogiadíssimas pela beleza física. Te mete!

JAPÃO DOMINA SKATE STREET

Depois de dominar o skate street na primeira semana de competição, a equipe do Japão mandou muito bem no skate park chegando muito perto de um pódio triplo. Sakura Yosozumi ficou com o ouro, Kokona Hiraki com a prata e a britânica Sky Brown, amiga da Fadinha, conquistou o bronze. Rayssa Leal, aliás, chorou com o pódio da amiga, que é seis meses mais jovem que ela.

As brasileiras Dora Varella e Yndiara Asp foram à primeira final da história da modalidade, mas terminaram na sétima e oitava posição, respectivamente. Isa Pacheco fez boa apresentação nas eliminatórias, mas ficou na décima colocação.

ADEUS DE SIMONE BILES

Se na Rio-2016 o nome de Simone Biles foi marcado como lenda da ginástica artística, desta vez, em Tóquio, ela volta a ser uma das mais citadas, mas por conta de sua saúde mental, que acabou resultando em apenas uma medalha de bronze e cinco desistências de prova. A norte-americana deixou o Japão nesta quarta-feira, 04 de agosto, e fez uma despedida otimista.

“Deixar Tóquio com mais duas medalhas olímpicas para adicionar à minha coleção, não é tão ruim. Sete vezes medalhista olímpica”, disse ela, medalha de prata por equipes e bronze na trave.