Morte às 06:00

Ashley Judd dá detalhes da morte da mãe: ‘Ela usou uma arma’

Naomi Judd, Ashley Judd em homenagem
Foto: Reprodução/Instagram/@ashley_judd

No fim de semana aconteceu a homenagem televisiva à cantora country Naomi Judd – “Naomi Judd: A River of Time Celebration” – mãe da atriz Ashley Judd e da cantora Wynonna Judd. O evento foi emocionante, com muitas lágrimas das irmãs ao despedir-se da mãe, um ícone da cultura americana.

Leia+: Naomi Judd se suicidou após batalha contra a depressão

Mas antes da celebração, Ashley rompeu o silêncio em meio à dor da perda para revelar detalhes sobre a morte da mulher, que se suicidou dia 30 de abril, após lutar por vários anos contra seus problemas de saúde mental.

Em entrevista ao programa “Good Morning America”, a atriz explicou:

“Já que não queremos fazer parte dos boatos, vou compartilhar com vocês que ela usou arma. Fim das suposições. Essa é uma informação muito desagradável de revelar, mas entendemos que estamos em uma posição em que, se não a dissermos, outra coisa virá à tona”, afirmou.

“Quando falamos de doença mental, é muito importante ser claro e fazer uma distinção entre a pessoa que amamos e a doença. É real… é selvagem”, disse ela devastada.

Leia+: Ashley Judd sofre acidente no Congo

“Eu sabia que, mais cedo ou mais tarde, ela iria embora, fosse por doença ou por outro motivo”, comentou Judd entre lágrimas sobre sua mãe, que descreveu como uma ‘faladora, uma verdadeira estrela e uma cantora e compositora desvalorizada que sofreu uma doença mental’, contou.

“Tenho tanta dor como trauma por tê-la encontrado”, disse Judd, compartilhando que foi ela quem encontrou a mãe morta.

Naomi Judd morreu um dia antes que ela e sua filha Wynonna, que faziam parte da dupla de música country “The Judds”, serem introduzidas no Country Music Hall of Fame.

Ashley Judd disse que sua mãe “não aguentou” para ser reconhecida por seus colegas.

“Esse é o nível de catástrofe do que estava acontecendo dentro dela. Porque a barreira entre o olhar em que a apreciavam não conseguia penetrar em seu coração e a mentira que a doença lhe contava era muito convincente.”, reclamou a atriz.

Foto: Altar na casa de Ashley Judd. Reprodução/Instagram/@ashley_judd

VIDA DE SEGREDOS E MENTIRAS

Em 2011 Ashley Judd lançou um livro biográfico onde contou os problemas dentro de sua família. Em seu livro de memórias “All That Is Bitter & Sweet”, ela relata sua infância cheia de mentiras, abuso sexual e muita dor.

“Minha mãe, enquanto se transformava em uma lenda da música country, Naomi Judd, criou uma lenda sobre os Judds que não correspondia à realidade. Ela e minha irmã (Wynonna) diziam que nossa família se divertia com a disfunção. E eu pensava: ‘Quem exatamente está se divertindo? O que estou perdendo?’”, comentou, já que considerava que sua vida não era nada divertida.

Leia+: Ashley Judd acusa produtor de assédio sexual

Para começar, a atriz de De-Lovely e Frida convivia com as mentiras criadas por sua mãe, que induziu seu pai, Michael Ciminella, a acreditar que era também o pai de Wynonna, o que não era verdade. Wynonna era filha de Charlie Jordan, um homem que sumiu quando soube da gravidez de Naomi aos 17 anos.

Ashley convivia também com as drogas. Disse que havia sempre maconha na casa e seu pai gostava de tomar alucinógenos com os amigos nas noites de sábado. Contou que o casamento de Naomi com Michael acabou quando Ashley era pequena e a mãe trouxe um outro homem para morar na casa da família que, segundo a atriz, era um viciado em heroína agressivo e com uma longa ficha criminal.

“Fui ensinada a acreditar que nosso estilo de vida era normal e nunca me queixar ou questionar, mesmo quando era deixada sozinha por horas, às vezes por dias, ou quando ninguém me avisava que havia um novo namorado na casa.”

Siga OFuxico no Google News e receba alertas das principais notícias sobre famosos, novelas, séries, entretenimento e mais!