Morte às 11:25

Ronnie Von sobre morte de Jô Soares: ‘Ficamos um pouco mais órfãos’

Jô Soares e Ronnie Von
Divulgação/TV Globo e Reprodução

Jô Soares morreu na última sexta-feira (5) e deixou um vazio em muitos fãs e amigos de profissão. Um deles, que lamentou bastante a partida foi Ronnie Von, que rasgou elogios ao amigo.

“Não se mede, nem se pesa sentimentos, mas eu acredito que todos nós estamos juntos nesta tristeza. O Brasil perde um grande profissional, até aí, não se discute. O profissional de comunicação, e eu me incluo nisso, tem uma tarefa muito difícil e aquele que nos faz rir tem uma tarefa maior ainda, porque se alguém conta uma história triste, nós podemos ver até uma lágrima, vamos nos sentir emocionados, mas fazer rir é muito difícil”, disse.

Leia+: Jô Soares gravou entrevista que ainda não foi ao ar. Saiba detalhes!

Ronnie Von ainda lembrou da coragem de Jô Soares de largar o humor e fazer um programa de entrevistas. O apresentador ainda recordou que os talk-shows já existiam no Brasil, mas foi Jô Soares que consagrou o formato por aqui.

“E ter a coragem de largar uma atividade como essa (o humor) para passar para uma outra, é mais difícil ainda e o Jô teve essa coragem. Na verdade, os programas de entrevista sempre existiam. Depois, com um toque mais internacional, essas entrevistas passaram a se chamar talk-shows. Isso sempre existiu no Brasil, mas a consagração veio através do programa dele, então, todos nós vamos ficar um pouco mais órfãos”, acrescentou.

Leia+: Sem herdeiros, para quem vai a herança de Jô Soares? Colunista revela!

Ronnie ainda lembrou de como ele e Jô Soares foram apresentados, um programa que fizeram juntos e elogiou o fato de o apresentador ter cumprido sua missão “com honra e louvor”.

“Nossa amizade começou por conta do Nilton Travesso, que nos apresentou e fizemos juntos meu primeiro programa especial. Não tenho mais nada disso gravado, porque a Record pegou fogo na época, mas dentro do meu coração aquele nosso programa, aquela coisa bonita que fizemos juntos vai permanecer para sempre. Fique na certeza que você cumpriu com honra e louvor a sua função”, finalizou.

CARREIRA DE JÔ SOARES

Filho do empresário paraibano Orlando Heitor Soares e de Mercedes Leal Soares, José Eugênio Soares, mudou-se com a família aos 12 anos, para a Europa. Poliglota, chegou a pensar em seguir a carreira diplomática, mas seu fascínio pelo teatro falou mais alto, ainda nos anos em que estudava na Suíça. 

Sua estreia se deu no papel de um americano em “O Homem do Sputnik”, filme de Carlos Manga estrelado por Oscarito, em 1958. No mesmo ano, escrevia para o TV Mistério, programa da TV Continental, dirigido por Adolfo Celli, com Paulo Autran e Tônia Carrero no elenco.  Na TV Rio, atuou no programa “Noites cariocas”. Também nesta época fez participações na TV Tupi.

Jô Soares começou a trabalhar na TV Record, em 1961, em São Paulo. Além de escrever o “Simonetti Show”, atuava em programas como o “La Reuve Chic”, “Jô Show”, “Quadra de Azes” (ao lado de Zilda Cardoso, Darlene Everson e Cauby Peixoto), “Show do Dia 7” e “Você é o Detetive”. 

Ele também interpretou o mordomo de ‘A Família Trapo”, seriado que escrevia com Carlos Alberto de Nóbrega

ASCENSÃO NA TV GLOBO 

Com Renato Cortes Real,  protagonizou, a partir de 1970, o “Faça Humor, Não Faça a Guerra”, programa que marcou sua estreia na Globo. A dupla também escrevia o programa, ao lado de Max Nunes, Geraldo Alves, Hugo Bidet e Haroldo Barbosa. Nele, o artista interpretou tipos como Norminha e Padre Thomas. 

O “Faça Humor, Não Faça a Guerra” foi substituído por “Satiricom”, em 1973. Três anos depois, o humorista atuou como ator e redator, novamente com Max Nunes e Haroldo Barbosa em outro grande sucesso da Globo, o “Planeta dos Homens”, que ficou no ar até 1982. 

Jô Soares dividia a cena com grandes nomes do humor, como Agildo RibeiroPaulo Silvino, Luís Delfino, Sonia Mamede, Berta LoranCostinhaEliezer Motta e Carlos Leite. 

O comediante criou para o programa personagens como o Dr. Sardinha (inspirado no economista Delfim Netto, então ministro da Agricultura); Sebá, cognome Pierre, o último exilado em Paris; e o argentino Gardelón, famoso pelo bordão “Muy amigo!”.

Jô Soares deixou a equipe de “Planeta dos Homens” em 1981 para se dedicar a seu próprio programa, o “Viva o Gordo”, escrito por Max Nunes, Hilton Marques, Afonso Brandão e José Mauro, que foi exibido até 1987. 

O título veio do show “Viva o Gordo e Abaixo o Regime!”, um grande sucesso do teatro no qual o humorista fazia críticas veladas à ditadura. Entre os tipos marcantes que viveu nessa época, estão o Reizinho, sempre às voltas com os problemas do reino, uma sátira à situação política do país; o Capitão Gay, super-herói homossexual que usava um uniforme cor de rosa e andava sempre acompanhado de seu ajudante Carlos Sueli (Eliezer Motta); e o Zé da Galera, que ligava para o técnico da seleção brasileira de futebol e pedia “Bota ponta, Telê!”. 

Simultaneamente ao trabalho no “Viva o Gordo”, Jô Soares apresentava um quadro no “Jornal da Globo” e, em 1983, fez uma participação especial no musical infantil “Plunct, Plact, Zuuum”. 

SBT

Em 1987,  deixou a Globo e foi trabalhar no SBT, onde estrelou o humorístico “Veja o Gordo” e realizou um sonho que acalentava há anos: apresentar um programa de entrevistas inspirado nos talk-shows americanos, o “Jô Soares Onze e Meia”. 

“Não foi uma mudança radical, mas uma continuação do meu trabalho de humor e também de jornalismo. Trabalhei no jornal Última Hora durante quatro anos, escrevi na Folha de S. Paulo e na revista Veja. E tem um lado de entrevista irreverente que só eu posso fazer, com os políticos”, disse ele ao “Memória Globo”. 

Ao longo dos 11 anos em que o programa ficou no ar,  fez mais de seis mil entrevistas, com grandes personalidades brasileiras e internacionais – como o ex-presidente da União Soviética Mikhail Gorbachev e Bill Gates, fundador da Microsoft – e figuras anônimas. E durante o processo do impeachment do presidente Fernando Collor, o “Jô Soares Onze e Meia” funcionou como uma espécie de tribuna popular, com o apresentador entrevistando alguns dos principais implicados e testemunhas do caso.

BEIJO DO GORDO

Em 2000, o humorista voltou à Globo, comandando o “Programa do Jô”, um talk-show na mesma linha do “Jô Soares Onze e Meia”. 

A atração ficou 16 anos no ar e contava com a participação do Sexteto, grupo formado pelos músicos Derico (sax), Bira (baixo), Miltinho (bateria), Tomatti (guitarra), Chico Oliveira (trompete) e o maestro Osmar (teclados), além do garçom Alex. 

Durante os Jogos Olímpicos de 2000, o “Programa do Jô” foi transmitido direto de Sydney, na Austrália.   

Em agosto de 2008, Jô Soares comemorou 20 anos de talk show com entrevistados especiais, entre eles Caetano Veloso, que ainda cantou alguns de seus sucessos.

Também foi exibida uma edição com as melhores entrevistas feitas com anônimos: até aquele momento, cerca de 490 mil pessoas haviam participado da plateia dos programas, mais de 4 mil musicais foram apresentados e, aproximadamente, 4 milhões de e-mails recebidos pela produção.

Dois anos depois, em homenagem aos 10 anos de programa, Jô Soares comandou um especial com a nova geração do humor brasileiro. Em uma mesa redonda, ele recebeu Leandro HassumMarcelo Adnet, Bruno MazzeoDani CalabresaDadá Coelho e Flávia Garrafa

Outra conversa marcante em sua trajetória na Globo foi com o cantor Roberto Carlos. Em uma rara entrevista, o Rei falou sobre suas manias. E cantou uma das músicas preferidas do humorista: Estrada de Santos. A entrevista foi exibida em setembro de 2011.

Siga OFuxico no Google News e receba alertas das principais notícias sobre famosos, novelas, séries, entretenimento e mais!