Notícias às 07:00

Criamos a linha do tempo do documentário ‘Allen contra Farrow’

Reprodução

Dividido em quatro partes o documentário “Allen contra Farrow” narra a confusa história das acusações de abuso sexual feitas contra o cineasta Woody Allen no início dos anos 1990. Essas alegações vieram de Dylan Farrow, filha de Allen e sua parceira de longa data Mia Farrow, que tinha 7 anos na época. Desde a primeira acusação o assunto se transformou em um verdadeiro circo na mídia , com direito a ataques e defesas de todos os lados. Até agora o escândalo já rendeu ao cineasta prejuízos em vários setores. Nesse tempo todo Allen enfrenta extrema dificuldade de provar sua inocência e segue usando as poucas armas que tem para contra-atacar.

As acusações que começaram em 1990 foram renovadas por Dylan Farrow, 35 anos, em 2014 e ganharam eco quando veio à tona o movimento Me Too em 2017 quando o drama da filha do diretor história voltou a incomodar a opinião pública.

Produzido ao longo dos últimos anos, "Allen contra Farrow" explora as alegações e a linha do tempo dos eventos em grande parte através dos olhos de Dylan Farrow e de sua mãe Mia Farrow, de 76 anos, juntamente com conversas gravadas e entrevistas com amigos da família, outros filhos da atriz, jornalistas e testemunhas especializadas. Moses Farrow, filho de Mia e Woody Allen, que já defendeu seu pai no passado, se recusou a ser entrevistado para a série.

Para quem já assistiu o documentário da HBO e também para quem ainda não viu, OFuxico traça uma linha do tempo organizando a história em capítulos.  Com ela fica mais fácil entender o caso que segue discutido pela mídia há mais de 30 anos.

1980 – O início do namoro de Woody Allen e Mia Farrow

Farrow é uma atriz conhecida por protagonizar filmes como O Bebê de Rosemary (1968) e O Grande Gatsby (1974). Ela tem seis filhos, alguns biológicos e outros adotados com o ex-marido, o maestro Andre Previn: Matthew, Sascha, Lark, Summer (que atende por Daisy), Fletcher e Soon-Yi. Recentemente, ela adotou sozinha seu sétimo filho, Moses Farrow.

Entre os maiores de Hollywood

Allen está entre os cineastas mais famosos de Hollywood. Ganhador de dois Oscar por "Annie Hall" em 1978 e indicado a mais dois em 1979 por "Manhattan", longa que conta o romance de homem de 40 e poucos anos (interpretado por Allen) com uma estudante de 17 anos, interpretada por Mariel Hemingway, que tinha 16 anos quando rodou o filme.

Allen e Farrow seguiram juntos por 12 anos, nunca se casaram e fizeram 13 filmes juntos.

11 de julho de 1985
Mia Farrow adota um bebê, Dylan Farrow. Allen não participa da adoção.

19 de dezembro de 1987
Nasce Satchel Farrow, filho biológico de Woody e Mia. Na idade adulta, ele passará a usar o seu nome do meio, Ronan, e em 2018 ganhará um Pulitzer por sua cobertura da história do ex-produtor de filmes Harvey Weinstein, condenado a 23 anos de prisão por estupro e agressão sexual. Harvey e seu irmão Bob Weinstein foram os co-fundadores da produtora Miramax.

17 de dezembro de 1991
Finalizado o processo de adoção de Dylan e Moisés por Woody Allen.

13 de janeiro de 1992
Mia Farrow descobre no apartamento de Woody Allen uma pilha de fotos de sua filha Soon-Yi Previn nua, tiradas por Allen. A idade de Previn não era conhecida na época de sua adoção, ela tinha cerca de 21 anos e estava no segundo ano da faculdade quando a mãe encontra as fotos. Allen tinha 50 anos.

4 de agosto de 1992
Dylan Farrow conta a sua mãe sobre o abuso sexual, que ela diz ter ocorrido na casa de Farrow em Connecticut.

13 de agosto de 1992
Allen move um processo contra Farrow pela custódia de seus três filhos, Satchel, Dylan e Moses.

17 de agosto de 1992
Allen e Soon-Yi Previn tornam público seu relacionamento.

Nesse mesmo dia, a Polícia do Estado de Connecticut anuncia uma investigação sobre as alegações de Dylan.

18 de agosto de 1992
Allen dá uma entrevista coletiva para negar o abuso sexual de Dylan.

“Esta é uma manipulação injusta e terrivelmente prejudicial a crianças inocentes por motivos vingativos e egoístas”, alegou o diretor. Ele sugeriu ainda que Farrow influenciou Dylan a mentir a fim de puni-lo por seu relacionamento com Soon-Yi Previn.

30 de agosto de 1992
Em comunicado à Newsweek , Soon-Yi critica a mãe e defende sua relação com Woody Allen: “Admito que seja uma relação fora do comum, mas não vamos ficar histéricos. Não sou uma flor menor retardada que foi estuprada, molestada e abusada por algum padrasto malvado – nem de longe. ”

Novembro de 1992
O artigo “Mia's Story ” de Maureen Orth é  publicado na Vanity Fair. É o primeiro artigo extenso dedicado ao lado de Farrow na história.

18 de março de 1993
Allen anuncia que uma equipe de especialistas médicos examinou Dylan nos últimos sete meses e não encontrou sinais de abuso sexual, e que seu relatório o isenta das acusações. Detalhes do relatório médico não são divulgados, embora o advogado de Farrow diga que são imprecisos. O assessor de Allen diz que os dois lados “concordaram que o relatório não seria tornado público porque a privacidade de uma criança estava em jogo”.

19 de março de 1993
Tem início o julgamento de custódia e Allen testemunha que a atriz o ameaçou com telefonemas e começou a agir de maneira enfurecida na frente das crianças após o início dos desentendimentos entre eles.

25 de março de 1993
Mia entra em detalhes sobre o que Dylan disse a ela no verão anterior. Ela diz que temia que o diretor tivesse uma atração sexual por sua filha desde que ela tinha 2 anos.

26 de março de 1993
Mia Farrow presta testemunho perante a Suprema Corte do Estado de Nova York em Manhattan, onde Allen movia um processo pela custódia exclusiva de Dylan.

Farrow tinha gravada a confissão de Dylan, mas a fita continha interrupções, e Allen contesta sua validade. O New York Times relata que Allen "chamou as alegações de produtos da imaginação da Sra. Farrow ou do comportamento da criança".

27 de abril de 1993
Um psiquiatra infantil testemunha que o relatório do Hospital Yale-New Haven é "seriamente falho"

“Tínhamos duas hipóteses: uma, que eram declarações feitas por uma criança com distúrbios emocionais e que depois se fixaram em sua mente. E a outra hipótese era que ela foi treinada ou influenciada por sua mãe. Não chegamos a uma conclusão firme. Achamos que provavelmente foi uma combinação”.

8 de junho de 1993
O tribunal concede a custódia de Moses, Dylan e Satchel a Farrow. Allen tem os direitos de visita negados a Dylan. O juiz Elliott Wilk profere o julgamento no que o New York Times chama de "decisão contundente de 33 páginas", descrevendo Allen como um pai "egocêntrico, indigno de confiança e insensível" e condenando-o por seu caso com Soon-Yi Previn, por colocar os membros da família uns contra os outros, e por falta de conhecimento básico da vida de seus filhos.

25 de setembro de 1993
Frank S. Maco, procurador do estado de Litchfield County, Connecticut, dá uma entrevista coletiva e diz que tem “causa provável” para acusar Allen de molestar Dylan mas não irá faze-lo para não causar traumas em Dylan.

No mês de fevereiro seguinte, Maco será criticado por um painel disciplinar pela declaração e pelo tratamento que deu ao caso; em novembro, uma reclamação apresentada por Allen contra Maco é indeferida .

1 de dezembro de 1997
Em 1997, Mia Farrow lança a autobiografia, “What Falls Away”. A crítica do New York Times elogia alguns de seus escritos como “simples e comoventes”, ao mesmo tempo que diz que é melodramático demais.

22 de dezembro de 1997
Soon-Yi Previn e Woody Allen se casam.

1998–2013

Woody Allen faz mais 16 filmes, entre eles “Match Point” (2005), “Vicky Cristina Barcelona” (2008), “Midnight in Paris” (2011) e “Blue Jasmine” (2013). Em 2012, Allen ganha um Globo de Ouro e um Oscar pelo roteiro de “Meia – noite em Paris” , e em 2014, a estrela de “Blue Jasmine”, Cate Blanchett ganha um Globo de Ouro e um Oscar por sua atuação.

2000
Mia Farrow torna-se embaixadora da boa vontade do UNICEF e recebe vários prêmios por seu trabalho humanitário, particularmente em torno dos direitos das crianças e chamando a atenção para o genocídio na região sudanesa de Darfur. Em 2005, ela defende seu amigo Roman Polanski (que a dirigiu em seu filme “O Bebê de Rosemary”,  de 1968 ) em um julgamento por difamação – fato que confunde alguns, visto que Polanski morava na França desde 1978 após fugir dos Estados Unidos sob a acusação de estupro infantil. Em 2008, a revista Time nomeou Farrow como uma das 100 pessoas mais influentes do mundo .

Dylan Farrow cresce e atinge a idade adulta. Ela vive com um nome diferente, completamente distante do publico e da mídia.

Maureen Orth escreve outro artigo para a Vanity Fair sobre Farrow e seus filhos, destacando o trabalho humanitário que Farrow e Ronan fizeram juntos. No artigo, Dylan, que agora tem 28 anos e vive com outro nome, mantém sua história e explica as consequências que viveu desde então, incluindo depressão durante a faculdade, quando Allen tentou contatá-la várias vezes.

12 de janeiro de 2014
O "Globo de Ouro" homenageia Allen com o prêmio Cecil B. DeMille pelo conjunto de sua obra. Allen não comparece à cerimônia. Diane Keaton recebe o prêmio em seu nome.

O prêmio gera polêmica e reacende as acusações contra Allen. No The Guardian, Hadley Freeman escreve que “Allen é legalmente inocente e, portanto, merece todas as comemorações que as pessoas enviam para ele” e que “é totalmente normal celebrar Woody Allen , mas isso não significa que você precisa faze-lo”.

Quando o prêmio é entregue durante a transmissão do "Globo de Ouro" Mia Farrow twitta que está mudando de canal. Ronan Farrow posta uma mensagem em seu Tweeter e depois excluí: “Perdeu o tributo a Woody Allen – eles colocaram a parte em que uma mulher confirmou publicamente que ele a molestou aos 7 anos antes ou depois de Annie Hall?” – @RonanFarrow, 13 de janeiro de 2014

27 de janeiro de 2014
O produtor e diretor do especial da emissora PBS “Woody Allen: A Documentary”, Robert B. Weide, escreve um longo artigo para o Daily Beast contestando as acusações contra Allen e, em particular, o artigo mais recente da Vanity Fair de Orth, questionando a “confiabilidade ou objetividade geral” e citando o caso de difamação de 2005 que Roman Polanski venceu a revista com o apoio de Mia Farrow.

Na Vanity Fair Orth enumera fatos “inegáveis” que ela encontrou durante sua reportagem em 1992 e 2013.

1 de fevereiro de 2014
Em uma carta contundente publicada no blog do colunista Nicholas Kristof do New York Times, Dylan Farrow não apenas reitera suas alegações de 1992 e também questiona aqueles que continuaram a trabalhar com seu pai nos anos seguintes:

“E se fosse seu filho, Cate Blanchett? Louis CK? Alec Baldwin? E se tivesse acontecido com você, Emma Stone? Ou você, Scarlett Johansson? Você me conheceu quando eu era uma garotinha, Diane Keaton. Você me esqueceu?”. Woody Allen é uma prova viva de como nossa sociedade falha com os sobreviventes de agressão e abuso sexual.

7 de fevereiro de 2014
O New York Times dá a Allen espaço para responder em sua seção de opinião. Ele continua culpando Farrow pelas acusações de Dylan e pelo que ele chama de "transparência egoísta de sua malevolência". Ele diz que, mesmo depois de adulta, Dylan ainda é vítima do complô de sua mãe contra ele. “Agora, 21 anos depois, Dylan apresentou as acusações que os especialistas de Yale investigaram e acharam falsas… Além de alguns pequenos floreios criativos que parecem ter surgido magicamente durante nosso afastamento de 21 anos”, escreve o diretor.

Allen conclui: “Claro, eu não molestei Dylan. Eu a amei e espero que um dia ela compreenda como foi enganada por ter um pai amoroso e explorada por uma mãe mais interessada em sua própria raiva inflamada do que no bem-estar de sua filha. … Ninguém quer desencorajar as vítimas de abuso de falar, mas é preciso ter em mente que às vezes há pessoas que são falsamente acusadas e isso também é uma coisa terrivelmente destrutiva”.

Entre parênteses, ele acrescenta que não responderá a mais nenhum comentário sobre este assunto, porque “muitas pessoas foram feridas”.

7 de abril de 2015
É publicado o livro de memórias de Mariel Hemingway, “Out Came the Sun”. Nele, ela escreve que o comportamento de Allen no set de “Manhattan” a deixava nervosa e que, depois que ela completou 18 anos, Allen tentou convencer seus pais a deixá-la ir para Paris com ele. Hemingway tinha 16 anos quando trabalhou com  Allen no filme.

16 de outubro de 2017
O ator Griffin Newman se torna o primeiro de muitos a expressar arrependimento por ter trabalhado com Allen e promete doar seu salário do próximo filme de Allen, “A Rainy Day in New York”, para a RAINN, instituição que trabalha contra a violência sexual e agressão. Entre aqueles que lamentam trabalhar com Allen estão Timothée Chalamet, Rebecca Hall e Michael Caine. Alec Baldwin e Diane Keaton, continuarão defendendo Allen.

1 de dezembro de 2017
A filme “Roda Gigante” de Allen estreia nos cinemas. Durante sua turnê de imprensa, a estrela do filme, Kate Winslet, aparece em vários momentos incomodada ser questionada sobre porque ela trabalhou com Allen.

Woody Allen assina com a Amazon um acordo para produção de  seus próximos quatro filmes, o primeiro deles “Um dia de Chuva em New York”.

7 de dezembro de 2017
A revista Time nomeia Dylan Farrow como personalidade do ano por seu artigo para o Los Angeles Times intitulado “Por que a revolução #MeToo poupou Woody Allen?”. Nele, ela claramente culpa uma“ névoa deliberadamente criada ”em torno da história de Allen, elaborada pela equipe de publicidade de Allen, porque “atores de primeira linha concordam em aparecer nos filmes de Allen e os jornalistas tendem a evitar o assunto”. Ela condena Winslet, Blake Lively e Greta Gerwig por estrelarem filmes recentes de Allen.

7 de janeiro de 2018
Antes do Globo de Ouro 2018, Dylan Farrow tuíta sobre a #TimesUp, Me Too:

“O que não compreendo é como é que esta história doida de eu ter sido alvo de uma lavagem cerebral e treinada [para fabricar uma história de abuso de menores] é mais credível do que minhas palavras ao dizer que fui atacada sexualmente pelo meu pai”, disse a jovem a CBS. Allen acusa a “família Farrow” de “usar cinicamente a oportunidade dada pelo movimento Time’s Up”.

10 de janeiro de 2018
Colin Firth e Greta Gerwig afirmam que não trabalhariam novamente com Allen. Mira Sorvino, vencedora de um Oscar por "Poderosa Afrodite" (1995) o repreende e expressa apoio a Dylan. Rebecca Hall e Timothée Chalamet, atores de "Um dia de chuva em Nova York", o criticam e doam seus salários para instituições de caridade. Kate Winslet, sem o citar, se pronuncia dizendo: "Com pesar penso em decisões erradas de trabalhar com pessoas com quem eu não gostaria de ter feito".

18 de janeiro de 2018 – entrevista ao “CBS This Morning"


Vai ao ar uma entrevista de Dylan Farrow no “CBS This Morning”. Pela primeira vez ela fala na televisão sobre sua vida e suas acusações contra Allen. Quando Gayle King da CBS exibe um clipe de Allen negando a acusação no “60 Minutes”, Farrow começa a chorar. “Sinto muito, realmente pensei que poderia lidar com isso […] Ele está mentindo, e ele está mentindo há muito tempo . É difícil para mim vê-lo e ouvir sua voz. ”

Farrow rejeita veementemente a ideia de que sua mãe a tenha feito uma lavagem cerebral para que ela acreditasse em abusos que nunca aconteceram.

23 de maio de 2018

Moses Farrow publica uma postagem no blog intitulada “A Son Speaks Out” (em tradução livre “Um filho fala”), na qual ecoa as alegações de seu pai de que Mia Farrow coagiu e fez lavagem cerebral em seus filhos. Ele conclui dirigindo-se diretamente à mãe: “Uma coisa que você sempre disse que apreciava em mim era minha capacidade de ouvir […] Eu ouvi você por anos e considerei sua verdade acima de todas as outras. Certa vez, você me disse: 'Não é saudável manter a raiva'. No entanto, aqui estamos, 26 anos depois. Suponho que seu próximo passo será lançar uma campanha para me desacreditar por falar abertamente.”

Mia Farrow diz que as afirmações de Moisés são "completamente inventadas". Dylan Farrow responde no Twitter, dizendo que seu irmão é uma “pessoa problemática”. Em um tweet agora excluído, Ronan Farrow reafirma seu apoio à irmã.

Setembro de 2018
Soon-Yi Previn, agora com 47 anos, concede várias entrevistas à jornalista da revista New York Daphne Merkin , cujo perfil foi publicado na edição de 17 de setembro. Previn permaneceu em grande parte do tempo longe dos holofotes durante seu relacionamento e casamento com Allen, uma época que agora se estende por mais de 25 anos. Merkin revela no perfil que é amiga de Allen há 40 anos . Ela também revela que entrevistou com Soon-Yi na casa onde ela vive com  Allen, muitas vezes na presença de Allen.

Poucas informações novas aparecem no perfil. Merkin retrata Allen e Previn como um casal afetuoso e feliz com uma vida familiar particular. Define Previn como “articulada e autoconsciente”.

7 de fevereiro de 2019
Allen entra com um processo de quebra de contrato em Nova York , pedindo U$ 68 milhões à Amazon por supostamente tentar desistir do acordo de lançar quatro de seus filmes, “renegando assim as suas promessas ”.

“A Amazon tentou desculpar sua ação referindo-se a uma alegação infundada de 25 anos contra o Sr. Allen, mas essa alegação já era bem conhecida da Amazon (e do público) antes que a Amazon fechasse quatro acordos separados com o Sr. Allen— e, em qualquer caso, não fornece uma base para a Amazon rescindir o contrato ”, diz o processo.

3 de abril de 2019
A Amazon entra com uma moção para rejeitar quatro das oito ações de Allen contra a empresa.

2 de maio de 2019
O New York Times relata que Allen está negociando suas memórias com editores, mas enfrenta dificuldade para encontrar um comprador .

9 de novembro de 2019
Allen encerra seu processo com a Amazon. Os termos do acordo não são divulgados.

5 de março de 2020
O “Hachette Book Group” adquire os direitos da autobiografia de Allen, “Apropos of Nothing” . Funcionários da editora organizam uma greve em protesto.

23 de março de 2020 – As memórias Woody Allen


O livro de memórias de Allen é publicado sem aviso prévio pela Arcade Publishing. Nele, Allen mantém sua inocência ao mesmo tempo em que admite que namorou uma adolescente e confirma a história de Hemingway sobre a tentativa de levá-la a Paris com ele.

9 de outubro de 2020
Depois de muitos atrasos, em parte devido ao rompimento do relacionamento de Allen com a Amazon, que deveria distribuir o filme, “Um dia de Chuva em Nova York” chega aos cinemas dos Estados Unidos .

11 de dezembro de 2020
Moses Farrow concede entrevista ao The Guardian, repetindo suas declarações na postagem do blog de 2018. Ele diz: “É muito importante que qualquer pessoa que opte por adotar resolva qualquer trauma que tenha. Já ouvi muitas outras histórias de outros adotados que também estão afastados de seus pais adotivos. ”

21 de fevereiro de 2021
A primeira parte do documentário Allen contra Farrow estreia na HBO.

22 de fevereiro de 2021
Allen e Previn emitem uma declaração ao Hollywood Reporter sobre Allen contra Farrow , chamando-o de "trabalho de machadinha crivado de falsidades". A “Skyhorse Publishing” ameaça processar a HBO por usar trechos da versão do audiolivro “Apropos of Nothing” , lida por Allen, sem permissão. Os cineastas respondem que o uso do áudio é protegido pela doutrina de uso justo .