Notícias às 18:00

Halsey responde críticas sobre ser ou não uma mulher negra

Reprodução/Instagram

Halsey tem usado as redes sociais para falar de racismo e de suas próprias experiências como uma mulher birracial. Depois de ver as manifestações contra a morte de George Floyd, Halsey foi criticada por causa de um tweet, já deletado, acusada de não abraçar seu 'lado negro'.

Filha de mãe branca e pai afro americano, a cantora justifica que não pode se colocar com uma mulher negra, porque a cor da sua pele não a coloca no grupo de risco de violência.

"Não está no meu lugar dizer 'nós'. Meu lugar é ajudar. Sinto muito por minha família, mas ninguém vai me matar com base na cor da minha pele. Sempre tive orgulho de quem sou, mas seria um desserviço absoluto dizer 'nós' quando não sou suscetível à mesma violência.", explicou.

Esta não é a primeira vez que Halsey fala sobre se identificar como uma mulher negra com características que lhe permitem percorrer o mundo com privilégios.

Em uma entrevista em 2017 à revista Playboy, ela justificou: "Pareço uma garota branca, mas não me sinto como uma. Eu sou uma mulher negra, então, tem sido estranho navegar nisso."

Apesar das críticas, Halsey continua lutando pela igualdade e educando a ignorância:

"Tornou-se muito claro para mim que alguns de vocês precisam ver o que eu vi", escreveu ela no Instagram nesta semana, ao lado de vídeos e fotografias de sua participação nos protestos do Black Lives Matter. "Essas fotos e vídeos nem arranham a superfície. É fácil, no conforto da sua casa, assistir saques e tumultos na televisão e tolerar as violentas medidas tomadas pelas forças. Mas o que você não vê são inocentes, manifestantes pacíficos sendo baleados e agredidos fisicamente incansavelmente. Você acha que isso não está acontecendo. São apenas os 'bandidos' e os 'tumultos', certo? A polícia está mantendo você em segurança, certo? Você está errado", ela continuou em sua legenda. “Isso está acontecendo em todo lugar. E pessoas inocentes que exercem seus direitos estão enfrentando violência e abuso de poder. Com todos os nossos profissionais médicos sendo consumidos e exaustos com a COVID, há pouca ou nenhuma atenção médica disponível.", afirmou.

Halsey decidiu ajudar aqueles que precisavam de tratamento médico:

"Tratei de primeira mão homens, mulheres e crianças que foram baleados no peito, no rosto e nas costas. Alguns perderão a visão; alguns perderam dedos. Fui coberta de sangue inocente. Meu pai é um homem negro. Minha mãe é paramédica. Nesta semana, tive que reunir essas duas associações de uma maneira que me horrorizou.", relatou.

“Este NÃO é um post de sinalização da virtude. Mas preciso mostrar o que estou testemunhando com meus próprios olhos. Com a decisão de Trump de hoje de impor a mobilização das forças armadas em nossos próprios cidadãos, isso aumentou além do seu privilégio e conforto para não se importar. Por favor, cuidado. Estamos implorando para que você se importe. Isso é guerra contra os americanos. Isso é problema de todos. De todo mundo. #BLACKLIVESMATTER.", indicou.

Black Lives Matter: Como os famosos estão contribuindo?
Halsey está solteira e passa a quarentena sozinha
Halsey se irrita com fã durante show pré-Super Bowl