Notícias às 19:00

Jornalista da Jovem Pan é demitido após comentário sobre estupro

Reprodução/Instagram

Nesta quarta-feira (4), Rodrigo Constantino fez uma live em seu canal no Youtube e deu algumas declarações bastante polêmicas.

O jornalista da Jovem Pan pegou como gancho o caso de Mariana Ferrer. A jovem foi estuprada em 2018 e até hoje busca por justiça.

Na última terça-feira (3), o acusado foi absolvido por "estupro culposo", quando não há intenção de estuprar. Esse termo nem mesmo existe nas leis atuais.

Gabriela Prioli sobre ataques na web: 'Realmente triste'

"Eu não entrei no aspecto específico desse caso. Pelo pouco que eu vi, há boas razões para defender a decisão do juiz. A decisão do juiz fala em ausência de provas ou evidências. Não houve provas de que foi um ato à força", começou ele.

Em seguida, ele afirmou que estava debatendo o tema em linhas gerais.

"Não estou falando desse caso. O que eu vou falar aqui é usando como gancho esse caso, como poderia ser qualquer outro, para falar de um tema mais genérico que é a banalização do conceito de estupro".

Rodrigo também comparou a situação ao fato de dirigir alcoolizado.

"Se for estupro mesmo precisa haver ausência de consentimento e uso de coerção, força. Se ela consentiu, bêbada, a analogia é válida à direção. Ela não pode dizer que não consentiu. Se não, temos que aceitar que se ela pegar um carro, é inimputável. Ela não escolheu pegar o carro. É isso que as feministas estão dizendo".

Caso Mariana Ferrer: Famosos pedem justiça pela influenciadora

O comentarista também contou o que faria se um caso parecido acontecesse com a sua filha.

"Se minha filha chegar em casa e falar: 'Fui estuprada'. Me dá as circunstâncias. 'Fui para uma festinha eu e três amigas, tinha 18 homens, nós bebemos muito, eu estava ficando com dois caras, acabei dormindo lá e fui abusada'. Ela vai ficar de castigo e eu não vou denunciar um cara desse para a polícia. Eu vou dar esporro na minha filha porque alguma coisa ali, ela errou feio. É um comportamento condenável. Existe mulher decente e piranha. Se beber, não fique em um ambiente com muitos homens ou pessoas que você não confia", opinou.

Blogueira Mariana Ferrer denuncia estupro em rede social

Demissão

 

As declarações de Constantino foram muito criticadas nas redes sociais e a Jovem Pan tomou a decisão de desligar o profissional.

"O Grupo Jovem Pan tem como premissa a liberdade de expressão e o amplo debate entre seus comentaristas. Diante do ocorrido nesta quarta-feira (4) em uma live independente, promovida fora de nossas plataformas, por um de nossos comentaristas, a Jovem Pan esclarece que desaprova veementemente todo o conteúdo publicado nos canais pessoais e apresentado nessa live. Reafirmamos que as opiniões de nossos comentaristas são independentes e necessariamente não representam a opinião do Grupo Jovem Pan. No caso de Mariana Ferrer, defendemos que a vítima não deve ser responsabilizada pelos atos de seu agressor, apesar do respeito que todos nós devemos ter às decisões judiciais. Em consequência do episódio, na tarde desta quarta-feira, Rodrigo Constantino foi desligado de nosso quadro de comentaristas", dizia o comunicado, publicado no site do Grupo Jovem Pan.

O jornalista também comentou sobre o caso em sua conta no Twitter.

"Vocês venceram uma batalha, parabéns! A pressão foi tão grande sobre a Jovem Pan, distorcendo claramente minha fala, que não resistiram. Não os culpo. É do jogo. Quem me conhece e quem viu de fato sabe que eu jamais faria apologia ao estupro! Mas desde já estou fora da Jovem Pan. Sou muito grato por tudo que a Jovem Pan fez, pelo espaço livre, pela confiança. Foi um período de trabalho intenso, muitas conquistas e crescimento", escreveu ele.

Rodrigo Constantino foi demitido da Jovem Pan após comentários sobre estupro

Entenda o caso de Mariana Ferrer

 

Na terça-feira (3), o Brasil se viu indignado com o resultado do julgamento do caso Mariana Ferrer, com o acusado André de Camargo Aranha sendo absolvido após sua defesa argumentar que a situação seria um “estupro culposo”, ou seja, “sem intenção”.

O caso aconteceu no Café de la Musique, em Florianópolis, em 2018, na qual por meio de um vídeo vazado na internet, a influenciadora foi vista nitidamente alterada subindo escadas com André e descendo seis minutos depois. Apesar de tal vídeo vazado, a polícia só solicitou as gravações das câmeras locais meses após o ocorrido, com o estabelecimento afirmando que exclui os vídeos após quatro dias.

Em seu depoimento na polícia, Mariana afirmou ter tido um lapso de memória e acredita ter sido dopada, afinal, a única bebida alcóolica em seu nome na noite foi uma dose de gim. De acordo com o site The Intercept, que chegou a liberar um vídeo da defesa de Aranha humilhando Ferrer, ele foi inocentado no mês de setembro, e o promotor do caso disse que durante o ato sexual, o empresário de futebol não tinha condições de saber se a relação foi consentida, e por isso não “existiria a intenção de estuprar”.

Por “estupro culposo” não ser algo previsto em lei, André não pode ser condenado.